Uncategorized

Projeto cria política de saúde para presidiárias

Foi aprovado na Assembléia Legislativa o projeto de lei da deputada Cida Borghetti (foto), do PP, que promove a atenção integral à saúde das mulheres que estão na prisão no Paraná.

A proposta é aumentar, por exemplo, a cobertura e a qualidade da assistência pré-natal, de parto e também pós-parto, atingindo mulheres que cumprem pena ou aguardam julgamento no sistema penitenciário do Estado. Também são previstas ações de planejamento familiar e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis. Saiba mais sobre o projeto clicando em Leia Mais.

O projeto prevê, também, ações de planejamento familiar, garantindo métodos anticoncepcionais reversíveis. Segundo a autora, deputada Cida Borghetti (PP), o Governo do Estado deverá estabelecer parcerias com outros setores para o controle de doenças sexualmente transmissíveis (DST) e de outras patologias, visando a prevenção da transmissão vertical do HIV, sífilis congênita e erradicação do tétano neonatal.

“Essa matéria pretende estabelecer uma política integral de cuidado com a mulher detenta”, afirma a deputada. “Se for aprovado em plenário, nós vamos conseguir diminuir os índices de mortalidade materna, aumentar os índices de aleitamento materno, ampliar as ações de detecção precoce e controle de câncer do colo do útero e da mama, articulando um sistema de referência para o acompanhamento dessas mulheres”, completa Cida Borghetti.

Cerca de 20% da população carcerária do país está infectada por alguma patologia de natureza grave, com maior progressão entre as mulheres, conforme aponta um estudo realizado pelo Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Aids da Universidade de São Paulo.

“A sociedade em geral desconhece os problemas das mulheres internas do sistema prisional e é fundamental preservar a saúde delas, permitindo a reintegração dessas pessoas à sociedade em boas condições de saúde”, afirma Cida Borghetti, e completa “Esse projeto pretende combater as consequências negativas do abandono e da falta de condições de higiene nas cadeias”, finaliza a deputada.

O projeto que cria a política da saúde da mulher detenta foi aprovado em primeira discussão (análise da constitucionalidade da matéria) e, nesta quarta-feira, passou por mais uma rodada de discussão no Plenário da Casa.

Comente