Uncategorized

Daniel Dantas, Veronica Dantas et caterva voltam para a prisão


A Justiça Federal decretou a pouco a prisão preventiva do banqueiro Daniel Dantas, segundo informou o ministro da Justiça, Tarso Genro. Dantas deixara a prisão na madrugada de hoje após ter conseguido um habeas corpus no STF (Supremo Tribunal Federal).

O banqueiro, o megainvestidor Naji Nahas e o ex-prefeito Celso Pitta foram presos na terça-feira durante a Operação Satiagraha, da Polícia Federal. Após a determinação que havia beneficiado Dantas, Nahas e Pitta pediram ao Supremo a extensão da decisão.

Antes de a Justiça decretar novamente a prisão de Dantas, o advogado Nélio Machado, que defende o banqueiro, havia dito em entrevista coletiva que seu cliente prestaria depoimento ainda hoje à PF.

Machado também voltou a negar que Dantas tenha tentado subornar um delegado federal para que o nome de seu cliente e de integrantes da sua família fosse retirado de um inquérito da PF sobre supostas operações ilícitas. “Sobre esse assunto [a tentativa de suborno] eu não tenho nenhum conhecimento de nenhum procedimento”, afirmou.

Ontem, o presidente do STF, Gilmar Mendes, decidiu revogar a prisão temporária de Dantas, de Verônica Dantas (irmã e parceira de negócios), e de mais nove pessoas presas pela operação. Na decisão, Mendes havia considerado “desnecessária” a prisão dos suspeitos, pois não haveria ameaça às provas colhidas durante a operação da Polícia Federal.

Além de Dantas e Verônica, foram libertados Daniele Silbergleid Ninnio, Arthur Joaquim de Carvalho, Carlos Bernardo Torres Rodenburg, Eduardo Penido Monteiro, Dório Ferman, Itamar Benigno Filho, Norberto Aguiar Tomaz, Maria Amália Delfim de Melo Coutrin e Rodrigo Bhering de Andrade.

Os advogados de Fernando Nahas, Miguel Jurno Neto, Roberto Sande Caldeira Bastos e Maria do Carmo Antunes Jannini também recorreram hoje ao Supremo para tentar garantir a extensão da decisão que havia beneficiado Dantas.

A Operação Satiagraha investiga a suposta prática dos crimes de lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, evasão de divisas, formação de quadrilha e tráfico de influência para a obtenção de informações privilegiadas em operações financeiras.

A PF prendeu 17 pessoas dos 24 mandados de prisão expedidos. Também foram apreendidos documentos, computadores, veículos e dinheiro em espécie que ainda está sendo contabilizado. Somente em um local foram apreendidos cerca de R$ 1,1 milhão.

Investigações

Segundo a PF, as investigações começaram há quatro anos, com o desdobramento das apurações feitas a partir de documentos relacionados com o caso mensalão. A partir de documentos enviados pelo STF para a Procuradoria da República no Estado de São Paulo, foi aberto um processo na 6ª Vara Criminal Federal.

Na apuração foram identificadas pessoas e empresas supostamente beneficiadas no esquema montado pelo empresário Marcos Valério para intermediar e desviar recursos públicos. Com base nas informações e em documentos colhidos em outras investigações da Polícia Federal, os policiais apuraram a existência de uma organização criminosa, supostamente comandada por Daniel Dantas, envolvida com a prática de diversos crimes.

Para a prática dos delitos, o grupo teria possuído empresas de fachada. As investigações ainda descobriram que havia uma segunda organização, formada por empresários e doleiros que supostamente atuavam no mercado financeiro para lavagem de dinheiro. O segundo grupo seria comandado pelo investidor Naji Nahas.

Além de fraudes no mercado de capitais, baseadas principalmente no recebimento de informações privilegiadas, a organização teria atuado no mercado paralelo de moedas estrangeiras. Há indícios inclusive do recebimento de informações privilegiadas sobre a taxa de juros do Federal Reserve (Fed, o BC americano).

Os presos na operação devem ser indiciados sob as acusações de lavagem de dinheiro, corrupção, evasão de divisas, sonegação fiscal e formação de quadrilha.

2 Comentários

  1. Parabéns a Polícia, é pena que provavelmente o presidente do Supremo novamente vá soltar o bandido… Até quando o Judiciário vai ficar como uma caixa preta ? ? ? Tava na hora de meter em cana o tal do Gilmar Mendes

  2. Soático Dantos Responder

    O LADO BOM DO DD – O que não entendo é o próprio ministro da Justiça anunciar a nova prisão. Mais parece uma pirotécnia política dentro do governo, diante da pré-temporada para escolher o candidato do PT a sucessão de Lula.
    Que prendam o DD, que se cumpra a lei e que de uma vez por todas se acabe com aquela história de que sentença de juiz não se discute. Se cumpre. E se ele errou como qualquer humano?
    E tem a história do repórter da Globo que está sendo questionado pela Folha de São Paulo por ter informações de cocheira, como se dizia antigamente.
    Ótimo tudo isto que está acontecendo em torno do caso DD.
    É a oportunidade de nossas instituições – inclusive a imprensa – reverem posicionamentos, discutirem atos
    e perguntarem a si mesmas o que fazem pelo desenvolvimento do país.
    Bacana já está no xelindró. Se ficará o tempo dirá.
    Até sugiro que divida a cela com o Caciolla, se é que ele virá lá de Mônaco.
    Eles terão muito o que conversar.
    E dá até para imaginar os dois comendo quentinha e discutindo qual a melhor marca de óculos escuros para tomar sol.

Comente