Uncategorized

A última que morre

A esperança, diz o ditado popular, é a última que morre. Gleisi Hoffmann, do PT, apesar de todos os prognósticos de vitória de Beto Richa no primeiro turno, colhe apoios para o segundo. O primeiro a confirmar que vai apoiá-la é o PMDB de Requião e Carlos Moreira.

Gleisi Hoffmann vai acompanhar a apuração de sua casa, ao lado do marido, Paulo Bernardo.

9 Comentários

  1. E bem provável que não aconteça segundo turno, mas se a Gleisi chegar lá, vai aqui um pequeno conselho (que, se fosse bom, ninguém dava, e sim vendia: afastar-se o mais rapidamente possível de Moreira e, principalmente, de Requião. Caso contrário, é morte certa!

  2. Gleisi é bom esse momento para você refletir quais erros cometeu?
    Se unir a imagem de outros é um outro erro, tente construir o seu caminho, se é que o têm?
    Não vá na conversa de marketeiros, que conhecem o trabalho após a imagem construída, nas de povo e de intenção eles passam longe!

  3. A Gleisi para se salvar tem que voltar para o Mato Grosso do Sul e estar junto dos seus.

  4. Mano da Vila Reply

    Para o PT, a Esperança é a última que morre e a Verdade é a primeira!

    Fora PT!

  5. Rosa Guimarães Reply

    Se ainda fala em segundo turno, não custa nada sonhar mas com essa votação fenomenal o apoio de Requião & Moreira seria fundamental.

  6. Dona Gleisi, só para que saiba: não votei na senhora. E não é por sua causa não. Se conseguir se desvencilhar da imagem que o inconsciente do curitibano foi obrigado a construir a seu respeito, sem que tivesse feito qualquer esforço para nos provar que estávamos errados, se conseguir nos convencer de que não tem mais nada a ver com o PT e os “cumpanhero”, volte a Curitiba para tentar nova eleição.
    Reconstrua sua imagem, desvinculando-a completamente dos conceitos petistas e dos marqueteiros desse partido.
    Verá que, abstraindo a má impressão que nos causou com sua campanha, nós curitibanos lhe seremos be mais simpáticos e até a ajudaremos a se eleger vereadora. Mas… nada de PT, não custa enfatizar.

Comente