Uncategorized

Maurício Requião encarou o primeiro constrangimento


Maurício Requião estreou há pouco de beca nova e todos os impedimentos legais que o impedem de exercer plenamente o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas.

Exemplo foi o constrangimento de hoje. Maurício ergueu a mão para sinalizar que não poderia julgar um repasse de verbas para a APAE de Pinhal. Afinal, foi ele quem fez o repasse desse dinheiro quando era secretário da Educação.

Vai ser assim em todas as sessões. Parece deboche, não?

10 Comentários

  1. José Luiz Malveri Responder

    Isso é constrangimento? Coisa mais normal… Que marcação em cima do cara, sô!

  2. Nunca se viu isto. Agora estamos vendo. Por que ? Por causa do compadrio dos poderes e da inoperância das ditas autoridades de controle público. Todos ou todas (com as exceções já notórias) se submeteram não ao interesse público, mas ao apetite personalísimo do governante de ocasião, e então está aí um “magistrado” que não pode julgar. Só faltava no Tribunal de Contas um Conselheiro faz-de-conta. E o povo paranaense vai pagar esta nulidade ?

  3. A Corte gosta de pose. Digo, dessa postura.
    O ficar bem na foto, no linguajar mais popular.

  4. … interessante: com tantos políticos no TCE-PR e inclusive um cunhado de Jaime Lerner , não existiam “constrangimentos” e sequer a bendita palabra “impedimento” lá existia !

    Quer dizer que agora eis que se apresenta alguém sério, que se digna a constranger-se ou a sentir-se impedido de votar algo ?

    Que bom, afinal vemos sinais de evolução no TCE-PR !

  5. As notícias saem conforme lhes convém. PORQUE NINGUÉM FALA QUE DE 56 PROCESSOS O MAURÍCIO NÃO PODE JULGAR APENAS 4 ( quatro) ?

Comente