Uncategorized

‘Economist’: modelo antiquado ajuda Brasil

Do Globo

Se até pouco tempo aspectos antiquados da economia brasileira eram apontados como fatores que seguravam o crescimento do país, agora estão ajudando a conter os efeitos da crise, na avaliação da revista britânica “The Economist”. Na reportagem “Colhendo os frutos da indolência”, da edição desta semana, a publicação lembra que a forte influência do Estado no setor financeiro era considerada excessiva até não muito tempo atrás, mas que um relatório do banco de investimentos Goldman Sachs elogiando o envolvimento do Estado na área bancária mostra a mudança.

A revista cita o controle do governo sobre o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal como exemplos dessas políticas. A administração de bancos e crédito, que hoje outros países estão aprendendo, lembra a “Economist”, já era feita no Brasil há algum tempo, antes de ficar na moda.

Segundo a revista, no entanto, apesar de ter sido poupada do pior da crise, a economia brasileira está se enfraquecendo, com aumento de demissões, citando os cortes da Embraer e da Vale, e queda na produção industrial.

“O Brasil deve demorar a sair da crise, assim como demorou para entrar nela”, afirma a matéria, que aponta, no entanto, que a situação é bem melhor que no passado recente do Brasil.

1 Comentário

  1. FABIO.

    Entre em contato com esta turma do jornal,
    ” The Economist”, e peça para esses gringos retificarem o título da notícia deles, de:

    “MODELO ANTIQUADO AJUDA BRASIL”,,

    para:

    “MODELO MODERNO AJUDA BRASIL”,

    Porque?

    Porque eles, os gringos malandros foram os que quebraram o mundo com seu “MODELO ANTIQUADO”, e ULTRAPASSADO, COM BASE NO DESGRAÇADO DO “CONSENSO DE WASHINGTON” , e na filosofia do malandro, sintetizada na frase:

    “Modelo econômico que garante ao macaco o cargo de GERENTE DO DEPÓSITO DE BANANAS”.

    Voce pode fazer iso pelo Brasil?

    LINEU TOMASS.

Comente