Uncategorized

Governo reduz investimentos em obras do PAC

Os investimentos em obras do PAC caíram 75% em outubro em relação a setembro. É um indicador da desaceleração, palavra que o governo e os políticos do PT detestam.

Não há como negar. O que seria uma “marolinha”, expressão de Lula para os efeitos da crise no Brasil, virou crise e obriga o governo a mobilizar recursos para salvar bancos e construtoras e segurar a onda.

A situação leva os cientistas políticos nativos a repensar o cenário de 2010, que será completamente diferente do das eleições de 2006 e 2008.

7 Comentários

  1. Waldir de Oliveira Responder

    Acontece que setembro é o pico da campanha eleitoral, outubro ja passou a eleição, nada mais normal neste Brasil varonil

  2. vai reduzir, e com certeza a partir do meio do próximo dará forte enfase, por fato das eleições que seguirão!

  3. Alguém por ai jah viu alguma obra do PACderme do sapo barbudo, se tiver visto me avisem pois não vi nehuma até o momento.

  4. “Nunca antes na história desse país”, tivemos um presidente tão marolinha como esse. É o governo do blá, blá, blá… assim foi com o 1º Emprego, Fome Zero, PAC entre outras bravatas de campanha… Desce do caixote presimente.

  5. Pode deixar, Campana. Pertinho das próximas eleições eles dão uma aceleradinha no tal PAC…

  6. Louco por saneamento Responder

    O Requião tb está fazendo o PAC do Paraná,está melhorando a vida de sua família e de sua trupe.

  7. Na ânsia de explorar o sentido pessimista da palavra “desaceleração”, muitos jornalistas de aluguel atropelaram os fatos. Como tantas manias do nosso jornalismo pró-americano, esta também nasceu lá fora, na Matrix, nos States.Parece que tudo começou com uma declaração do presidente Bush ainda em março, meses antes do estouro dos bancos americanos. Adotada a tese, os jornais saíram a campo para descobrir desacelerações reais ou imaginárias.Afinal ´pensam eles como o Campana, que esta seria a unica chance de derrubar o Lula, o Chavez, o Lugo, o Correa, o Ortega, o Torrijos, a Bachelet e todos que não rezam pelo credo pró-yankee.

    Esse é um artigo de Bernardo Kucinski que desmonta a tese dos jornalistas de aluguel, que obedecem à pauta e à cantilena de Washington , que quer por que quer impedir a onda de eleições de esquerdistas e políticos fora do controle do stablishmente no mundo, que começou com a eleição de Lula, o metalurgico e vai passando agora pela eleição de Obama, o afro-irlandês ( duas sub-raças portanto no credo anglo-saxônico ).

    De repente, a mídia se apaixonou pela palavra desaceleração. No mundo inteiro, tudo está se desacelerando. “China desacelera” , proclama o Estadão (21/10/08). “Arrecadação tributária já dá sinais de desaceleração”, anuncia a Agência Estado.”Mantega diz que Brasil sofrerá desaceleração moderada, mas sem recessão”, é o título de um despacho da Reuters. “A crise internacional colocou um freio adicional a uma economia que já entrava em desaceleração, anuncia o jornal Valor na abertura de uma reportagem sobre o Brasil.

    Na ânsia de explorar o sentido pessimista da palavra “desaceleração”, muitos editores atropelaram os fatos. Na manchete do Estadão , por exemplo, o fato principal foi colocado na segunda linha do título, como se fosse uma ironia: “E o PIB (da China) cresce 9%”. Essa é uma taxa de crescimento de milagre econômico, que acontece raramente, só quando se combinam vários fatores no processo produtivo. O titulo correto seria do tipo: China mantém trajetória de crescimento acelerado.

    Mas como a intenção é retratar a crise do capitalismo financeiro anglo-saxão, como se fosse um tsunami planetário, algo da esfera da natureza, e não da esfera política, algo que pega o mundo todo e todas as atividades econômicas, é preciso instilar a idéia de que a China já está entrando em crise. Daí o reforço do sentido negativo no título do box que acompanha a matéria principal: ”Outra empresa fecha e demite.” Assim não fica nenhuma dúvida de que “a China caminha para o desastre”.

    Mais notável é a forçada de barra na notícia da queda na arrecadação, da Agência Estado. Depois de mencionar o significativo aumento nas receitas do governo até agosto, o texto parte para o condicional: “Se o tomo dos lucros for tal que eles emparelhem com as demais fontes de renda, o governo pode perder R$ 52 bilhões”, diz. A narrativa não se sustenta em nenhuma informação concreta, apenas na vaga menção, sem números nem atribuição da fonte de que “nos primeiros dez dias de outubro já foi constatada queda na arrecadação em relação às previsões da receita federal.” Em relação a previsões, não em comparação ao efetivamente arrecadado em algum período anterior. Na reportagem do Valor também só há especulações.

    Como tantas manias do nosso jornalismo, esta também nasceu lá fora. Parece que tudo começou com uma declaração do presidente Bush ainda em março, meses antes do estouro dos bancos americanos. “Está claro que nossa economia desacelerou”. Depois do desastre, a tese da desaceleração pegou. Foi aplicada ao mundo todo por George Soros, entre outros financistas e economistas de renome, e finalmente sacramentada como prognóstico oficial pelo presidente do FMI, Olivier Blanchard: “A economia mundial está em fase de desaceleração…é tarde demais para evitar…” disse ele.

    Adotada a tese, os jornais saíram a campo para descobrir desacelerações reais ou imaginárias. A paixão pela palavrinha, nem bonita nem tão jornalística, está na sua capacidade de construir o sentido a idéia de que a economia vai mal, mesmo quando vai bem. Não deixa de ser uma desonestidade semântica. No caso do Brasil, serve à torcida disfarçada para que os sucessos do governo Lula virem insucesso antes de 2010. O pior é que em economia, há o que se chama “profecia auto-realizada”. De tanto falar em desaceleração, a mídia acaba contribuindo para que ela de fato ocorra.

    No caso da China, o mote da desaceleração foi dado por extensa reportagem da edição asiática do Wall Street Journal. A China passou a crescer apenas 9%, depois de crescer 10% e até 12%, portanto está em “desaceleração”, argumenta o jornal. Essa reportagem , re-processada por grande numero de correspondentes na China, serviu como uma espécie de “derivativo” jornalístico” às más notícias da crise dos derivativos do capitalismo anglo-saxão.”Tá vendo, não é só nas economias de mercado, na China também…”

    A Folha foi além dos demais jornais e cometeu a impropriedade de dizer que a desaceleração da China “já provoca impacto nos preços das matérias primas, como soja e ferro, que importa do Brasil. O preço do aço caiu 20% em três meses por causa da demanda menor.”

    Ora, a demanda não é menor, continua crescendo, e muito, a taxas de milagre econômico. Mesmo a 9% ao ano, a demanda dobra em menos de dez anos. E mais: o acréscimo de demanda em 2008, provocado por um aumento de 9% do PIB, é praticamente igual ao acréscimo da demanda provocado no ano anterior por um crescimento do PIB de 10%, porque nesse ínterim a base sobre a qual se dá o crescimento é maior. A afirmação, portanto, é duplamente falsa. O preço do aço pode até ter caído, mas não por causa de uma queda na demanda. Talvez por que se esvaziou uma outra bolha especulativa, a das matérias primas.

    Uma analise mais rigorosa da narrativa de desaceleração revela outras impropriedades. Ao transpor a noção distante de crescimento econômico para a noção familiar de um objeto em movimento, essa metáfora se faz falsa, como quase todas as metáforas. A analogia da produção econômica com a velocidade de um objeto não é boa. Ao estudar o movimento dos corpos, Galileu descobriu que se nenhuma força externa agir sobre um corpo em movimento, ele mantém sua velocidade. Notem bem: é preciso haver uma força externa para mudar a velocidade de um corpo, ou seja para acelerar ou desacelerar.

    Na economia, embora uma decisão intempestiva das autoridades ou um tsunami financeiro possam dar um cavalo de pau na economia, isso não é automático e nem tão fácil. E mais: não é preciso haver forças externas para acelerar ou desacelerar o crescimento. Fases de expansão ou contração ocorrem por processos internos, endógenos, muitos deles oriundos das contradições entre decisões de investir e decisões de consumir, tomadas por atores sociais diferentes e em momentos diferentes.

    Bernardo Kucinski, jornalista e professor da Universidade de São Paulo, é colaborador da Carta Maior e autor, entre outros, de “A síndrome da antena parabólica: ética no jornalismo brasileiro” (1996) e “As Cartas Ácidas da campanha de Lula de 1998” (2000).

Comente