Uncategorized

Bufonaria de Requião derruba as oposições

A pancada na moleira que significou o resultado do Data Folha começa a ser analisada pelas oposições, que fazem cálculos, ouvem os luas-pretas e apelam às orações.

Requião está convencido, em sua obstinação, de que é possível levar a disputa para o segundo turno.
Ora, pois, há inteligência nas oposições que começa a perceber que o grande problema desta eleição é a insistência do governador Requião em interferir no processo eleitoral procurando polarizar as atenções com Beto Richa.

A atitude de Requião só traz problemas para os candidatos sérios e verdadeiros que disputam com o tucano Beto Richa. Mas não há o que possa fazer Requião desistir de fazer desta eleição a oportunidade de campanha para a sua, em 2010, quando tentará uma vaga no Senado.

Mesmo aqueles que se encantam com a bufonaria cheia de otimismo de Requião, sabem que não será tarefa fácil mudar o quadro eleitoral de Curitiba. Seria necessário arrancar 27% dos votos de Curitiba, ou 339 mil votos, que hoje estão com Beto e passá-los para os candidatos de oposição.

Murilo Hidalgo, da Paraná Pesquisa, tem sua própria aritmética e mostra que as oposições teriam de tirar 4,8 mil votos por dia de Beto Richa, num quadro em que a maioria dos curitibanos, 67%, já decidiu seu voto. A favor de Beto.

Outra dificuldade das oposições é o baixo índice de eleitores indecisos que, sozinhos, não garantem o segundo turno. Apenas 6% ainda não sabem em que votar. Outro obstáculo: dos entrevistados que dizem votar em Beto Richa, apenas 24% afirmam que seu voto pode mudar. Dos que votam em Gleisi, 43% dizem que há chances de mudar.

Beto Richa assenta seu favoritismo em sólida aprovação de sua administração. Dos entrevistados, 79% consideram o desempenho de Richa ótimo ou bom. Apenas 4% o consideraram ruim ou péssimo.

6 Comentários

  1. Exceto pela eleição de 85 – uma efeméride política – cujo resultado foi muito mais motivado pela ostensiva presença do Gov. José “Baralhinho” Richa, que ainda desfrutava de grande prestígio na ocasião, e no cansaço da população por sucessivos prefeitos biônicos (inclusive Fruet), o grupo de Mello e Silva nunca mais ameaçou, nem de longe, conquistar o poder na taba curitibana. Sào perdedores (loosers) natos, na acepção altamente pejorativa que os americanos dão à esta expressão. Ou, talvez, Mello e Silva em seus arroubos megalomaníacos, queira passar a história como o único dessa caterva que conseguiu lograr eleger-se, ainda, que sem nenhum mérito pessoal nesta conquista, que deveu inteiramente à ressaca biônica do populacho e ao arregaçar de mangas de Chuchuzão Richa I, O Indeciso…

  2. Por isso que o Requião agora disfarçadamente num primeiro momento jogará todas as suas ficha na Gleisi, se unido momentaneamente à República de Londrina para elejer Gleisi. Lula, Zeca do PT, Gilberto Carvalho, Zé Dirceu, e outros menos famosos estão loucos para conquistar a Jóia da Coroa entre as capitais, que é Curitiba.

  3. Vamos ser coerentes…

    Requião colocou Moreira, um cara desconhecido por quê?

    Para não queimar nenhum outro candidato. Pois ele não é burro e sabe que Beto irá se reeleger…

  4. Tal como um ator da Commedia dell’Arte, o Requião vem representando o mesmo personagem com a maschere (máscara) de paladino da Carta de Puebla e seguindo o mesmo canovaccio (enredo), sendo já por demais conhecidas as suas prime uscite (primeiras saídas), os concetti (conceitos), os saluti (as saudações) e as maledizioni (as maldições). Bruto buffone !

  5. O próprio Requião chegou a ter 80% nas pesquisas em 2006 e teve 2º turno.

    Sonhar não custa nada.

  6. Se voces acham tudo isto mesmo, se acham que o Moreira não tem chance nenhuma então por que se preocupam tanto com o este que voces chamam de candidato do Requião?
    Não parece estranho isto ?

Comente