Uncategorized

Rossoni propõe extinção da diretoria da ParanáPrevidência

valdir-rossoni-psdb-8xO deputado Valdir Rossoni (PSDB) propôs hoje, durante a prestação de contas do governo na Assembléia Legislativa, que a diretoria da ParanaPrevidência seja extinta. A preocupação de Rossoni é com a ingerência dos atuais diretores no fundo previdenciário, que pode acarretar prejuízosenormes e definitivos para os servidores públicos.

“Quero propor um novo modelo de administração do fundo de previdência dos funcionários públicos. Vou apresentar um projeto para acabar com esse cabide de empregos e sugerir a criação de uma coordenadoria que ficará a cargo da Secretaria da Fazenda que, creio, estará em boas mãos. Minha única preocupação é preservar o fundo que vai garantir a aposentadoria dos servidores”, afirmou.


Rossoni ressaltou a alarmante situação financeira do fundo e a necessidade de se fazer algo urgente para que a ParanaPrevidência não tenha o mesmo fim que o Instituto de Previdência e Assistência ao Servidores do Estado do Paraná (IPE.), extinto pelo governador Roberto Requião em seu primeiro mandato.

“O maior culpado pela situação caótica do fundo previdenciário é o governo que está aí no momento, mas temos que encontrar uma solução para a ParanaPrevidência. Porque se continuar neste ritmo, vai deixar um rombo para várias gerações de governantes e principalmente tirar a tranqüilidade dos servidores quanto ao seu futuro”. na Assembléia Legislativa, que a diretoria da ParanaPrevidência seja extinta. A preocupação do deputado é com a ingerência do fundo previdenciário, que pode acarretar em prejuízos para os servidores.

“Quero propor um novo modelo de administração do fundo de previdência dos funcionários públicos. Vou apresentar um projeto para acabar com esse cabide de empregos e sugerir a criação de uma coordenadoria que ficará a cargo da Secretaria da Fazenda que, creio, estará em boas mãos. Minha única preocupação é preservar o fundo que vai garantir a aposentadoria dos servidores”, afirmou.

Rossoni ressaltou a alarmante situação financeira do fundo e a necessidade de se fazer algo urgente para que a ParanaPrevidência não tenha o mesmo fim que o Instituto de Previdência e Assistência ao Servidores do Estado do Paraná (IPE.), extinto pelo governador Roberto Requião em seu primeiro mandato.

“O maior culpado pela situação caótica do fundo previdenciário é o governo que está aí no momento, mas temos que encontrar uma solução para a ParanaPrevidência. Porque se continuar neste ritmo, vai deixar um rombo para várias gerações de governantes e principalmente tirar a tranqüilidade dos servidores quanto ao seu futuro”.

9 Comentários

  1. Modelo de gestão já existe. Basta que se cumpra, de boa fé. Sem isto, não adianta tirar o sofá da sala.
    Vide a atitude exemplar tomada no Alto Maracanã.
    Espera-se uma nova e boa surpresa do Ministério Público.

  2. Cap. Nascimento Responder

    Pior mesmo é o fato de que esta história, que já aconteceu no passado quando do primeiro governo do nepotão de mello e silva se repete no atual, e todos os sindicatos, que deveriam representar os Servidores, nem se manifestam. É peleguismo ou é cagaço? Ou ambos?
    Ei reiquejão, pede prá sair.

  3. Vigilante do Portão Responder

    E aquela bananosa da dívida do governo do Estado para com o ParanaPrevidência, como ficou?

  4. É a ignorância córnea do Deputado , desconhece toda a estrutura da PRPREV por ele criada pela lei 12.398 no governo Lerner do qual foi líder como poderia existir uma instituição sem Diretoria , e se esta fosse substituida pelo pessoal da Fazenda não seria também gente do mesmo governo que critica , ora bolas vá cata coquinho e estudar um pouco sobre previdência antes de dizer tanta besteira , a PRPREV foi o fundo que mais apresentou lucratividade no Brasil , cresceu 30 % só em 2009 , nunca deu prejuízos , o fundo da Caixa deu 1% e o do Banco do Brasil perdeu 10 bilhões de reais , então por que criticar a Paraná que já é controlada por servidores nos tres conselhos ´? é evidente que a intenção não é boa .

  5. Se a ParanaPrevidencia fosse apenas administradora do fundo previdenciário ate´poderia ser extinta com simplicidade porém mantendo-se a participação dos servidores que são os donos do Fundo e não o Deputado ou o Secretário. Ocorre que além disso faz a gestão da folha de cem mil servidores aposentados e pensionistas dos tres poderes conforme exige o Ministério da Previdência , promove o encontro de contas com o INSS e práticamente se paga com a compensação previdenciária .É uma instituição enxuta e em tempos de crise pode até conter mais gastos e reduzir uma ou duas diretorias , mas se for para enxugar despesas e diretorias tidas como cabide de empregos é bom começar pela Assembleia dando o exemplo como o Senado ensaia fazer e como quer o Ministerio Público Federal , os servidores e diretores da ParanaPrevidencia que peçam uma comparação de gastos e despesas com os gabinetes e diretorias da Assembleia mas para isso ” hay que tener cujones ” , e que os sindicatos se manifestem e vamos aos comparativos , inclusive na SEFA já que o Diretor Geral Nestor é o Presidente do Conselho da ParanaPrevidencia.

  6. Em relação ao Paraná Previdência, querer “reformar”, é péssimo em final de governo. Isto poderá levar ao retorno do pagamento dos aposentados pelo caixa do Estado.
    Com a crise internacional é bom preservar as coisas, sem tentar adivinhar o que é melhor, fora de época.
    Reformas estruturais devem ser anunciadas em início de governo.

  7. Eduardo Magalhaes Responder

    A diretoria deveria ser escolhida por cada categoria dos fucionarios publicos que contribuiem e nao indicaçao do Sr. Requiao e Assembleia e outros poderes que indicam conselheiros etc, o fundo e dos funcionarios. Cabe a eles elegerem conselheiros etc etc.

  8. QUEM VIVER VERÁ. Responder

    E o Presidente do ParanáPrevidencia é Desembargador aposentado. Logo após assumir, dobrou o seu próprio salário. Ganha como Desembargador aposentado e como Diretor do ParanáPrevidencia.Algo em torne de R$ 40.000,00 por mes. E os policiais que ganham em torno de R$ 1.600,00 por mês choramingando por um aumentosinho negado pelo Governo, porque “fere a lei de responsabilidade fiscal”. A frase de Charles De Gaulle está mais atual do que nunca: esse não é um País sério.

Comente