Uncategorized

Todos na guerra de Londrina

hauly-e-barbosa-neto

Hoje, dia da graça do aniversário de Curitiba, temos eleições em Londrina. Um embate que antecipa a mais provável confrontação de forças pelo governo do Paraná em 2010.

Nos últimos dias, sentaram praça em Londrina os principais pretendentes ao posto de governador. Alvaro Dias, Osmar Dias, Beto Richa, cada qual com uma horda de acompanhantes. Alvaro e Beto, tucanos, quebraram lanças por Hauly. Osmar Dias ficou com o Barbosa Neto, de seu partido, o PDT.

Todas as pesquisas, publicáveis ou não, apontam o favoritismo de Barbosa Neto, que na semana ganhou o apoio de um peso pesado da política local. O deputado e ex-prefeito Antonio Belinati foi quem venceu as duas eleições deste ano em Londrina. Há quem acredite que a adesão de Belinati a Barbosa significou a pá de cal na candidatura de Hauly.

Se Luiz Carlos Hauly vencer, os tucanos ficarão reforçados no quadro estadual. Especialmente o senador Alvaro Dias, a quem Hauly é ligado. Se Hauly perder, todos já sabem a quem culpar: o próprio Hauly que ao aceitar o apoio de Requião, do PMDB, e de Nedson Micheletti, do PT, conseguiu afundar o seu barco, dizem os tucanos, especialmente os ligados ao prefeito Beto Richa,

Se Barbosa Neto vencer, quem ganhará musculatura é o senador Osmar Dias. Sua candidatura ao governo deixará de ser a expressão política de médios e pequenos municípios. Passará a ostentar em seu conjunto de forças o prefeito de Londrina, segunda maior cidade no Paraná.

De tudo, fica uma certeza. Requião e seu PMDB têm papel secundário neste e em todos os cenários da vida política paranaense. Inevitável. É a decadência que ele não quer admitir, mas que é indisfarçável um ano antes do final em 3 de abril.

18 Comentários

  1. qualquer que seja o resultado de londrina o Osmar perde porque ja aderiu ao PT E TERÁ COMO VICE O SAMEK

  2. ariovaldo nunes Responder

    FABIO ENTENDA A GRANDE LIDERANÇA HOJE NO PARANÁ E´BETO RICHA AS PESQUISA ESTÃO CLARAS.

  3. Jamile H. Brandão Responder

    Deixem de escrever besteiras no espaço do colunista político mais lido do Paraná!
    Em Londrina já há claros indícios da vitória de BARBOSA NETO com razoável margem de votos sobre o segundo colocado.
    É bom lembrar que Hauly perdeu 4 eleições, mais dois segundos turnos, e perdendo essa chegará à sete derrotas. Sete quedas… Até quando esse apedeuta de Cambé vai insistir em sua obsessiva paixão pela prefeitura que o povo, seguidamente lhe nega? Xô, Hauly!!!!

  4. Acho que todos os politicos desse Brasil queriam estar em decadência igual a Requião, as pesquisas mostra que o cara esta com tudo com as massas populares e os bloguistas tentam em teimar que o homem esta em decadência. O Ceús o mundo o imcompreensão.

  5. Jamile H. Brandão Responder

    Pedro Paulo, aí de cima, é um sujeito que cambaleia na corba bamba por sobre a tênue fronteira do cinismo com a mentira. Vejam, seu comentário é das 10:42 hs, e “A VITORIA DO HAULY É CERTA, JA TEM BOCA DE URNA QUE APONTA”. Coitado.

  6. Nélson Brandão Responder

    Barbosa, numa mensagem lúcida e pungente, como futuro prefeito de Londrina:

    LONDRINA EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO

    Depois de um processo longo e desgastante, onde Londrina enfrentou alguns dos momentos mais difíceis de sua história política e social, chegamos às urnas. Vamos decidir o futuro de uma das melhores e maiores cidades do interior do Brasil, cujo nascimento, em meados do século XX, foi obra de pioneiros e desbravadores, de ingleses e cearenses, de japoneses e mineiros, de paulistas e libaneses. Num cruzamento e idiomas e de faces, de raças e de culturas, poucas coisas em comum: coragem, decisão e fé. E todos, antes de tudo e de mais nada, londrinenses.

    Poeira levantando, pés-vermelhos, a brisa nos cafezais, dinheiro financiando a riqueza nascente, esperança estampada nas faces avermelhadas pelo sol inclemente do norte que surgia das mãos miraculosas de mulheres e de homens que, muitas vezes sem saber ou mesmo desconfiar, estavam escrevendo um capítulo de luz e de sonho na história do Paraná e do Brasil. Mas, principalmente, na história de nossas vidas.

    O Brasil vivia um momento excepcional. A indústria de base, com a Petrobrás e Volta Redonda, feitos do Estadista Getúlio Vargas, foram o suporte para que o genial JK comandasse a arrancada nacional rumo ao progresso: 50 anos em 5. Londrina, efervescente, era surpresa epasmo diante dos olhos embevecidos de um Brasil que mudava. Nosso aeroporto era o terceiro mais movimentado do país. Arrigo Barnabé, nosso talentoso compositor, imortalizou em verso aquele momento inesquecível da vida de nossa terra:

    “olha quanta luz no céu
    olha um avião voando sozinho
    sobre o Perobal”

    Exportamos café e exportamos talento. Horácio Coimbra, olhos no futuro e fibra de bandeirante, levou nossa maior riqueza de então à Europa, à Asia, à América do Norte. Celso Garcia Cid, plantava num mundo que nascia com estradas de terra (pouco mais que picadas abertas por entre a vegetação inóspita) uma das maiores empresas rodoviárias do país. Vilanova Artigas, um de nossos maiores arquitetos de todos os tempos, projetava em Londrina. João Antônio, um de nossos maiores cronistas, nos legava o insuperável “Ai, Londrina”. E nossa história está repleta de grandes nomes. Cito alguns: Olavo Godoy, Olegário Mazer, David Dequech, Orlando Gomes, Oscar Fuganti, Pedro
    Nolasco, Pedro Marchesini, João Batistela, Henrique Mansano, Hugo Cabral, Humberto Pedriali, Humberto de Almeida Barros, Alceno Segantin, Estela Okabayashi Fuzii e Antônio Sávio e outros tantos nomes que não pediram licença para escrever as páginas de uma história que é nossa, só nossa.

    Hoje, somos pouco mais que uma sombra do passado. Mas, se ainda somos grandes, agora estamos tristes. Mas existe dentro de cada brasileiro que faz da terra abençoada de Londrina uma verdadeira esquina do mundo a sincera decisão de começar de novo, de reconstruir pedra por pedra, tijolo por tijolo, com talento, garra e esperança uma terra cujo nome se confunde com desafio, risco e oportunidade.

    Não quero ser prefeito, apenas. Quero ser o londrinense que chefiará o processo de soerguimento de nossa cidade, baseado na transparência, na competência e no desenvolvimento. Desenvolvimento, tenham certeza, será o outro nome de Londrina. Tenho programa de governo e sei como realizar o que garanto. Tenho idéias claras de como fazer e irei fazê-lo. Tenho equipe capaz e respeitada, para com criatividade e eficiência vencer um orçamento comprometido e dívidas imensas. Tenho sonhos de progresso e os realizarei encarando a
    realidade de oito anos de apatia e mediocridade. Sei por onde vou e sei onde quero chegar: à Londrina do futuro que honrará o passado de progresso e riqueza.

    O seu voto tem o poder de melhorar nossa cidade. De fazê-la voltar a sorrir. De recuperar nosso orgulho de viver aquí. De exigir respeito por você, por sua família, por seu bairro. Vejo a Londrina do passado, pujante, rica e feliz, com os olhos na Londrina do futuro. Nós podemos, sim, como os pioneiros que forjaram seu sonho na terra dos pés vermelhos, reconstruir Londrina. Nós podemos, sim, aceitar o desafio da educação integral, da segurança, da saúde, do desenvolvimento sustentável, da fraternidade. E consigo, por entre as dificuldades do presente, vislumbrar uma terra do trabalho e da fartura, do desafio e da vitória.

    Não vim na vida a passeio. Vim a serviço. Não tenho compromisso com o erro. Se errar, assumo e recomeço. Humildade é o meu forte. Meu governo vai ser uma reafirmação de amor à Londrina. Um compromisso definitivo com o seu povo extraordinário. Serei maior que meus defeitos. Precisarei de todos. Dos empresários que vivem no Royal Golf e dos meus irmãos dos Cinco Conjuntos.

    Competência, transparência e desenvolvimento – será a base do meu governo. Um governo sem medo e sem ódio.

    Londrina, levanta-te e anda!

  7. Como afirmar que o PMDB e o Requião têm papel secundário?

    Apenas para refrescar a memória dos leitores desse blog, o Requião, na pesquisa espontânea, é o primeiro a ser lembrado com ampla vantagem do segundo colocado!

    Certamente será eleito senador pelo PMDB, cabendo a disputa da outra vaga ao Fruet, Lupion, Ricardo Barros ou o próprio Osmar Dias!

  8. cassia cortése Responder

    Infelizmente ainda existem uns “tontos” em política que pensam que sabem tudo. Pelos seus interêsse arrotam o perú que comeram no almoço sem ter a mínima idéia da idiotice que falam. O Julio Pires e a ou o Jamile Brandão são dois desses exemplos. Pergunto: E se o Hauly ganhar a eleição? E se uma pesquisa indicar que o Béto não é líder coisa nenhuma o que eu achao bem provável, como é que fica? Vocês virão aquí pedir desculçpas pelas tolices que disseram? Meus chapas; em bôca fechada não entra mosquito, já ouviram esse ditado?

  9. DILEMA
    Curioso é o pacto de não enfrentamento entre os irmãos Dias. Mais que curioso, é complicado!
    Se Álvaro dominar no PSDB, que fará Osmar ?
    Se Beto dominar no PSDB, que fará Álvaro ?
    As respostas corretas significam um valioso diagnóstico. Um dilema interessante para Orlando Pessuti que terá poderes especiais na fase crítica.

  10. Barbosa acaba de vencer as eleiçoes em Londrina!
    Ou seja Ricardo Barros ganha mais uma em cima de Beto Richa e Alvaro Dias, e hoje se torna a maior força do estado.

  11. Maringá, Maringá Responder

    Ao funcionário da Prefeitura de Maringá aí de cima: o Ricardo Barros só será a maior força do Paraná numa outra encarnação, quando nenhum de nós estará mais aquí. Aliás, graças a Deus.

  12. Crie corvos, e eles lhe arrancarão os olhos ….
    O “novo” não passa de um reflexo do que existe de mais velho,corrupto e rançoso na política de nossa cidade!

    Adeus para o futuro de Londrina!

    Quem pariu Mateus que o embale ……

    Obs.:

    Queria agradecer ao dono do blog por ter garantido o espaço democrático de discussão!

    Parabéns ao dono!

  13. Desculpe mas me informem, quem é Ricardo Barros, ja que aqui no Sudoste nunca ouvimos falar dele.

  14. Rock

    Este é o Ricardo Barros:

    Ricardo Barros é condenado a ressarcir cofres públicos

    Justiça considera que houve fraude na venda de equipamentos da prefeitura em 1991
    17/03/2009 | 19:28 | Marcos Paulo de Maria

    O deputado federal Ricardo Barros (PP), ex-prefeito de Maringá foi condenado pela 2.ª Vara Civil a devolver aos cofres públicos o dinheiro adquirido com a venda de dois equipamentos coletores e compactadores de lixo da prefeitura realizada em 1991. Na decisão, o juiz Airton Vargas da Silva considerou que houve fraude na venda dos equipamentos. Na época, a denúncia sobre as irregularidades foram feitas pelo ex-vereador e ouvidor municipal Euclides Zago Alexandre da Silva.

    Segundo a ação civil pública do Ministério Público (MP), no dia 20 de novembro de 1991, Ricardo Barros designou uma comissão para avaliar os coletores de lixo e simulou a venda para a prefeitura de Luiziana, cidade localizada a 130 quilômetros de Maringá. Como a lei permite a negociação entre municípios sem licitação, o nome da prefeitura de Luiziana foi usado para que um dos integrantes da comissão de avaliação, Luiz Carlos Toledo Soares, comprasse os equipamentos sem a necessidade de disputar uma licitação.

    “Ocorre que os coletores não foram adquiridos pelo município de Luiziana. O pagamento dos coletores foi realizado com cheque de emissão de Luiz Carlos Toledo Soares, membro da comissão nomeada por Ricardo Barros para proceder à avaliação de ditos equipamentos”, escreveu o juiz na condenação. Na ocasião, os coletores foram avaliados pelos membros da comissão como inservíveis (sem utilidade) – o que lança suspeita sobre o valor da avaliação. A sentença também condenou o espólio de Luiz Carlos Toledo Soares a ressarcir os cofres públicos.

    Em sua defesa, Barros alegou que houve prescrição do fato e que o MP não detém legitimidade para propor a ação. “O autor é carecedor de ação por falta de interesse processual por inadequação, pois não é cabível o ajuizamento de ação civil pública para ressarcimento dos cofres públicos.”

    O deputado e o espólio de Soares foram condenados a ressarcir aos cofres públicos de Maringá a diferença entre o efetivo valor de mercado e o valor obtido pelo município com a venda dos equipamentos, no total de CR$ 1.010.000,00 na época, montante que deve ser corrigido e acrescido de juros. Na sentença, os valores corrigidos não foram calculados.

    De acordo com o promotor da ação civil pública, José Aparecido da Cruz, o montante a ser ressarcido aos cofres do município vai ser apurado durante a liquidação da sentença. “É uma espécie de nova ação que vai levantar o valor exato a ser devolvido. Mesmo sem o valor, a gravidade do fato, que é venda dos coletores de forma irregular já foi identificada e sentenciada”, ressaltou.

    O deputado Ricardo Barros disse que vai recorrer da condenação ao Tribunal de Justiça. “Existe mesmo essa denúncia, mas não participei desse evento. Confiei nas pessoas designadas para fazer a avaliação. Recebemos o dinheiro e não houve prejuízo para a prefeitura. Não fui beneficiado. Vai ser mais um processo arquivado pelas instâncias superiores das dezenas que já respondi”, afirmou.

Comente