Uncategorized

Ações da Antidrogas são modelo para rave na RMC

As ações da Secretaria Antidrogas de Curitiba servirão de modelo para eventos na Região Metropolitana. Neste fim de semana, em Piraquara, uma rave que reunirá pelo menos 12 mil pessoas terá ações preventivas às drogas seguindo o modelo da Prefeitura de Curitiba.

Numa parceria com os promotores do evento, serão colocadas 30 câmeras de vídeos, espalhadas em locais estratégicos para o monitoramento. Serão também usados cães farejadores, da raça labrador, que auxiliarão na revista. Os freqüentadores contarão com o apoio de voluntários, que farão ações educativas e distribuirão folhetos informativos contra o uso de drogas.

“É muito importante que os empresários levem as ações para outras cidades, onde promovem os grandes eventos, especialmente para as regiões metropolitanas, onde as autoridades deverão buscar um trabalho integrado para coibir ações criminosas”, afirma o secretàrio municipal Antidrogas, Fernando Francischini.

As ações aplicadas pela Secretaria Antidrogas e empresários, na capital, resultaram na apreensão de drogas e de pessoas mal intencionadas que tentavam se infiltrar na festa. “Queremos estender estas ações para os eventos na região metropolitana e oferecer mais segurança aos freqüentadores, além de tranqüilidade às suas famílias”, diz Carlos Civitate, empresário e promotor da rave XXXerience, que acontecerá em Piraquara.

Civitate explica que as ações antidrogas são parte da mega-estrutura montada para o evento, que contará também com 450 profissionais, sendo 200 reservados para fazer a segurança no local. “O trabalho será ostensivo e feito desde a chegada dos freqüentadores até o término do evento”, garante. Além disso, duas unidades de terapia intensiva móveis estarão no local para o pronto-atendimento.

Raves – Para realizar um grande evento de música eletrônica, os empresários explicam que são cumpridas várias exigências legais, que vão desde a apresentação de documentos para liberação do alvará até a montagem de estrutura que garanta segurança e pronto-atendimento médico.

O empresário Eduardo Marcodes, que também é um dos organizadores do evento deste fim de semana, afirma que são exigidos documentos que comprovem informações que autorizam a realização do evento, como por exemplo, o de distância mínima do local da festa em relação a áreas residenciais e dos horários de início e término do evento.

“Já se cumpria a todas exigências e foram incluídas as novas propostas da Secretaria Antidrogas, que ajudarão a prevenir eventuais ações de delinqüentes que possam estar infiltrados na festa”, diz. As festas raves, afirma, são realizadas em chácaras ou fazendas fora da região urbana. Além da ação antidrogas, o evento, no sábado, será solidário e com promoção da consciência ecológica. Doze toneladas de alimentos serão arrecadadas e entregues a instituições carentes que atendem 300 famílias. Todo o lixo produzido no evento será reciclado.

Comente