Uncategorized

Xenofobia, farsa e realidade no caso Paula Oliveira

De Eliane Cantanhêde na Folha de São Paulo:

Estamos todos morrendo de vergonha com a reviravolta do caso Paula Oliveira: ninguém viu skinhead nenhum, há possibilidade de automutilação, e a moça nem sequer estava grávida.

Lula chegou a berrar contra “tamanha violência”, Amorim acusou “evidências de xenofobia”, Marcondes Gadelha, da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, protestou na embaixada da Suíça, TVs e jornais encheram-se de indignação, e grupos brasileiros estavam prontos para ir às ruas, hoje, em Zurique.

Um vexame! O que seria selvageria neonazista está confluindo para uma patologia individual, em que a vítima é também tristemente ré.

A reviravolta, porém, não muda os efeitos de uma crise que começou na maior economia e se alastra dramaticamente. Com Alemanha, Reino Unido, Holanda, Portugal, Espanha e Itália em recessão e registrando aumento de desemprego, a xenofobia perde o pudor e emerge. Com ou sem skinheads, a história de Paula toca numa ferida tão real que habitava e explodiu no inconsciente da moça. E no nosso.

O Brasil foi do ataque à defensiva, depois de autoridades, imprensa e cidadãos suíços reclamarem retratações. O que, além de constrangedor, enfraquece futuras investidas em defesa de brasileiros agredidos e humilhados no mundo desenvolvido, mas não elimina a essência de toda a discussão: a resistência crescente e agressiva aos imigrantes de países emergentes ou periféricos.

Se os cortes em Paula são superficiais, lineares e femininos demais para terem sido feitos por brutais skinheads, eles não eliminam as dores dos brasileiros humilhados em aeroportos espanhóis, sem banho, sem ressarcimentos e até sem dentes, perdidos a socos policiais.

Paula pode ter sido um erro, mas o erro maior está lá. Por que foi tão fácil inventar e acreditar num ataque de skinheads? Porque há quem não creia em xenofobia, mas que ela existe, existe. E tende a piorar.

9 Comentários

  1. Almasor Abbas Adilah Responder

    Correntes imigratórias
    Existem perto de 3 milhões de brasileiros, cuja maioria é de origem européia, no exterior, e é pouco, pois oriundos de qualquer outro país sul americano proporcionalmente existem muito mais, o que deveria ser considerado pela CEE uma situação normal, já que se no passado nós os acolhemos não sendo nada de errado que hoje eles acolham muitos dos descendentes de europeus que no passado vieram para cá.

    Europeus e norte americanos que imigraram ou ainda estão vivendo no Brasil, exemplos:

    – Segundo o consulado dos Estados Unidos em São Paulo, há 32 mil cidadãos norte americanos vivendo no Brasil.

    – Estima-se que, entre 1500 e 1991, 2.250.000 de portugueses imigraram para o Brasil e que hoje existam aproximadamente 800 mil pessoas de nacionalidade portuguesa vivendo em território brasileiro.

    – Estima-se que, entre 1884 e 1959, mais de 1.500.000 italianos imigraram para o Brasil e hoje existem 284.136 cidadãos com passaporte italiano no país.

    – Estima-se que, entre 1880 e 1960, mais de 750 mil espanhóis imigraram para o Brasil e hoje 150 mil espanhóis aqui vivem.

    – Estima-se que, entre 1824 e 1969 , mais de 250 mil alemães imigraram para o Brasil.

    – Estima-se que, entre 1869 e 1920, mais de 60.000 poloneses imigraram para o Brasil.

    Fora as dezenas de outras nacionalidades a quem o Brasil deu e dá abrigo!

  2. devaneios/loucuras Responder

    Neste caso pairam muitas dúvidas, pois, tentamos pensar, quais motivos, uma pessoa esclarecida das penalidades legais, teria em inventar uma fraude. Como também seria vergonhoso ao governo suíço aceitar grupos nazistas ligados à partidos políticos, incentivando esse terror xenofóbico. Esperamos que a verdade, sem nos precipitarmos em um julgamento leviano, prevaleça. Mas, se o desfecho ou a versão se confirmar favorável ao lado suíço, será um “mico” de repercussão ruim para o Brasil, suas autoridades e os demais estrangeiros. Enquanto a violência em nosso país corre solta…..Direitos humanos???

  3. Se este fato vier a ser confirmado,de que foi uma farsa,dá para se ter uma idéia do q. é o país em q. as leis somente beneficiam,traficantes.ladrões de colarinhos brancos,políticos de vários partidos,banqueiros etc e tal.Se este país fosse sério,tal vergonha não teria ocorrido.

  4. Gostaria de saber como ela conseguiu aquelas fotos que mostram a barriga dela grávida??? será que somente eu vi?? nas fotos fica bem claro que há uma gravidez.
    Caso tudo seja invenção é horrivel imaginar o que leve uma pessoa a se meter numa confusão deste tamanho, ela deve estar muito atormentada psicologicamente, mas penso que caso ela esteja falando a verdade, será que tudo será mesmo esclarecido? Não houve nenhum exame feito por médicos brasileiros, e qto aos cortes superficiais, o interesse dos atacantes era dar um aviso, assustá-la, e seria muito fácil dois deles imobiliza-la e o terceiro fazer os cortes de forma superficial…

  5. Almasor Abbas Adilah Responder

    Madrasta diz que tem exames que comprovam gravidez de brasileira

    MARCO BAHÉ
    colaboração para a Agência Folha, em Recife

    A família da advogada Paula Oliveira, 26, que afirma ter sido atacada por skinheads na Suíça, diz que pode provar que a pernambucana estava mesmo grávida de três meses no momento da agressão.

    A madrasta dela, Jussara Britto, 48, diz que a jovem fez exames de ultrassonografia e de sangue que podem comprovar a gravidez. “Meu marido [o empresário Paulo Oliveira] está em contato com o médico que acompanhava a gravidez de Paula para juntar todas as provas”, conta.

    Ela acompanha o caso de Recife. E questiona a versão da polícia de Dubendorf (3 km de Zurique), que diz que Paula não estava grávida e que os diversos cortes podem ter sido feitos pela própria advogada.

    “Desde o primeiro momento, antes de qualquer exame, a polícia está insistindo na tese de que ela se autoflagelou. É um absurdo e vamos provar que Paula está dizendo a verdade”, diz a madrasta.

    Segundo ela, o retorno da advogada ao Brasil, marcado inicialmente para o próximo dia 19, talvez tenha que ser adiado.

    “Talvez ela só possa vir mesmo depois do Carnaval. Estamos esperando que ela fique bem física e emocionalmente para poder viajar. Também temos que esperar a liberação dela pelas autoridades suíças.”

  6. Estou lendo sobre eae acontecimento desde o dia que aconteceu.moro na cidade de Zurique perto da cidade onde aconteceu o problema. ja vivo aqui ha 20 anos,tenho uma filha que naceu aqui.Mas todos sabem que este grupo existe.em toda Europa e super perigozo.Agora vai ficar pior para os Brasileiros que vivem aqui.Sobre a Paula,seja qual for o resultado,sinto muito por ela.Afinal somos todos seres humanos.Sobre se envergonhar.

  7. Fabiano Ferreira Responder

    “Quando ela deu a notícia da gravidez, mandou anexada ao e-mail a imagem de um ultrassom. E nós achamos a mesma foto no Google Images”, afirmou a ex-colega, que conhece Paula há três anos. Segundo a fonte, falou sob anonimato, a imagem tinha o nome “Twins 6 wks” (gêmeos 6 semanas) e que, numa busca com a mesma expressão no Google, a mesma fotografia era localizada no site about.com.

    Segundo reportagem da revista Época, uma ex-colega de trabalho da brasileira afirmou que a mensagem foi enviada no dia 16 de janeiro para mais de 30 pessoas que trabalharam com ela na multinacional dinamarquesa Maersk com a reprodução de uma ultrassom que pode ser encontrada pelo Google.

Comente