Uncategorized

Incompetência e desleixo no porto, acusa Rossoni

A convocação de Eduardo Requião para explicar a falta de dragagem e as denúncias de irregularidades é a única iniciativa a ser tomada neste momento, diz o deputado Valdir Rossoni, líder da oposição na Assembléia.

Os problemas do Porto de Paranaguá são graves e foram confirmados na manhã de ontem aos deputados estaduais, durante reunião na Assembléia, pelo engenheiro naval Gert Prange. Especialista em questões portuárias, Prange diz que se nada for feito, um desastre poderá ocorrer no terminal a qualquer momento, pela falta de dragagem do Canal da Galheta.

Segundo o engenheiro Prange, a Capitania dos Portos tem agido para minimizar esses riscos, mas uma falha humana não pode ser descartada. “A Marinha garante uma segurança de 10% com as batimetrias (estudo de profundidade) realizadas e a constante diminuição do calado, mas não tem como controlar a função humana. Com o Canal mais estreito e raso qualquer imperícia pode causar um acidente. De zero a dez o risco é nove”, apontou.

A estimativa do engenheiro Prange é que se o Canal permanecer sem dragagem, no início do próximo ano a Capitania dos Portos deverá limitar novamente o calado para 10,7 metros. “Cada centímetro a menos no calado representa 70 toneladas que deixam de ser carregadas no navio. Nos últimos quatro anos a redução foi de 1,2 metros, o que representa cerca de 8,4 mil toneladas que não são embarcadas por navio”.

Em algumas ocasiões, as condições propícias para navegação ocorrem à noite, mas aí o porto está fechado por determinação da Marinha. “Essa situação é gravíssima. As bóias de sinalização não funcionam e os navios não têm parâmetro para a navegação a noite. É como se o aeroporto Afonso Pena não tivesse iluminação. Não tem condições de o avião pousar ou decolar”, disse o líder da Oposição deputado Valdir Rossoni (PSDB), que formulou o convite para a vinda do engenheiro.

5 Comentários

  1. É isso que escrevi a dias atrás ,o grannnde lucro do porto está justamente neste item, não há dragagem = não há gastos,portanto,não há iluminação das boias = não há gastos, mais uma vez, portanto o lucro todo que o porto tem vem destas e de mais algumas outras asneiras do superintendente da APPA,porque acredito eu que eles ,mesmo assim, sem dragagem eles devem estar cobrando em cada fatura de movimentação de navios o equivalente ao fundo de dragagem.Então senhores ficou comprovado que ter lucro com o descaso é fácil, e, quem vai cobrar??????????????Cadê o Conselho da Autoridade Portuária?????Cadê os ilustres beneméritos do porto????

  2. Antoninense da Gema Responder

    Situação contrária

    Fonte: http://www.impactopr.com.br coluna Ondas Litorâneas

    A diretoria do Porto tem cada figura, que é certo analisar individualmente cada um deles. O Luiz Henrique Tessutti Dividino, que não se tem notícia do qual curso superior cursou, hoje é diretor do Porto de Antonina (agora na Ponta do Félix), mas no início do governo foi exonerado por problemas em licitações de informática, voltou ao seu cargo tranquilamente. Daniel Lúcio (quase faliu o Clube Náutico de Antonina) outro diretor da autarquia, esteve detido na subdivisão policial por depositário infiel, está firme e forte nos calcanhares de Eduardo para se garantir no corrimão do poder. Na outra ponta está o engenheiro Lepoldo Campos, o servidor de carreira, que denunciou todas as falcatruas, foi afastado e a sua lista de mutretas até hoje não foram esclarecidas pela direção do Porto. Chega-se a conclusão que Eduardo, não pode se afastar dos calados, do porto e nem de seus chegados, pois se um deles abre o bico a coisa complica.

  3. Mais uma crônica do desastre anunciado na Galheta.
    Só falta um ponto e o desastre.
    Aguardemos.
    É o que resta.
    As autoridades ditas de controle público estão impassíveis, no aguardo, sabem que se ocorrer o desastre o fato não afetará as suas prerrogativas, os seus régios salários pagos pelo povo e os ditames dos calhamaços de leis e normas à disposição de que dispõem e que justificariam seus cargos privilegiados.
    Sabem que o povo pagará a conta e a culpa será do desastre.
    Como é culpada a tarifa pelo passivo ações judiciais perdidas pelo governo contra o pedágio que assoma a casa dos milhões.
    Não há responsáveis neste Estado.
    O barco vai a deriva e os ratos se fartam.

  4. Faz 5 anos que todos esperam um desastre na Galheta, como não acontece seria bom o Rossoni e sua tropa providenciar um…Só por Deus, aguentar todo dia esses Deputados demagogos falarem a mesma coisa…

  5. Antoninense da Gema Responder

    ONDAS LITORÂNEAS
    Fonte: http://www.impactopr.com.br
    Surpreendentemente, o atual diretor do Porto de Antonina, Luiz Henrique Dividino, foi guindado à presidência do terminal da Ponta Félix, na cidade de Antonina, cidade que está passando a maior crise da história, onde a sua paralisação, vem ocasionando focos de pobreza em famílias da cidade capelista. Há aproximadamente 30 dias que os trabalhadores daquela cidade vivem sentados em bancos da praça central, aguardando por um milagre deste governador, que se encontra na Alemanha, muito preocupado.
    Novos diretores
    A APPA contrata novos diretores, para o lugar de Dividino em Antonina, Requião prestigiou mais um cabo eleitoral na destinação de cargos, colocou Paulo Wilhelme, que era chefe de gabinete na APPA no 2º mandato do governador. Outro foi André Ricardo, nomeado como diretor técnico da APPA. Este já foi responsável pela reforma do centro administrativo da APPA e de presente ganhou este cargo.
    Buchichos do grilo
    Beleza, este feriadão prolongado, mas beleza mesmo é esta vida de portuário indicado , sendo que o melhor mesmo é o salário do Dividino sofreu alteração de 60% com a mudança de Diretor para Presidente da Ponta do Félix. “Eita, beleza e sem dividir, Dividino“.

Comente