Uncategorized

Lugo promete austeridade e simplicidade

O ex-bispo Fernando Lugo tomou posse como presidente do Paraguai para um mandato de cinco anos depois de seis décadas de Partido Colorado no poder. Em seu discurso, Lugo prometeu “austeridade e simplicidade”.

Pouco antes, disse aos jornalistas que ele não precisa de dinheiro, que não entrou na política para enriquecer e que vai renunciar ao salário de chefe de Estado, que equivale a R$ 6,5 mil. Lugo também afirmou que vai combater a corrupção e “a gente que se aproveitou do erário público”.

O ex bispo foi investido em ato na explanada do Congresso diante dos presidentes do Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Equador, Taiwan, Uruguai e Venezuela. Também presente o herdeiro da coroa espanhola, o príncipe Felipe de Astúrias, e mais uma centena de delegações estrangeiras.


De Eliane Cantanhêde, enviada especial a Assunção, é o comentário sobre a posse de Lugo sob pressão da direita e da própria base.

Ex-bispo que rompe domínio colorado de 61 anos hesita entre denunciar ameaças da oposição e defender diálogo

Camponeses convocam para domingo primeiro ato sob novo governo, para pedir reforma agrária que pode atingir brasiguaios

O ex-bispo católico Fernando Lugo, 57, assume hoje a Presidência do Paraguai com o carimbo de esquerda e encerrando 61 anos de poder do conservador Partido Colorado, alternando ora a denúncia de uma “conspiração” da direita contra ele, ora um discurso conciliador. Lugo depende de um Congresso em que os mesmos colorados são maioria tanto na Câmara quanto no Senado.
Em conversa com repórteres do “ABC Color”, ele voltou a falar ontem em ameaça de desabastecimento de gasolina e remédios, o que “poria fogo no país”. Mas o jornal “Última Hora” circulou com Lugo falando em “mudança”, “racionalidade” e defendendo diálogo com o Congresso e com o campo.
O aceno foi porque o MST local se insurge contra produtores brasileiros -os brasiguaios- e promete fazer o primeiro grande protesto da era Lugo já no próximo domingo.
Eleito com 40,5% dos votos para um mandato de cinco anos, Lugo é uma mistura de esperança e de incógnita para analistas e até para transeuntes nas ruas. A dúvida é se terá condições políticas e econômicas para cumprir as suas promessas: combate à corrupção e à miséria e desenvolvimento.
Ontem à noite, o ex-bispo prestou juramento simbólico num ritual indígena, ante milhares de pessoas reunidas em um estádio de Assunção. Eram jovens, agricultores e pessoas mais pobres -sua base política. Ele anunciou que renunciará ao salário de presidente, equivalente a cerca de R$ 6.500.

Articulação internacional
Uma das principais apostas dele será na articulação internacional, para se fortalecer de fora para dentro. Delegações de 97 países e governantes de 11, inclusive o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, comparecerão à posse, às 8h30. Depois, haverá cumprimentos dos mandatários estrangeiros. Lula será o primeiro da fila.
Apesar da previsão de que Lugo integrará a linha de frente da esquerda latino-americana, com Hugo Chávez (Venezuela), Evo Morales (Bolívia) e Rafael Correa (Equador), ele tem sido cauteloso e nega qualquer alinhamento político.
Sua primeira polêmica internacional foi quanto ao novo chanceler, Alejandro Hamed, que foi o primeiro embaixador do Paraguai no Líbano. Os jornais locais publicaram que ele seria impedido de entrar nos EUA, o que a embaixada do país em Assunção desmentiu.
Depois de uma campanha de esquerda, Lugo montou um ministério heterogêneo. A esquerda ficou com cadeiras estratégicas, mas poucas, como a chefia do Gabinete Civil e os ministérios do Interior e da Saúde e Bem Estar Social.
Já o Partido Liberal, tradicional como o Colorado e que tem as segundas bancadas na Câmara e no Senado, tem Agricultura e Pecuária, Justiça e Trabalho e Obras Públicas e Comunicações, além da direção-geral paraguaia da Itaipu Binacional (Carlos Mateo Balmelli).
E os colorados não ficaram de fora do governo. Terão o ministro da Educação e Cultura.
A terceira força é a Unace (União Nacional dos Cidadãos Éticos), que vem de antiga dissidência colorada e é liderada pelo general da reserva e ex-candidato à Presidência Lino Oviedo. Única força que vota em bloco, é o “fiel da balança”.
O Senado tem 45 membros -15 colorados, 14 liberais e 9 da Unace, além de outros grupos menores. E são 80 deputados -30 colorados, 27 liberais e 15 da Unace, além de representantes de pequenos partidos.

Povo pobre
O Paraguai é uma exceção à regra de que, se a economia vai bem, o governo se reelege. Não que a economia esteja brilhando, mas, no governo de Nicanor Duarte Frutos o crescimento saiu de 1% para 6,8% em 2007, com inflação anual de 6%, graças a uma política ortodoxa.
Não por coincidência, o primeiro ministro da Fazenda de Nicanor será agora ministro de Lugo, o prestigiado Dionísio Borda. Trata-se de um indicativo de que o governo, no início, prestigiará o ajuste fiscal.
A derrota de Nicanor -cuja candidata, Blanca Avelar, ficou em terceiro lugar- é justificada pela falta de carisma da candidata, mas também porque os índices da economia não tiveram reflexos diretos na população. Dos 6,1 milhões de habitantes do Paraguai, com PIB per capita de US$ 1.959, cerca de 40% são pobres e 20% estão abaixo da linha de pobreza.
De acordo com a ONG Transparência Internacional, o Paraguai está entre os cinco países mais corruptos do mundo. Este é considerado internamente o maior desafio de Lugo.

5 Comentários

  1. Ora, os Mello e Silva que ocupam cargos públicos (alguns vitalícios) deviam louvar-se nos exemplos de Lugo (se é que realmente serão dados) e renunciar aos polpudos vencimentos que recebem dos cofres públicos… Isso sim, seria praticar os ensinamentos da carta de puebla (aaargh!)….

  2. Ah! Quando entram no poder todos falam a mesma coisa, lembram do Collor, do Lula do Duce, todos começam com o mesmo discurso e logo,logo ou lugo ,lugo,sentem os dólares nas mãos e mudam de conversa rapidinho. Quanto a posse do LUGO o Duce anunciou que estaria presente junto com o presidente LULA na solenidade, mas, se ele foi não apareceu na foto e em momento algum ao lado do fanfarrão da república,será que ele quer distância,pois, o Duce está com candidato próprio atrapalhando a candidata e menina dos olhos do PTa prefeitura de Curitiba,só esqueceram de avisar o sr.fanfarrão que se o Duce desse apoio a sra.Gleisi as pesquisas para o lado dela estariam bem piores….

  3. Não entendo como nos preocupamos tanto com o tal Paraguai. Trász alguma coisa? Será que devemos nos preocupar com tal país? Deixem o Lugo prá lá pois o cara terá problemas demais com a paraguaiada para resolver.. Alías, qual a moeda dos caras? Guarani? Pensem bem.

Comente