Uncategorized

Plebiscito do Colégio Estadual: 88,3% querem eleições diretas

FOTO:JONATHAN CAMPOS. Manifestação CEP em 09/11/07
Foto: Jonathan Campos

Ora, pois, deu-se o que todos esperavam. No plebiscito do Colégio Estadual, 88,3% demonstraram que desejam eleições diretas para os cargos de direção. Apenas 11,67% optaram pelo não. É a reação inequívoca de toda a comunidade que envolve professores, pedagogos, funcionários, pais e alunos à direção de Madselva Feiges.

É bom notar que houve urnas separadas para cada uma dos segmentos envolvidos. Em todas a preferência foi por eleição direta.

Para ver o resultado, área por área, de forma detalhada, clique no


Resultado final foi de de 88,3% de que pedem que se realizem ELEIÇÕES DIRETAS NO COLÉGIO ESTADUAL DO PARANÁ e 11,67% optaram pelo “NÃO”.

URNA DOS PROFESSORES (AS), PEDAGOGOS (AS), E FUNCIONÁRIOS (AS).

TOTAL DE VOTANTES = 229
SIM = 173
NÃO = 52
BRANCOS = 03
NULOS = 01

URNA DAS MÃES E PAIS

TOTAL DE VOTANTES = 24
SIM = 15
NÃO = 09

URNA DOS ALUNOS (AS)

TOTAL DE VOTANTES = 2 719
SIM = 2 422
NÃO = 284
BRANCOS = 03
NULOS = 10

TOTAL DE VOTOS = 2 972
SIM = 2 610
NÃO = 345
BRANCOS = 06
NULOS = 11

27 Comentários

  1. Professor do CEP Responder

    Se a soberania do povo reside no sufrágio universal, vamos ver, agora, a coerência dos políticos paranaenses que têm o poder de fazer valer a opinião da Comunidade do Colégio Estadual do Paraná a respeito daquilo que é o seu próprio interesse. Afinal, a nossa democracia é ou não é representativa? Nossos deputados representam ou não a vontade do povo que os elegeu para o mandato que exercem? Vamos ver…

  2. Da Folha de Londrina de hoje.

    Juiz manda fechar Terminal do Álcool de Paranaguá

    Curitiba – Inaugurado há quase um ano pelo governo do Paraná, o Terminal Público do Álcool de Paranaguá está impedido de receber qualquer quantidade de álcool até que as 396 famílias que moram na região sejam removidas para outro local, dentro de um prazo de seis meses. O terminal público é de responsabilidade da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), ligada ao governo do Estado e conduzida até recentemente por Eduardo Requião.

    A determinação é do juiz federal Edilson Vitorelli Diniz Lima, ao atender parcialmente uma liminar solicitada pelo Ministério Público Federal (MPF) dentro de uma ação civil pública. A pena, caso haja descumprimento, é de R$ 50 mil por litro de álcool recebido a partir da intimação.

    Uma nova multa de R$ 1 milhão também está prevista caso a APPA descumpra ainda uma outra determinação, a de contratar novas expedições de álcool além daquelas já programadas para os próximos dez dias. Além da realocação das famílias, o juiz federal determina que o terminal de álcool só volte a funcionar após autorização do Ibama, que deve informar se a situação ambiental está regular. O juiz federal diz não ter certeza sobre a isenção do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) para apreciar o processo. A assessoria do IAP disse que não havia ninguém para comentar o assunto ontem.

    A APPA foi notificada pela manhã sobre a decisão, assinada na última quarta-feira. Segundo a assessoria da APPA, a decisão ainda está sendo estudada. A APPA ressaltou, contudo, que já ‘‘há esforços’’ para realocar as famílias, que vivem há cerca de 30 anos na região, chamada de Vila Becker e Canal da Anhaia, e negou qualquer irregularidade nas licenças fornecidas pelo IAP. O juiz federal também determinou ao IAP que se abstenha de emitir licença ou autorização para testes e operação.

    Não é só o terminal público que trabalha com produto perigoso na região. Outras empresas – União/Vopak Armazéns Gerais Ltda, Fospar S/A, Cattalini Terminais Marítimos Ltda e Petrobras Transporte S.A. (Transpetro) -, que trabalham com produtos inflamáveis e fertilizantes, estão instaladas em volta da invasão. Os moradores de Vila Becker e Canal da Anhaia permanecem ‘‘ilhados’’ por empresas de cargas perigosas. Segundo o juiz federal, todas devem ser solidárias, inclusive financeiramente, à remoção das famílias.

    A remoção, segundo o juiz federal, deve ocorrer mediante utilização do cadastro feito pela Cohapar e a realização de avaliação financeira idônea, pela Caixa Econômica Federal. ‘‘Havendo resistência da parte de algum dos moradores, deverá ser informada pelos réus ao juízo, para que sejam adotadas medidas cabíveis’’, escreveu ele, em seu despacho. A Prefeitura de Paranaguá também deve prestar informações sobre a situação dos moradores e providenciar audiências públicas.

    Catarina Scortecci
    Equipe da Folha

  3. Ahhhhhhhhhhhh!
    Isso é um absurdoooooooooooo!
    Como ousaum descordar de mim e do Rei-quião?
    Vou convocar uma reuniaum com todos os meu cargos comissionado para tomar as providência contra este desparatooooooo!
    Cabeças vai rolar!!!

  4. Vassalo da Ti@ Mad Responder

    Mad, Madinha…
    Não chore…
    Você ainda é amada e idolatrada pela maioria dos cargos comissionados… Não se preocupe, pois essa gente toda não sabe o que faz… São uns alienados, manipulados pelas forças do neoliberalismo norte-americano.

  5. PARABÈNS a Comunidade escolar do CEP, que o legislativo tenha o minimo de coerência e coloque em votação o Projeto de Lei . Parabéns ao Campana pelo espaço democrático e apoio oferecido a comunidade do CEP. E espero que a Sra Madeselva entenda que esta expressividade é principalmente contra a sua gestão e a desorganização que a senhora criou na escola. Porque há muito tempo o diretor do CEP é indicado, mas nunca se viu tanto descontentamento como desde que a senhora foi para lá.

  6. Meus Vassalo:
    Chame a açeçoria juridica da SEED!
    Vamo processar estes 2 610 subversivooooooo!
    Chame os polícia… Vamo dece a boracha neste agitadores!

  7. Vassalo da Ti@ Mad Responder

    M@d, M@dinha,
    Não precisa sapatear tanto!
    Não se preocupe, pois daqui a pouco todo mundo esquece… até os deputados esquecem…
    …de quem votou neles.

  8. Professor do CEP Responder

    Por que não foi 100%?

    O discurso da Madselva, de regime especil, de perda de verbas, etc… ainda tem alguma repercussão. O que assusta alguns é a possibilidade de não haver mais verba para manutenção da piscina, da pista de atletismo, etc… Não percebem que isso é o menos importante em uma escola, pois a sua essência está em seu projeto, naquilo que ela tem por princípio enquanto formação. Que modelo de formação esta senhora, a Madselva, implantou no CEP desde a sua chegada? O do barateamento da educação através de sua defesa da APROVAÇÃO AUTOMÁTICA, da implantação do DISCURSO IDEOLÓGICO REQUIANISTA (que está com os dias contados no Estado do Paraná), do SILENCIAMENTO DAS VOZES da comunidade escolar… O resultado do plebiscito é uma boa resposta daqueles que ainda não perderam a lucidez e a capacidade de ter esperança. Espero que ele signifique alguma coisa, também, para os nossos políticos que tem o poder de fazer valer a vontade da comunidade.

  9. Queremos ver agora quais serão as falácias criadas pela Madselva e pelas “autoridades” que dão sustentação a ela. Dizer que é apenas um grupo insignificante de professores querendo aplicar o golpe para tomar a direção NÃO COLA MAIS, pois, só para lembrar, os professores acusados de serem os MANIPULADORES foram todos afastados.

  10. Perguntar não ofende, os outros 11,7% que votaram contra a eleição direta, são os aspônes comissionados do govêrno.

  11. Chamem meu braço direito comiçionado número um, o Hébrio-irado!
    Só ele poderá dar um jeito nesta situação!
    Manda ele chamar aquele amiguinho marombado e dar um corretivo neste Fábio Campana, este jornalista insolente que fica dando repercuçaum pra estes subversivo que qué me distroi.

  12. Tia M@d, tia M@d…

    O Hébrio-hirado foi jogar uma bolinha, mas ele já tá chegando pra reunião de cópula, digo, cúpula…

  13. Vassalo da Ti@ Mad Responder

    Não se preocupe, tia Mad:
    Ainda temos 11,7% da comunidade do nosso lado para mantermos a nossa oligarquia, mantendo o discurso de democracia.

  14. Professor do CEP Responder

    Respondendo ao ronaldo:

    Nestes quase dois anos em que a Madselva está na direção do CEP, ela afastou diversos professores que não tinham estabilidade na escola e trouxe professores que eram do seu círculo de amizades. Mas o número de professores e funcionários que votou NÃO é insignificante, se descontarmos os 16 cargos comissionados e mais aquele velho ranço de professores saudosos dos tempos da ditadura. Sem contar os puxa-sacos de plantão, que se “encostam” no poder para conseguir aquelas regalias de sempre: faltar e não ter o ponto cortado, trabalhar em funções em que não haja “muito” trabalho… Tem gente lá que está apavorada com a possibilidade de saída da Madselva, com medo de voltar para a sala de aula… O pânico está no ar!

  15. Ora, por que não foi 100%?

    Existem pessoas que são a favor da volta da ditadura, outras, acham que quando se chega ao poder tem mais é que pensar em seu bolso mesmo…Então só posso argumentar dizendo que algumas pessoas pensam diferente, que algumas pessoas se deixam seduzir pelo poder ofertado a elas( que eu diria que são vendidas)! No entanto, mesmo existindo tantas pessoas diferentes no naquele colégio tão grande, mais da metade, quase 90% destas pessoas estão a favor de possíveis mudanças, caso o poder instaurado (ou eleito) não esteja satisfazendo os pais, os alunos, ou seja a comunidade como um todo!!!
    Afinal este é o motivo de tentarmos não viver em um regime, onde o poder deste deus, só termina quando a “divindade” morre…rssssss

  16. Ti@ Mad,
    O Hébrio-irado teve uma idéia muito boa: vamos fazer um churrasquinho na beira da nossa piscina olimpica aquecida, cantar umas musiquinhas sertanejas, beber umas cervejas e esquecer estas pessoas que estão aí com dor de cotovelo porque não são felizes como nós que temos o poder. Claro, isso tudo depois de um futebolzinho com a nossa turma.

  17. Será que os aspones da Direção Auxiliar votaram? Creio que nem coragem para se posicionar contra ou a favor eles tiveram, afinal, um pé em cada canoa é muito mais conveniente do que mostrar a sua cara.
    Como diz a velha Mad..”Seje claro nas sua atitudes.” hahahahahahaha

  18. Rosa Púrpura doCairo Responder

    Presumo que os 11,03% seja composto pelas seguintes áreas de “conhecimento”: Educação Física, Artes, Sociologia e Filosofia, a Tropa de Elite uniformizada do CEP, aspirantes a professores do Profissionalizantes e os cargos comissionados$$$Esses são capazes de verdadeiras loucuras para manter sua comissão e o apoio à velha pequinesa ruiva$$$$$$$$$$$$$

  19. Stênio Gracinha Responder

    Em discurso à TV da UFPr Tia Mad declarou que o CEP tem autonomia em tudo, inclusive no setor pedagógico, ou seja, aqui sou eu que mando e faço o que eu quero, mas não façam o que eu escrevo.

  20. A visão do CEP na versão Genival Lacerda:
    Quem não conhece Madselva e seu Chilique
    Que montou um alambique para o Hébrio trabalhar
    Office-Bobo, amigo de Zeca maromba,
    Pega aluna deita e zomba,
    E a Mad finge agradar.
    Eles tão de olho é na salinha dela,
    Eles tão de olho é no cabelo dela..
    Eles tão de olho é no poder dela,
    Eles tão de olho é na piscina dela.
    Antigamente o CEP coitadinho
    Funcionava direitinho
    Ninguém vinha reclamar.
    Mas hoje em dia só porque tem um Chilique
    Pensando que é chique
    Professores processar.
    (refrão)
    ( Música incidental…Severina Xique-Xique)

  21. o plebiscito no CEP recupera uma ação muito importante para qualquer regime democrático, que é a consulta direta a comunidade, exercer diretamente o exercicio da decisão, Rousseau estaria muito orgulhoso dos estudantes, funcionários, professores e pais. E espera-se se o discurso proferido ao longo desses anos de democratização feito pela direção e alguns membros do governo, que é exatamente a defesa do aprofundamento da democracia se faça agora, encaminhando rápidamente o estabelecimento de eleições diretas já……………..

  22. Num comentário para a imprensa a Secretária Yvelise afirma que a “comunidade do CEP precisa entender que é uma prerrogativa do governador a indicação da direção”, ora parece que “esqueçe” que se pensassemos assim o AI 05, a LSN, e todos os atos arbitrários não seriam questionados, eram também prerrogativas e nem por isso eram legais e democráticos, vamos rever nossos conceitos e nossa memória histórica……..

  23. È Verdade Sr Rubens, como pedagoga e que se diz defensora da escola pública a secretaria Yvelise deveria ter mais coerência e senso crítico e lembrar que “está secretaria”.

  24. Triste realidade Responder

    A impressão que se tem é de que o Sr. Maurício Requião foi para o TC por causa do salário vitalício, hoje acima de R$ 20.000,00, mas de lá, continua comandando a SEED, principalmente no que diz respeito ao Colégio Estadual do Paraná. Mais triste que esta realidade é acreditar que a Yvelize se presta a esse papelão.

  25. Professor do CEP Responder

    Os únicos com poder para mudar algo, a partir do conhecimento da vontade da comunidade são os deputados e o governador. Quanto a secretária Yvelise, está ali apenas para guardar o cargo para algum político aliado do Requião, provavelmente alguém sem nenhum compromisso efetivo com a educação. Mas ela poderia ser um pouco menos subserviente, principalmente nos comentários sobre a situação da democratização do CEP. Ora, limitar-se a dizer que a prerrogativa é do governador, é assim, sempre foi assim e sempre será assim a coloca no mesmo nível que o da Madselva. Este é exatamente o discurso da atual diretora do Colégio Estadual do Paraná.

Comente