Uncategorized

Curi propõe CPI das Funerárias da Assembléia e Câmara de Vereadores

alexandre-curi-pmdb

O deputado Alexandre Curi, do PMDB, e talvez o deputado mais ligado ao governador Requião, sugeriu hoje uma CPI conjunta da Assembléia e da Câmara Municipal de Curitiba para investigar o caos estabelecido pela competição desbragadas das funerárias, após receber centenas de denúncias sobre desvios, falta de respeito com os parentes de falecidos, ingerência abusiva de cartéis de funerárias que dominam o setor e estabelecem entre si uma competição feroz que constrange as famílias de mortos.

Além de tudo, os serviços deterioraram. Há cadáveres que chegaram a esperar mais de doze horas para serem recolhidos das ruas da periferia. E a liberação de corpos tem demorado, muitas vezes, mais de 24 horas.

3 Comentários

  1. Dia 01 de abril de 09 (dia do governador do Paraná)

    Vamos aos fatos

    E verdade que o pedágio baixou – não isso é mentira
    É verdade que o pedágio acabou – não isso é mentira
    É verdade que diminuiu a criminalidade no Paraná – não isso é mentira
    E verdade que a estrada do cerne esta toda asfaltada – não isso é mentira
    É verdade que o porto de Paranaguá foi bem administrado pelo seu irmão – não isso é mentira
    É verdade que elegeu a maioria dos prefeitos dos municípios do Paraná – não isso é mentira e a verdade é que ele foi o grande derrotado.
    É verdade que ele fez ou faria pacto com o diabo – pode ser, pois assim ele disse uma vez na TV.
    E verdade que ele é um bom homem – mentira garantida ele e mesmo um grande enganador mentiroso.
    Mas vamos dar a ele a verdade na próxima eleição não votando mais nele por suas propostas mentirosas.

  2. Poderia-se investigar também a aposentadoria aprovada por nossos Deputados Estaduais e verificar o quanto de dinheiro público será gasto.

  3. Sidney Ferreira Responder

    Acredito que a única coisa de bom que o Scarpellini fez em Apucarana foi municipalizar o serviço funerário; lá as famílias não são mais incomodadas pela ganância dos empresários da morte. Em Londrina, ainda que tenha havido irregularidade na Autarquia dos Serviços Funerários (cobrança de propina nos serviços de tanatologia, segundo noticiado pela imprensa), no momento difícil da perda de um ente querido, basta levar os documentos e todo o resto é providenciado pelos funcionários do setor. Em Curitiba, recentemente com a morte de um cunhado, cheguei a ter que buscar audiência com o Juiz da Vara de Registros Públicos (vale destacar que o magistrado foi atencioso e digno dos mais altos elogios), depois de passar a noite inteira junto com o filho do morto (que é advogado) buscando orientações para liberar o corpo e para o enterro porque o cartório não liberava o atestado de óbito por problemas de eletricidade (alegavam não ter como digitar e incluir o atestado no sistema).
    Um absurdo! Um desrespeito total à família! O custo da capela e o preço dos serviços e do caixão foram uma vergonha; nada mais que exploração da dor alheia.
    Se o Beto Richa quizer melhorar em mais uns cinco pontos o seu índice de aprovação e ser o próximo governador, basta criar uma Autarquia de Serviços Funerários aos moldes da de Londrina, descentralizando funções com a criação de regionais conforme a população dos bairros e construir algumas capelas mortuárias para atender as famílias no momento mais difícil. E se bem administrada, essa autarquia com certeza vai gerar lucros com a venda de coroas e outras mercadorias ligadas a este tipo de evento triste.
    Seria o fim do comércio vergonhoso da morte; da exploração absurda de pessoas fragilizadas e, principalmente, o resgate do respeito de todos os envolvidos com o episódio morte. Curitiba precisa urgentemente disso!
    Se chegam a sair no tapa para disputar “de cujus”, imaginem o tamanho do lucro que esse mercado mercenário deve gerar!
    Ah! Se alguém tiver acesso ao prefeito, passem a sugestão para ele porque ele só tem a ganhar se estudar esse tema com carinho.

Comente