Uncategorized

Uma esperança para se livrar de Madselva

Os professores e alunos do Colégio Estadual do Paraná já podem respirar aliviados. Há chances de eleições diretas e de retirar a diretora Madselva pelo voto. Foi aprovado em turno suplementar projeto que institui eleições diretas para diretores de escolas públicas em todo o Brasil.

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte aprovou ontem, em decisão terminativa, substitutivo da senadora Fátima Cleide, do PT de Rondônia, ao Projeto de Lei do Senado 344/07, da senadora Ideli Salvatti do PT de Santa Catarina, que determina que os diretores das escolas públicas de educação básica de todo o país deverão ser escolhidos por meio de eleições diretas.

Uma emenda do senador Romeu Tuma, do PTB de São Paulo, aceita pela relatora, exclui da eleição direta os diretores aprovados em concursos específicos para a função.

Para continuar lendo, clique em “Leia Mais”.

De acordo com a proposta, os diretores terão mandato de até dois anos, com direito a uma reeleição. Eles serão escolhidos dentre profissionais de educação, com participação da comunidade escolar constituída por professores, funcionários, estudantes e seus responsáveis.

Os candidatos deverão receber, cursos de capacitação em gestão educacional. Por unanimidade, a comissão aprovou ainda projeto da senadora Serys Shessarenko, do PT do Mato Grosso, para inscrever o nome de Ana Maria de Jesus Ribeiro, conhecida como Anita Garibaldi, no Livro dos Heróis da Pátria.

15 Comentários

  1. Por ser o Colégio Estadual do Paraná independente da Secretaria de Educação e ter desde 1969 através de uma Lei Específica, sua Estrutura e Administração subordinadas diretamente ao Sr. Governador, se enquadraria nesta nova resolução?

  2. Isso é uma aberração que só mesmo alguém investido de instintos predatórios, inimigos figadais da educação, poderia conceber.
    Daqui a pouco eu não vou com a cara de um diretor, não porque ele não preste, mas porque eu é quenão vou com a cara dele, aí promovo uma baderna e boto o sujeito pra fora. Enquanto não se decide quem vai assumir (porque o salário não é de se jogar fora), vão acontecer algumas coisas: não vamos ter aulas, tudo vai parar.
    Em suma, pretexto pra não trabalhar, como é tão do gosto da curriola esquerdista.
    Professores e diretores só com concurso público, de preferência fiscalizado pelas Forças Armadas.
    O sistema educacional público já foi bastante enxovalhado e não oferece condições decentes para um aluno sair da escola preparado para a vida. Não precisamos de mais essa palhaçada de fazer eleição que, como todos aqui sabemos, é burlada, comprada, deturpada.
    O de que precisamos é que o corpo docente tenha um padrão mínimo de qualificação. O diretor tem de ser alguém que tenha se formado para esse tipo de função.

  3. Colégio Estadual Responder

    Senhor Zé do Coco, acredito que o senhor não saiba o que vem se passando no Colégio Estadual do Paraná, desde que a profª Madselva assumiu a direção geral. Procure conhecer a realidade e lute também para que os filhos das classes menos e mais privilegiadas tenham direito a uma educação pública de qualidade. A eleição por si só não garante isso, mas, se a comunidade escolar assumir o seu papel de participar e cobrar, como fazem os pais de alunos das escolas particulares, a eleição é sim um primeiro e importantíssimo passo.

  4. Só professores de Educação Física serão diretores (são os mais bonzinhos). os de Matemática, Física, Química e outras disciplinas menos populares nunca poderão dirigir escolas, à menos que sejam “bonzinhos” e dêem uma aliviada nestas matérias metidas à besta, que não servem para nada…

  5. Profª Malu Rocha Responder

    O (a) Cidadão do mundo disse tudo. Onde há uma comunidade escolar em que todos os segmentos (pais, alunos, professores e funcionários) participam da gestão da escola, é eleito sempre o candidato mais coerente, mais respeitado pela história construída naquele ambiente escolar. Gestão democrática não é o poder concentrado nas mãos do diretor. O poder de quem se ELEGE, não só para a direção de uma escola, mas para qualquer outro cargo, jamais poderia se transformar em sinônimo de status, mas sim COMPROMISSO COM QUEM O ELEGEU, em razão das propostas apresentadas. Se isso não acontece, é preciso lutar para que se cumpram as propostas feitas, ou afastar quem promete e não cumpre.Por isso e para isso, é fundamental que a educação (pública e privada) se comprometa com a formação concreta para a cidadania: saber lutar por seus direitos e cumprir seus deveres. Está passando da hora de toda a sociedade exigir que isso se torne realidade e deixe de ser apenas uma bela teoria constante dos objetivos dos projetos políticos pedagógicos construídos sem a participação da comunidade escolar e guardados em alguma gaveta, apenas para atender a uma exigência “legal”.

  6. educação de qualidad Responder

    Caros blogueiros

    Vale ressaltar que o Colégio Estadual sempre teve os melhores professores. Dali saiu os professores que formaram a UFPR e a PUC, HOJE temos professores com altas qualificações (especialistas, mestres e doutores) com experiência comprovada. Pois apesar dos descalabros governamentais, ainda assim temos qualidade (comprovada em exames vestibulares e no ENEM). O que os professores e funcionários esperam é respeito ao seu trabalho e experiência, não sendo desrepeitados por uma pessoa que nem respeita seus “aceclas” os quais humilha e os chama de incompetentes. Em quase dois anos não consegui montar uma equipe de trabalho. Uma pergunta…Será que é todos incompetente ou é apenas uma pessoa?
    Será que é o CEP que é baderneiro ou todos ou lugares onde passou também são (em tempo ela foi defenestra de todos os lugares onde andou, pesquisem e vejam que é verdade)?

  7. Cidadã do mundo Responder

    Se aprendêssemos a votar para escolher os diretores das nossas escolas, acredito que seríamos mais competentes para escolher políticos que realmente defendessem os interesses do povo.

  8. engraçado né dona malu, democracia só quando o diretor não faz parte do seu partido… No mais, eleição nunca é garantia de democracia. Explico: sem liberdade de expressão, sem igualdade e com manipulação do jeito que está nunca uma eleição vai ser justa e garantir o direito a democracia. Espero, sinceramente, o dia em que a Democracia vai ser entendida como algo muito maior do que apenas votar e ser votado.

  9. Rodrigo - GECEP Responder

    Para aqueles que pensam q a juventude de hoje eh tão fútil a ponto de votar em um professor mais queridinho… talvez seja esse um dos problemas que não leva nosso país para frente…. os jovens de hoje não tem crédito diante das pessoas mais vividas, digamos assim… lembrando q idade não é sinônimo de maturidade…. e eu me sinto muito maduro para votar… a maioria dos alunos do CEP tem capacidade SIM para escolher aquele ou aquela que irá dirigir o colégio… É sempre bom ter argumentos “válidos” antes de criticar e/ou julgar quase 5.000 alunos, pois esses sabem muito bem qual o motivo de tanta luta… que é ter o direito o qual eu e tanta gente se sente privada que é o de poder escolher o diretor da escola onde eu estudo…

  10. Independente das opiniões sobre a atual interventora, o voto para diretor, apesar de não garantir a democracia, com certeza é um princípio dela, e este pensamento já foi defendido até mesmo pela própria diretora.

    Não vejo motivo pelo qual a própria diretora não aproveita este momento para colocar em prática o que sempre defendeu, a democracia e a educação, e solicita oficialmente ao governador e à secretaria de educação que aproveite as eleições deste ano nas outras escolas e faça também no Colégio Estadual do Paraná.

  11. Já não é sem tempo que é aprovada essa lei. Deprimente é ver que, com poucas exceções, nossos deputados e o sindicato dos professores do Paraná não só coadunam com os desmandos do governador (entre os quais se inclui a atual gestão do CEP) como fecham os olhos a atitudes que ferem a lei, não apenas no âmbito do Colégio como na administração do nosso Estado – espero, realmente, que não seja o caso agora, de nosso governador, entorpecido de mamona e egocentrismo, conseguir – com a ajuda desses que nada vêem – dar outro pequeno golpe, burlando leis (como a do nepotismo) em busca da continuidade de seus favorecidos. Decepcionante, também, é ver que mesmo aqui, em um blog público, alguns falam sem ruborizar-se contra o instrumento das eleições democráticas. Achei que em pleno século XXI, depois de décadas de democracia, as pessoas pelo menos teriam vergonha suficiente para guardar essas opiniões estapafúrdias para o recôndido de suas idéias estagnadas.

  12. Markinhos - GECEP Responder

    Senhor “O Povo”,
    Esta resolução se trata de uma Lei Federal, efaz parte também do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) ao nível educacional.

    Pelo fato do Colégio Estadual do Paraná ser regido por uma Lei Específica (Regime Especial), não deixa de ser um regimento estatal, ou seja, menor que o Federal.

    Trata-se, diga-se de passagem, do acréssimo de mais um inciso na mesma lei que garante a elaboração de Conselhos Escolares nos colégios públicos do país inteiro, medida que também é praticada no CEP.

    Sobretudo ainda me indigna a personificação esdrúxula que esse blog faz à diretora do CEP. Ao invés de focar um ensino de qualidade ou o real foco do que está acontecendo (aprovação das eleições diretas), o blog simplismente usa o texto de outros autores para mudar o foco da notícia em si.

    É claro que a democracia no CEP não é uma das melhores, mas uma mulher não é a real causa dessa fata de democracia.

    O Sistema que é empregado no CEP é o principal motivo.

    E atitudes que a direção do Colégio usa para exercer práticas recomendadas para os colégios públicos normais também contribui muito.

    Isso porque às vezes a direção se esquece que esse é um colégio que tem regime especial, e sua antiga esruturação administrativa (no que se refere a coordenações de disciplina, sistema avaliativo) seria essencial para elevar o nível dos outros colégios públicos.

  13. Markinhos - GECEP Responder

    Ressalva-se que o título seria bem mais interessante se usassem “Uma esperança para a qualidade de ensino”

  14. Gostaria de me dirigir ao aluno “Rodrigo” do GECEP:
    “Para aqueles que pensam q a juventude de hoje eh tão fútil a ponto de votar em um professor mais queridinho…”
    ¹
    Primeiramente,garoto,como é que você pensa em votar para diretor(a) tendo mua péssima grafia “internetês”igual a sua…?
    ²
    Eu sei,já passei por essa fase de “REBELDIA”…e te garanto que isso nâo traz bons frutos…!
    ³
    procure uma atividade para acabar um pouco com essa sua RAIVA,quem sabe até portar-se como um adolescente normal,o que acha???

Comente