Uncategorized

Governo e oposição disputam a simpatia de prefeitos

De Josias de Souza, na Folha Online

Serra e Aécio são capazes de tudo para chegar à presidência. Menos de fazer oposição. Quando é preciso bater em Lula, teiceiriza-se a tarefa a um não-candidato: FHC. Entrincheirados nos governos de São Paulo e de Minas, os dois maiores colégios eleitorais do país, os presidenciáveis tucanos assistem ao crescimento de Dilma. A vitrine da preferida de Lula, por federal, abre-se para todo o país. A vidraça de seus rivais provê visibilidade bem mais restrita.

A oposição dá de barato que, assim, superexposta, a dodói de Lula vai, fácil, fácil, a 25%, talvez 30% até o fim do ano. Não chega a ser um bilhete premiado para a vitória. Mas, em disputa que envolva três ou quatro candidatos, já garante a passagem ao segundo turno.

Numa tentativa de sair do córner, a oposição decidiu se mexer. Organizou-se ao redor de um fórum. Inclui as cúpulas do PSDB, do DEM e do PPS. O tal fórum já se reuniu um par de vezes. Fará encontros semanais. Sempre às terças, pela manhã, no Congresso. Deve-se a iniciativa ao presidente do PSDB, Sérgio Guerra. Concluiu que, nessa quadra pré-eleitoral, a pior forma de ação é a inação. Optou por agir.

Reunidos na última terça, tucanos, “demos” e ex-comunistas arquitetaram um primeiro gesto. Compraram a causa dos municípios. Em pajelança que realizara em fevereiro, Lula arrastara até Brasília mais de 4.000 prefeitos. Prometera mundos e fundos. Entregou o inferno. Ao servir à indústria automobilística e ao setor de material de construção o refresco do IPI, Lula fez gentileza com chapéu dos outros.

Por ora, fez minguar as arcas das prefeituras em R$ 2,1 bilhões. Até o final do ano, projeta-se uma perda maior. Coisa de R$ 5 bilhões. Em jogo combinado com lideranças dos prefeitos, a oposição apressou-se em protocolar no Congresso um projeto de socorro aos municípios. Destina às prefeituras um pedaço do Fundo Soberano, um cofre que armazena R$ 14,2 bilhões. O cheiro de queimado chegou a Londres, onde se encontrava Lula.

O presidente telefonou para Brasília. Encomendou a elaboração, a toque de caixa, de medidas de compensação aos prefeitos –uma clientela que, por ora, ainda é sua. Nessa queda-de-braço, ninguém tem a pretensão de dobrar o pulso de Lula, dono da chave do cofre. Mas, de repente, PSDB, DEM e PPS tiveram um inusitado encontro. Encontraram-se com o óbvio. A oposição se deu conta de que, organizando-se, pode fazer oposição! Caindo-lhe a ficha, passou a programar os próximos passos.

Vai-se tentar erodir a imagem de boa gestora que grudou em Dilma. Como? Expondo os furos no casco do PAC e alvejando o sonho do milhão de casas. O caminho é perigoso. Exagerando-se no veneno, a receita do pudim desanda. Assim, planeja-se esculachar não o PAC, mas o “atraso” de obras “urgentes” e “necessárias”.

Arquiteta-se uma campanha não contra o festival de casas, mas contra a “empulhação” do programa “sem data” de conclusão. Para uma oposição que perambulava sem discurso, a estratégia representa uma tentativa de correção de rumos. Tem, porém, uma fragilidade notável. O plano foi urdido e está sendo desencadeado desde o Congresso, um prédio cujo prestígio encontra-se ao rés do chão.

De resto, falta à iniciativa a cara de um candidato. A oposição convive com uma evidência: quem tem dois candidatos não tem nenhum. Se esses dois candidatos fogem do contraditório, o drama piora. Enquanto for mantido esse enredo, Dilma vai palco como protagonista de um monológo.

6 Comentários

  1. Obrigado. Adorei teu email. Vendo o teu perfil me encantei com ele. excelente texto e tuas palavras parecem estar revestidas de sentimento quando te descreves. Inteligente e madura, deves ser uma mulher que qualquer homem gostaria de conhecer melhor.
    Ja te selecionei como predileta e quero teu endereço no msn (se tiveres é logico) para que possamos teclar com melhores condições que aqui neste site que trava demais e não permite te passar minhas fotos ou até, se quizeres, me conhecer pelo video.
    Me passe o teu que de imediato te chamarei para batermos um papo.
    Algo me diz que temos muito em comum, mas ja posso te adiantar que vc mexeu comigo ao me convidar para tocarmos ideias aqui mesmo.
    Tomara que esteja nascendo uma bela amizade entre nos…..Beijos e Bom FInal de Semana.
    Te quero
    Te espero
    Venha.

  2. REPITO.
    Há meses tenho afirmado meu ponto de vista.
    Passando pela crise em condições favoráveis, “o cara” poderá controlar a situação pós 2010. Terá poder para fazer acontecer alguma conveniência, até legal neste sentido.
    Enquanto isto, Dilma “segura a peteca”.

  3. CLIENTELISMO, CRISE E ELEIÇÃO.

    Pode anotar. O cenário para os próximos meses está definido. Dane-se o orçamento e investimentos para crescimento sustentado. Prepare-se para a maior farra já vista de donativos, denominados malandramente de “subsídios”.
    Nem tente falar em falta de estrutura, tecnologia e salários para segurança, saúde e educação. E a oposição, sabiamente, gasta-se em disputas intestinas.
    Assim, o veredicto incontestável do povo será, por aclamação. Temos um. Só um. O cara !
    E, se algum ousado criticar, será vaiado.

  4. O governo tucano com FHC detonou a economia brasileira e com ela as condições dos municípios. Centralizou os recursos no nível federal e não tinha nenhum programa de investimentos para os municípios. aliás os tucanos são bons em criar programas insuficientes, como aqui em Curitiba. O Beto Richa cria programa para tudo (ou quase tudo). Mas todos os programas são insuficientes. Veja por exemplo o que acontece com a secretaria antidrogas. Ele afirmou que esta secretaria iria “diminuir” o número de homicídios… Sinceramente, não vejo nenhuma ação eficiente desta secretaria. Só marketing!

  5. esse estilo de botar outro para bater é bem típico dos tucanos. Eles são muito dissimulados e o povo tem que ficar atento não só no FHC como tb na dissimulação da Globo. Na eleição passada, o Alckmin prometia aos céus que se fosse eleito, venderia o avião presidencial, popularmente chamado de Aerolula. . Além de perder a eleição, ainda saiu da campanha com a pecha de privativsta antipático. E a Globo? Tirou do ar rapidinho o quadro da Zorra Total que mostrava um trabalhador de macacão azul pintando a parede externa de um prédio. Ao ver um avião no céu o trabalhador exclamava: “Olha o Lula aí gente!!! O tiro saiu pela culatra.

  6. É típico dos tucanos por outro fulano para bater, enquanto os candidatáveis posam de éticos, bonzinhos, perante a opinião pública. E não é só o FHC. Tem uma Globo na jogada tb. NBa eleição passada, o Alckmin jurava de pés juntos que, se fosse eleito, venderia o avião presidencial, popularmente chamado de Aerolula. Além de perder para o Lula, ainda saiu do pleito com a pecha de privativista fora de época. E o que tem a Glovo a ver com este episódio? A emissora tirou rapidinho do ar o quadro da Zorra Total que mostrava um trabalhador de macacão azul pintando a parede externa de um prédio. Ao ver um avião no céu o homem exclamava: “Olha o Lula aí gente!!!” Tudo a ver.

Comente