Uncategorized

O que abrasava Camões?

Enviado pela Vânia Mercer

Mudou a USP ou mudaram as vestibulandas?? O Vestibular da USP cobrou dos candidatos a interpretação do seguinte trecho de um poema de Camões:

“Amor é fogo que arde sem se ver
é ferida que dói e não se sente,
é um contentamento descontente,
dor que desatina sem doer “.

Uma vestibulanda de 19 anos deu a sua interpretação emforma de poesia:

“Ah! Camões, se vivesses hoje em dia ,
tomavas uns antipiréticos ,
uns quantos analgésicos
Prozac para a depressão e
Insonia Lexotan era uma solução .
Compravas um computador,
consultavas a Internet
e descobririas que todas
as neuras e dores que sentias ,
esses calores que te abrasavam,
essas mudanças de humor repentinas,
esses desatinos sem nexo,
não eram feridas de amor,
mas somente falta de sexo!”

Ganhou nota máxima. Foi a primeira vez que, ao longo de mais de 500 anos, alguém desconfiou que o problema deste homem “Camões” era falta de mulher…e haja remédio para um homem com um problema destes…..

4 Comentários

  1. Inobstante, a “engenhosidade” da interpretação da vestibulanda, o próprio Trinca-Fortes lhe daria a receita para a felicidade se lesse um pouco mais Os Luzíadas onde está esta estrofe da Ilha dos Amores:

    “Oh! Que famintos beijos na floresta,
    E que mimoso choro que soava!
    Que afagos tam suaves, que ira honesta,
    Que em risinhos alegres se tornava!
    O que mais passam na manhã e na sesta,
    Que Vénus com prazeres inflamava,”

    E conclui:

    Melhor é exprimentá-lo que julgá-lo;
    Mas julgue-o quem não pode exprimentá-lo.”

Comente