Uncategorized

Só no Portão, 25 áreas irregulares

Só a Regional Portão, formada por onze bairros, abriga 25 ocupações irregulares, segundo informações do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc). É como se cada um dos bairros que fazem parte da regional tivesse pelo menos duas favelas.

Gleisi Hoffman se compromete a resolver o problema com investimentos em habitação. “Este é um grande problema desta região de Curitiba que temos que resolver com prioridade. À frente da Prefeitura vou ampliar e acelerar o processo de regularização fundiária para dar tranqüilidade e dignidade às pessoas que vivem nestas áreas”, disse a candidata do PT.


Segundo dados do Ippuc, existem pelo menos 7.090 domicílios irregulares nestas 25 ocupações. A candidata presenciou os problemas vivenciados pela população do bairro nesta terça-feira (26) acompanhada da militância, vereadores, candidatos e eleitores.

“A fila da Cohab gira em torno de 70 mil famílias à espera da oportunidade da casa própria. Não podemos mais cruzar os braços diante desta situação. Em nossa gestão vamos aumentar o orçamento para a área de habitação, que hoje é de menos de 2% do total. Criaremos o Escritório Municipal de Regularização Fundiária, que vai implantar políticas de regularização das áreas ocupadas e ampliar a parceria com o governo federal que já investiu cerca de 150 milhões para construção de moradias populares, reassentamentos, regularizações de áreas e realocações”, afirmou Gleisi.

A candidata ainda garantiu que a cada um real investido pelo Governo Lula, a prefeitura investirá outro um real. “Hoje, o candidato à reeleição investe em média 25 centavos para cada um real investido pelo governo Lula. Isso não é prioridade. Nós vamos quadruplicar este investimento”, disse.

Seu Jairo Graminho, morador da Vila Formosa há 32 anos, conta que já criou cinco filhos na Vila e agora participa da educação de seus netos e bisnetos. Para ele, o Poder Público deveria oferecer mais oportunidades para as pessoas que necessitam. “Vivemos na incerteza de sermos despejados a qualquer momento mesmo morando aqui uma vida inteira. A prefeitura poderia legalizar os terrenos e melhorar a vida de todos que necessitam”, opinou.

O perfil sócio-econômico da população residente nas ocupações irregulares de Curitiba demonstra que 50% da população é jovem, com até 25 anos de idade, possui baixa escolaridade, 57,48% tem renda até 3 salários mínimos e 27,88% trabalha em situação de vulnerabilidade, excluída dos benefícios e proteção social garantidas pelo trabalho formal. “A baixa escolaridade da população residente nas ocupações irregulares é fator determinante para as dificuldades de acesso ao mercado de trabalho e melhor renda. Necessitamos ampliar os programas de geração de renda e qualidade de vida, ao mesmo tempo em que melhoramos a regularização fundiária e recuperamos o meio ambiente”, declarou Gleisi.

Áreas de lazer – Outro problema vivenciado na Regional do Portão é a falta de espaços para lazer. Na opinião de Gleisi, a falta de parques e centros esportivos é um problema que pode gerar muitos outros, como a violência. “O aumento da segurança na cidade passa justamente pela necessidade do poder público oferecer espaços e atividades para os jovens. Por isso, vamos implantar contraturno escolar, criando uma grande rede de parcerias para mudar a realidade social da cidade. É inadmissível pensar em diminuir a violência se o poder público municipal não oferece sequer uma quadra de esportes para a juventude”, disse.

7 Comentários

  1. Vigilante do Portão Responder

    Ela pretende administrar Curitiba, mas pensa que terá o orçamento se São Paulo. KKK
    Para cumprir as promessas feitas, nem multiplicando por 5 o atual orçamento.
    A candidata deve começar a declinar o que vai fazer, como, quando, quanto será gasto e de qual rubrica orçamentária vai sair o dinheiro.
    E não me venha com a mesma sandice do Moreira para constrior as 21 trincheiras e viadutos: o dinheiro virá de uma parceria com o governo do estado, disse ele.
    Chega de: precisamos construir mais creches; é preciso fazer mais casas populares para abrigar essas pessoas. Sem demonstrar, com clareza, de onde vai sair o dinheiro para transformar o “precisamos” em “faremos”
    Diagnósticos qualquer um faz.

  2. E o dinheiro para fazer tudo isto ???
    Cairá do céu, ou, será o Lula que vai fornecer ???

  3. Incrivel como as pessoas são demagogas, os invasores são os própios petistas, financiados pelo PT e por esse governo corrupto do Melo e Silva e Luiz Inacio. Ajudar a vcs mesmos, é o que vcs do PT mais sabem fazer.

  4. Esse povo é muito cara de pau: desde os anos 80 os petistas e requianistas incitam invasões em Curitiba e agota vem com esse papo de “dignidade”.

    Quem vai “dar tranqüilidade e dignidade” às pessoas que honesta e legalmente moram nas circunvizinhanças destas invasões ? Quem vai pagar pela desvalorização imensa dos imóveis e pela onda de furtos que é sequencia natural destas invasões ?

    Passe lá na Santa Quitéria agora à tarde e veja um bando de adultos desocupados sentados na frente dos barracos. Não estão catando latinhas nem procurando emprego, estão lá em plena “sessão da tarde”…

    Enquanto isso, começam a sumir da vizinhança botijões de gás, bicicletas, vasos, caixas de correio, registros de água…

    Por essa e por outras é que petistas e invasores nunca mais terão o meu voto.

    Aproveitadores da boa fé alheia.

  5. Vcs estão enganados!!!!
    PQ a COHAB CT e a PMC não fizeram nada até agora? 4 anos e nada!
    Sem contar que o tal Beto era vice do japones!
    Menos Tucanada! Fora Tucanada!!!

  6. Se a gente reunisse a risada do Vigilante do Portão (KKK), com o conteúdo do comentário do Franco, estaríamos bem perto da Ku Klux Klan. Quem não sabe o que é a KKK, é só procurar no wikipédia.

Comente