Uncategorized

“Bateram a nossa carteira”, diz líder do PMDB

“Bateram a nossa carteira”, diz Ari Soares, de Colombo, líder de base e decepcionado com a frustração da candidatura de Requião a presidente da República.

Como ele, há setores do PMDB nativo que não escondem a irritação com a atitude de Orestes Quércia, que por três oportunidades lançou a candidatura do governador Requião a presidente da República à época em que disputava a licitação de verbas de propaganda do Estado.

Agora, que já venceu a licitação, Quércia faz outra manobra e se associa ao DEM de Gilberto Kassab e lança a candidatura de José Serra para a sucessão de Lula.

6 Comentários

  1. O Requião pode ficar tranqüilo que não é o posicionamento do Quércia que irá prejudicar sua candidatura a Presidência da República. Não se pode prejudicar algo que nunca existiu, e que, tampouco, algum dia irá existir. O Requião, assim como a maior parte dos políticos paranaenses (Lerner, irmãos Dias, Arns e Camargos), nunca passou de um coronelzinho local. Ainda está para nascer o político paranaense que ultrapasse os simples bastidores da política nacional.

  2. ALEXANDRE SOUZA Responder

    CARTEIRA DE QUEM?
    Falar em carteira de PMDB é no mínimo
    estranho…não seriam recursos de corrupção,]
    nepotismo e outros ‘negócios’, para manter a
    chamada ‘família maldita’

  3. Alexandre. Você tem toda razão. E ainda encontro pessoas que falam do atraso do nordeste e do Paraguai. Brincadeira! Os nossos políticos são pequenos ditadores.

  4. Fui ao Michaelis consultar ditador (lar dictatore) Fig. Indivíduo arrogante que pretende impor aos demais a sua vontade.
    Alguém conhece este sujeito?

  5. É verdade… Requião não precisa do Oreste Quércia para dirigir seu destino.
    Deus é quem ditará os caminhos.
    Se Requião não for Presidente é porque o Brasil não merece um presidente honesto e capacitado como ele.
    Conhecem o ditado: O povo tem o governo que merece?

Comente