Uncategorized

O país vai às urnas de 2008 e Lula lança olhar sobre 2010

Foto: Wilson Dias/ABr

A aproximação de Lula com Osmar Dias, do PDT, (veja o post abaixo) faz parte de seu objetivo de construir candidatura única de aliados para a sua sucessão. Isto fica claro na análise de Josias de Souza, na Folha Online, que você pode ler a seguir.

Lula tenta atrair aliados para a tese da cadidatura única. Quer que seu consórcio partidário se una no 1º turno. Ao PMDB, o presidente já ofereceu a posição de vice. Às outras legendas, pede que não lancem candidatos.

As portas do gabinete de Lula se abriram nesta sexta-feira (3) para um convidado inusitado: Cristovam Buarque (PDT-DF).

Demitido da pasta da Educação em 23 de janeiro de 2004, havia quatro anos e oito meses que o senador não tinha um tête-à-tête com Lula.

Cristovam contou a um amigo que foi ao presidente imaginando que desejasse conversar sobre um tema que se insinua no noticiário há semanas: a candidatura dele à direção-geral da Unesco.

Não era, porém, sobre Unesco que Lula queria falar. Na antevéspera das eleições municipais de 2008, o presidente arrastou Cristovam para o futuro. Falou de 2010.

Lula repetiu a Cristovam coisas que vem dizendo, nos últimos dias, a outras lideranças do consórcio partidário que gravita ao redor do governo:

1. Deseja que todas as legendas governistas se apresentem ao eleitor na sucessão presidencial unidas;

2. Quer que essa união ocorra já no primeiro turno da eleição;

3. Cristovam ponderou que, se o PDT permitir, ele próprio deseja candidatar-se ao Planalto, a exemplo do que fizera em 2006;

4. O presidente insistiu na tecla da unidade. Não vê sentido no adiamento da junção dos partidos para o segundo turno;

5. A despeito da atmosfera túrbida que se espraia pelo mundo a partir da crise que faz tremer a economia dos EUA, Lula exalou otimismo;

6. Disse acreditar que chega ao final do governo recoberto de êxito, em condições de fazer o sucessor;

7. Embora desconverse em público, entre quatro paredes Lula não fez rodeios quanto ao nome que pretende apadrinhar em 2010: Dilma Rousseff.

Ocorrida ao longo do expediente de uma sexta-feira preguiçosa, a conversa entre Lula e Cristovam se arrastou por cerca de uma hora.

O encontro teve como testemunha o ministro Fernando Haddad (Educação). Falou-se um pouco da crise.

Mencionou-se também a educação, um tema obrigatório em toda mesa que tenha os cotovelos de Cristovam.

Mas a sucessão presidencial prevaleceu em 70% da audiência. Lula parece mesmo convencido de que chegou a hora de pôr de pé o projeto Dilma 2010.

Há duas semanas, em reunião com Michel Temer (SP), presidente do PMDB, Lula puxara o mesmo assunto. Revelara ao deputado uma outra pretensão já sedimentada.

Deseja que o candidato a vice na chapa de Dilma saia dos quadros do PMDB -o maior partido da aliança governista, o que dispõem de uma estrutura mais nacionalizada.

Antes, em conversas com dois dirigentes do PSB, Lula dissera o mesmo que afirmou a Cristovam: gostaria que o partido não lançasse candidato em 2010.

Pedido difícil de atender. O PSB tem em Ciro Gomes (PSB) um candidato muito bem-posto nas sondagens presidenciais.

Nos cenários em que o tucano José Serra está presente, Ciro ocupa a segunda colocação, bem à frente de Dilma, ainda num modesto quarto lugar.

Nas prospecções em que o PSDB é representado por Aécio Neves, Ciro salta para primeiro. Dilma mantém-se em quarto.

O governador Eduardo Campos (Pernambuco), presidente do PSB, freqüenta o noticiário como candidato a vice de Dilma. Mas Lula quer um vice do PMDB.

Na cabeça de Lula, o segundo turno de 2010 será disputado por Dilma e José Serra. Acha que a ministra-chefe da Casa Civil, uma vez lançada, vai escalar as pesquisas.

Lula crê, de resto, que, seduzidas pelos 80% de popularidade que o Ibope lhe atribuiu, as legendas governistas virão para o seu projeto quase que por gravidade.

A pergunta é: submetido aos estilhaços que vêm dos EUA, Lula conseguirá reter índice tão fabuloso de aprovação até 2010? O presidente acha que sim.

Mostra-se convencido de que os efeitos da crise sobre a economia brasileira não serão profundos o bastante para tisnar o bom conceito popular que sua gestão e ele próprio granjearam.

Agarra-se a um argumento que costuma ser levado à mesa pelo presidente do BC, Henrique Meirelles: com reservas internacionais de US$ 205 bilhões, o Brasil tem bala para reagir à tormenta.

De resto, afirma que, em 2009, os resultados do PAC, programa que já tratou de associar a “mãe Dilma”, começarão a aparecer.

As expectativas de Lula constituem, como se vê, um mero vir a ser. Condicionado a uma conjuntura econômica que ninguém sabe ao certo onde vai dar.

De concreto, tem-se apenas o seguinte: com mais de dois anos de antecedência, Lula começou a tratar de 2010 a sério. Algo que vai se intensificar depois da abertura das urnas de 2008.

Cristovam deixou o Planalto sem ouvir palavra acerca da direção-geral da Unesco. O japonês Koichiro Matsuura, que ocupa a cadeira, será ejetado em outubro de 2010.

Um grupo de artistas e intelectuais articula a candidatura de Cristovam. O governo brasileiro precisaria se envolver. Mas, em meio às urnas de 2008, Lula só tem olhos para o palanque de 2010.

7 Comentários

  1. Diga aí, seus tucanos: Alguém derrota o cara? Vão se espertar. Arrumem alguém que o derrote. Será que Serra, mineirinho,. cirinho, kassabinho, alkiminho, e outros inhos o derrotam? Arrumem alguém? Desculpe-me, mais não vai dar. Será mais OITO ANOS do PT.

  2. TUCANO BICO VERMELHO Responder

    Segunda o Lula tem que anunciar que vai baixar algumas medidas para enfrentar a crise mundial que ja esta no Brasil e pode ser apontada nos 30% de queda na venda de carros no mes de setembro, 20% no setor imobiliário, para citar apenas dois exemplos.
    Lula está obcecado para fazer o sucessor. É claro que vai imbutir nestas medidas as que mais ajudarem a sua base aliada. Porque não chama a oposição como foi feito no EUA? Porque acredita na própria mentira de que ele quem consertou a economia brasileira, assim como fez ao rebatizar a bolsa escola em bolsa familia.

  3. Com “BOLSA ESMOLA” o Lula fica até quando quiser, mas ele não é burro, no que realmente interessa ele segue exatamente os passos do FHC, a quem ele tanto critica. A aprovação é esmagadora e nestes números também estão incluidos os banqueiros, especuladores, “as elite”, mesaleiros e toda a corja que o acompanha. LULA LÁ 2010, pra que mexer em time que está “ganhando”?

  4. Em Curitiba nem o noço guia consegue ser tão bem avaliado quanto o Richa.. Aquí perdeu de montão, pois tem um povo culto e trabalhador e não precisa de bolsa esmola, digo bolsa família ou melhor bolsa voto ou seria bolsa cabresto?…kkk

  5. Fora PT! Fora Lula! Fora guerrilheira Dilma!

    Lula é o clone de FHC, com vírus!

    PT na presidência é manter o acobertamento das falcatruas e benesses da tchurma.

  6. Para o bem do futuro do meu filho, não vou nunca votar nessa camarilha.
    Toda a minha vida, desde moleque de pé no chão, trabalhei duro e disso não tenho vergonha. Não gosto de indivíduos que compram votos em troca de comida.

Comente