Uncategorized

Osmar e Lupi em campanha no Paraná

carlos-lupi-e-osma-dias

O Ministro do Trabalho, Carlos Lupi, do PDT, desembarca em Curitiba hoje para uma série de compromissos ao lado do senador Osmar Dias, a partir de amanhã. A agenda oficial começa às 9 hs, com o evento de reinauguração da sede da Superitendência Regional do trabalho, em Curitiba. Em seguida, Lupi e Osmar seguem para Mandirituba, na região metropolitana, para o lançamento do programa Pró-Jovem, no Teatro Municipal.

Lupi completa a agenda desta sexta-feira com eventos no Tribunal Regional do trabalho e na OAB. No sábado, embarca para o norte do estado. Tem eventos oficiais em Apucarana e Londrina. Deve reforçar a campanha de Barbosa Neto no horário do almoço. É que ministros só podem participar de campanhas fora do horário de trabalho.

3 Comentários

  1. Esse tal de Lupi é um canastrão, no lançamento do Senador p/ Governador, usou da palavra, desceu a borduna no Lula,disse que o Brizola chamava de sapo barbudo agóra esta Ministro do Trablho, na verdade toda a sua postura de oposição era conseguir
    uma colocação,casso perdesse as eleições no Rio,como perdeu,Só exite porque o Brizola comprava joranal ZERO HORA na sua banca, e gostou do garotão.

  2. O que sei é que depois que o Lupi nomeou o atual delegado do Trabalho João Graça, que é indicação do ruralista Osmar Dias, diminuiu a fiscalização em cima do trabalho semi escravo e de outras irregularidades graves que ocorrem nas realções de trabalho no setor agropecuário!

  3. Parece que foi nesta época em que o Osmar nomeou o inoperante João da Graça é que começou a aproximação do ruralista com o Paulo Bernardo, que traíu o Dr. Geraldo na cara dura!

    Lembro que na época em que estourou o escândalo do mensalão, e os petistas ficaram encolhidos, uma das poucas áreas do governo federal que davam mídia positiva aqui no Paraná era a Delegacia do Trabalho:

    “O Brasil é considerado pela OIT como o país líder no combate ao trabalho escravo, segundo consignado no Relatório Global da OIT do ano de 2005 e também no relatório da OIT-Brasil “Trabalho Escravo no Brasil no Século XXI”. Desde 2003, está sendo aplicado o Plano Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo, com resultados altamente positivos. No Paraná, a Delegacia Regional do Trabalho mantém intensa fiscalização, complementada pela ação do Ministério Público e da Polícia Militar. Segundo o delegado do trabalho Dr. Geraldo Serathiuk o trabalho escravo é especialmente localizado nas fazendas de corte e reflorestamento.”
    O Estado do Paraná 29 de julho de 2007

    TRABALHO » SUDOESTE
    DRT flagra exploração de trabalho infantil no Paraná
    Redação – Agência Londrix

    A Delegacia Regional do Trabalho do Paraná encontrou 24 crianças e adolescentes trabalhando na região sudoeste do estado. Segundo o delegado Geraldo Serathiuk, quinze deles tinham menos de 14 anos, cinco tinham entre 14 e 16 e quatro, 16 e 17 anos. A ação fiscal foi realizada entre os dias 10 e 14 deste mês, em 15 estabelecimentos das cidades de Chopinzinho, Pato Branco, Mangueirinha e Coronel Vivida.
    Serathiuk disse que os mais novos tinham 7 e 8 anos de idade. O primeiro trabalhava como catador de lixo reciclável e o segundo auxiliava na montagem e desmontagem de peças de veículos. Esses meninos são de Mangueirinha, onde foram encontrados mais 11 trabalhando. Em Chopinzinho foram sete crianças, o mais novo com 13 anos, desempenhando a função de auxiliar de escritório. De acordo com o delegado, o adolescente recebia R$ 100 de remuneração para trabalhar das 14h às 17h30.
    Em Pato Branco os auditores fiscais do Trabalho localizaram cinco crianças. A mais jovem, com apenas 9 anos de idade, trabalhava como catador de papel. Os setores fiscalizados foram mecânica, metalurgia, construção civil e empresas de reciclagem de papel. Segundo o delegado regional do Trabalho no Paraná, os menores foram encaminhados ao Programa de Erradicação ao Trabalho Infantil (Peti) e ao Bolsa-Escola.
    A ação foi resultado de uma parceria com a Secretaria Estadual do Trabalho e Promoção Social e Fórum de Erradicação do Trabalho Infantil e tem o objetivo de combater a exploração do trabalho infantil que, segundo Geraldo Serathiuk, é uma das propostas da DRT para 2006.
    A empresa que explora o trabalho infantil está sujeita a uma multa mínima de R$ 402,53 por criança empregada. O valor das multas pode ser dobrado quando a empresa já tem histórico de exploração infantil, conforme consta no Artigo 434 da Consolidação das Leis do Trabalho.

Comente