Uncategorized

Projeto de Osmar Dias exige balanço trimestral do pedágio

O senador Osmar Dias vai antecipar sua volta a Brasília neste final de semana. Quer garantir na pauta de segunda feira do Senado o seu projeto que exige que as concessionárias de pedágio publiquem trimestralmente os seus balanços.

Osmar Dias quer saber de cada uma das concessionárias quanto faturou, quanto investiu e quanto lucrou.

2 Comentários

  1. O Senador Osmar Dias tinha, na campanha a proposta correta para solucionar o caso “pedágio” no Paraná – auditoria independente dos contratos. Se tivesse sido eleito aquestão estaria há muito tempo resolvida. No entanto, foi reeleito Requião, cujo lema era “o pedágio abaixa ou acaba”. Contudo a realidade é que o pedágio ficou, não abaixou, aumentou, e ainda está produzindo um passivo milionário para o povo pagar. É o passivo das ações judiciais perdidas pelo Estado contra as concessionárias do pedágio. Um levantamento feito pelo Jornal do Estado dá conta do seguinte: “As concessionárias calculam em R$ 170 milhões o montante que pretendem cobrar na Justiça por conta dos prejuízos materiais causados por invasões e depredações das praças de cobrança, os dias em que as cancelas foram mantidas abertas por manifestantes, desequilíbrios contratuais que não foram revistos pelo governo do Estado e os dias que as empresas deixaram de aplicar os reajustes tarifários por falta de autorização do Estado.” (coluna “Na ponta do lápis” de 07/10/07) Esta denúncia pública já faz um ano, o valor do passivo certamente aumentou, e até o momento nenhuma apuração foi levada a efeito quanto aos responsáveis por esta aventura judicial que vai recair no erário público. Nenhuma apuração e nenhuma coibição do aumento do rombo. Assim que com razão disse o deputado Gustavo Fruet: “nada é apurado, ninguem é punido”, inobstante o rol de denúncias públicas de descalabros administrativos com nítida repercussão no erário público – dinheiro suado do povo indo pelo ralo, enquanto falta saúde, educação e segurança de qualidade.

  2. Ou o senador é estúpido ou se faz de estúpido. Em ambos os casos, pretende encarnar um Requião.
    Sugiro que ele vá até a Av. Iguaçu, n. 420. Lá existe uma secretaria sem secretário, com um departamento que trata de estradas de rodagem. Pois bem: esse DER recebe todos os balanços das concessionárias. É só abrir e pedir para alguém ler.
    Um’outra sugestão: converse com alguém que saiba como são calculados os custos, as receitas e as projeções dos pedágios. Descobrirá quão insignificante é a análise do balanço para definir o faturamento, investimento e lucro em projetos de concessão de rodovias.
    Não entre nessa, Senador – não elegue nem mesmo um prefeito de capital.

Comente