Uncategorized

Lula, Médici, Requião, cada um dá o que pode

De Lula em discurso, ontem, durante cerimônia de comemoração do 35º aniversário da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

— De vez em quando as pessoas falam: “O Lula defende, elogia o governo Geisel, o Lula elogia não sei das quantas e tal”. Pois eu agora, veja a contradição, Requião: um dos presidentes que permitiu que a gente vivesse o momento político mais crítico da história do País, o presidente Médici, foi o homem que assinou a Embrapa e foi o homem que assinou Itaipu. Em uma demonstração de que cada um de nós tem uma coisa boa para oferecer, tem coisas ruins dentro da gente, e que nós não poderemos ficar julgando eternamente as pessoas por um gesto, ou dois gestos, sem compreender os outros gestos que as pessoas fizeram, que permitiram que o Brasil encontrasse o seu rumo. Cada um de nós será julgado um dia. Cada um de nós será julgado por aquilo que fez, por aquilo que deixar de fazer, pelos nossos erros e pelos nossos acertos.

4 Comentários

  1. Malgrado a censura, a repressão, a tortura e as demais formas de violência contra as liberdades, a competência técnica e administrativa dos governos militares é, ainda hoje, incomparavelmente superior aos governos que os sucederam… A base para o atual estágio de desenvolvimento do Brasil foi construída nos anos 60 e 70… depois disso o dilúvio, em termos administrativos… talvez, para horror da patrulha ideológica roceira e esquerdista, se não houvesse a crise do petróleo e outras crises internacionais, que interromperam o processo de crescimento do país, tivesse sido mais difícil convencer os militares a deixarem o poder… muitos dos que hoje batem no peito, proclamando serem redentores da liberdade e democracia, aceitaram as regras do jogo militar e flertavam com os poderesos, com rabo entre as pernas…

  2. Lula que diria, que ele mudou todo mundo sabe, é nitido, mas que um dia ele iria parabenlizar um dos piores generais da ditadura, juro, que por esta eu não esperava.

    É uma lastima.

  3. Não é novidade! Reply

    Depois de ler um texto do Delfim, aquele que assinou o AI-5 e abriu junto com o Roberto Campos a economia do Brasil ao capital interncional, onde ele disse que “o Lula salvou o capitalismo brasileiro” e ver já anteriormente o Requião elogiar por diversas vezes o general golpista Nei Braga nada mais me assusta!

  4. Amigos, o que os iguala é a cadeira, aquela cadeira de presidente, quando eles sentam naquela cadeira eles passam a ver o Brasil de outro ângulo, ouvir o Brasil de uma outra dimensão, sentir o Brasil de uma outra forma, cheirar o Brasil de um outro modo e degustar o Brasil de uma maneira semelhante.
    Naquela cadeira, ponto focal do prisma, o ângulo é zero. Todos se igualam. Não há nem bem nem mal. Cabe à História julgar. Quanto ao povo que se arrebente e pague a conta. Ou não ?

Comente