Uncategorized

Pedágio sobe amanhã em 20 praças

Da Gazeta do Povo

A partir da zero hora de amanhã, os motoristas que passarem por 20 dos 27 pontos de cobrança de pedágio das rodovias do Anel de Integração encontrarão tarifas mais caras. O aumento, garantido pela Justiça, será de 9,74% em 15 praças. Já nos cinco trechos administrados pela Ecocataratas, os motoristas vão pagar, além deste porcentual, mais 9%. A cobrança extra será feita para compensar a redução da tarifa, ocorrida, 2004, após um acordo com o governo estadual. Com isso, em Cascavel, por exemplo, a tarifa para carros passará de R$ 6,40 para R$ 7,60.


Dos seis grupos que administram as rodovias do trecho, apenas a Rodonorte ainda não entrou na Justiça para garantir o reajuste. Só na sexta-feira, o Departamento de Estradas e Rodagem do Paraná (DER-PR) foi notificado oficialmento sobre a autorização para a correção das tarifas nas praças da Ecocataratas e na Econorte. A assessoria de imprensa do órgão informou que o governo do estado vai recorrer da decisão relativa a todas as concessionárias.

Para o reajuste poder ser aplicado, o DER deve homologar o pedido das concessionárias, mas desde 2003 é o Poder Judiciário quem decide se o valor está correto ou não. O cálculo é feito pela Fundação Getúlio Vargas.

O trecho da BR-277 que leva ao litoral do estado, administrado pela Ecovia, continuará a ter a tarifa mais cara. O preço para carros passará de R$ 11,40 para R$ 12,50 e o preço por eixo de caminhão passará de R$ 9,60 para R$ 10,50. Na semana passada, a Associação de Hotéis, Restaurantes, Bares, Casas Noturnas e Similares do Litoral Paranaense (Assindilitoral) pediu que o DER organizasse uma reunião com a concessionária Ecovia para verificar a possibilidade de adiar o aumento para fevereiro do ano que vem. A concessionária negou o pedido. Na ocasião, o DER informou que está realizando um estudo sobre as concessões e que o resultado poderá resultar em uma diminuição das tarifas.

7 Comentários

  1. Chrystian Sobania Wowk Responder

    Ué, me lembro de uma certa campanha que dizia que ou abaixa ou acaba? Não aconteceu nada, ainda mais depois que veio a público que o Estado e Corte Requianista colhe parte dos dividendos ora pedagiados.

    Realmente mais um ilícito que seu Requião terá que tolerar na sua campanha ao Senado, o estelionato do abaixa ou acaba (…) agora ele vai dizer o que:”Metam a tarifa no rabo”???

    Perguntar não ofende… Requião NUNCA MAIS.

    Não cumpre contratos, quanto mais acordos políticos, fatos estes conhecidos na calçada da Av. Cândido de Abreu.

    PS: Campana parabéns pelo lay-out do blog.

  2. Fabio , a diagramação e o lay out anterior eram mais pessoal , este ficou com cara de site de Banco, só faltou a cotação do dolar e os indicadores economicos, que completária o clima frio das instituições financeiras.
    Porem não sou dono da verdade, vamos ver a reação da maioria para saber o resultado da aceitação da mudança.

    R: Claudio, não houve mudança. Houve uma desconfiguração do site alheia a nossa vontade. Voltará ao normal amanhã. Obrigado.

  3. O mote eleitoreiro “o pedágio baixa ou acaba” transformou-se em “o pedágio fica, aumenta, inclui o passivo milionário das ações judiciais do e contra o Estado a respeito do pedágio, o Estado fatura com o repasse das taxas de fiscalização e não fiscaliza”. E o povo paga tudo isto e não esboça nenhuma reação. Em vista disso, as ditas autoridades de controle público, cheias de prerrogativas, os mais régios salários também pagos pelo povo e calhamaços de leis e normas para atuar se fazem de desapercebidas. Não é com elas apurar responsabilidades visto que seus privilégios estão garantidos pelo mesmo povo que nada reclama e nada cobra. No Paraná está valendo o apóstrofe: “nada é investigado, ninguém é punido”.

  4. Luis Carlos (break) Responder

    pena os carros oficiais do governo não pagarem para passar pelas praças de pedagio que temos no paraná. Sera que o Sr. governador tiraria dinheiro do bolço para pagar pela passagem do carro oficial que utiliza?

  5. E as tais “Estradas da Liberdade”, que seriam construídas para o motorista desviar dos pedágios? Não se toca mais no assunto. E ai de quem perguntar!

Comente