Uncategorized

Muita calma nesta hora, pede Osmar

“A crise econômica mundial já faz sentir os seus reflexos entre nós. É momento de alerta e de muita calma para quem produz”, diz Osmar Dias

Ele explica que o governo federal está anunciando a liberação de mais recursos para o plantio da safra. Mas este é um momento de cautela para o agricultor vender os seus produtos, na compra de equipamentos e nos investimentos. É hora de esperar um pouco e ver o que vai acontecer para, com cuidado, retomar os investimentos, principalmente em novas tecnologias.

A crise vai ter um tempo de duração que não será pequeno, mas vai passar. Tenho a certeza de que vamos retomar o rumo de crescimento da agricultura brasileira no qual o setor tem contribuído muito para os bons resultados da Balança Comercial e para a geração de empregos e de renda no nosso País.

A agricultura teve, nos últimos anos, um ganho de produtividade, avançou especialmente com a incorporação de novas tecnologias que resultaram num aumento substancial da produtividade.

Foi por isso que a produção brasileira alcançou 144 milhões de toneladas no ano, o que é um recorde em cima praticamente da mesma área plantada na média dos últimos três anos.

Para enfrentar o problema, o Brasil não pode parar de produzir.

Produzir mais com atenção nos investimentos é a saída para que o Brasil se fortaleça neste momento.

Com cuidado e a administração rigorosa dos recursos vamos atravessar este momento. Lá na frente vamos lembrar que valeu a pena ter cautela num momento de crise.

10 Comentários

  1. Sérvolo de Oliveira Responder

    Penso um pouco diferente, do nobre senador, acho que o momento é de se garantir mais finaciamento (público e privado) para uma safra maior ainda. À esta crise de papel que os Yanques inventarão devemos responder com produção, com o PAC, com o fortalecimento do mercado interno.

  2. Sérvolo, talvez você não entendeu a preocupação do nobre Senador, como diz você.

    Pelo que entendi, Osmar preocupa-se com a tomada de dinheiro, mediante financiamento, para produção, sem ter para quem vender, devido a crise mundial. E aí, com que será pago o financiamento ??

    Eu repondo: a dívida do financiamento será paga com maquinário agrícola e até mesmo com propriedades rurais, de forma a criar outra crise: “A crise no campo.”
    Tá certo, é hora de cautela !!!!

    TENHO DITO !!

  3. O venerando ancião de barbas brancas, mais apropriado a papais noéis (tem sempre um emprego assegurado após a aposentadoria) parece que quer concorrer ao prêmio “nober” de economia da roça…

  4. JOSÉ CARLOS: SE VC NÃO TEM NADA DE INTELIGENTE PARA COMENTAR SOBRE O PRONUNCIAMENTO DO SENADOR ENTENDO QUE PERDEU UMA GRANDE OPORTUNIDADE DE FICAR QUIETO. COMO VC MESMO ASSEGUROU ELE TERÁ APOSENTADORIA MAS NÃO É A RESPEITO DISSO A SUA PREOCUPAÇÃO ,TALVEZ ESTEJA SE PREOCUPANDO ATÉ MESMO COM SEU EMPREGO.

  5. O Senador Osmar está correto na sua colocação, alertando para o perigo de tomar-se dinheiro emprestado. Não tendo para quem vender, os prejuízo serão do tomador.
    O governo deveria liberar dinheiro a fundo perdido para todos os pequenos e médios produtores.
    Vendendo o produto eles ressarceariam os
    financiamentos.
    Doutra forma, o desastre está mais que visível.
    Vejam o que está ocorrendo com os aposentados da nação – tomaram muitos empréstimos e agora estão vivendo de brisa.
    Ningúem preocupou-se com o futuro dos mesmos.
    Muitos estão morrendo de depressão.
    E agora? O que eles podem fazer?
    Com os produtores agrícolas, sem nenhuma garantia eles irão para as periferias das grandes cidades.- engrossar as filas e os problemas das regiões metropolitanas do Brasil.
    Quem viver verá.

  6. A crise terá efeitos em cascata que se estenderão por pelo menos 10 anos.
    Portanto, hora de repensar as exportações. Ao invés disso, colocar no mercado nacional.

  7. O ilustre senador de muitas contribuições ao Estado do Paraná está mais do que certo. Aliás, a história já registrou, inclusive recentemente, que quando estoura as tão propaladas crises, quem sofre é o homem do campo, o produtor rural que, confiante, investe na produção e depois, sem garantias de venda da colheita, acaba amargando o prejuízo e muitas vezes sem o apoio do governo.
    Os que não conseguiram pagar os financiamentos perderam tratores, veículos, equipamentos e até mesmo suas terras para os banqueiros. O senador está certo. Todo o cuidado é pouco. E essa crise internacional terá reflexo por um bom tempo.

  8. esse Osmar Dias lá é autoridade em alguma coisa pra dar pitaco em tudo? Todo dia esse pentelho falando sobre crise, combustíveis, agricultura. dá licença. Nunca teve um emprego na vida, mas vive dando opini~´ao

  9. É o por esta preocupação com a agricultura e com aqueles que dela vivem que o Senador é venerado pelo interior do Paraná!!!

  10. Eleitor do Brasil Responder

    Qualquer endividamento nesta hora deve ser visto com cautela. O momento não é apropriado para fazer dívidas e sim, para economizar. Os efeitos da crise mundial ainda se fazem sentir negativamente.

Comente