Uncategorized

Nelson Justus admite que Usina de Mauá não tem autorização legislativa

malucelli

O deputado Ademar Traiano, do PSDB, cobrou do presidente da Assembléia, Nelson Justus, em sessão, a situação irregular da construção da usina de Mauá, tocada pelo consórcio liderado pela J. Malucelli, de Joel Malucelli (foto), cujo processo de aprovação legislativa, necessário segundo a Constituição, está empacado há sete meses.

A obra, portanto, foi iniciada sem uma das três exigências fundamentais. Além da autorização legislativa, são necessárias a aprovação do relatório de impacto ambiental (RIMA) e a aprovação do projeto técnico. Justus reconheceu que o processo está parado e prometeu averiguar.

Entidades ambientalistas preparam ação popular para ingressar na Justiça Federal contra a construção irregular da obra.

8 Comentários

  1. Fábio
    Essa é a foto que o Joel irá utilizar na campanha como suplente de Senador do Requião?

  2. Por muito menos a polícia paranaense fez operações espetaculosas, prendendo diverso figurões da era Lerner. Cade a polícia? Cade o MP? Cade a maria louca para gritar sobre esta aberrração? Cade o Dr. Olímpio?

  3. Perguntar não ofende, vai ser difícil essa casinha de leis dar autorização ao Sr. Malucelli a pedido do bolivarísta do Bigorrilho ?

  4. Fábio, vamos corrigir algumas informações.
    Mauá está cheia de irregularidades e não é de hoje. As entidades ambientalistas já entraram com ação contra a construção da usina. Até agora está sendo travada uma guerra de liminares. O MPF está na jogada faz tempo, a COPEL já foi expulsa a tiros lá de Ortigueira em 2007, tem história de EIA/RIMA falsificado, tem cagada do IAP. Tem também uma lei estadual do início do governo Requião em 2003, autorizando o estado a tocar 3 empreendimentos hidrelétricos: Mauá, Tijuco Alto e Baixo Iguaçú. O engraçado é que esta lei foi aprovada pela assembléia, inclusive com votos de senhores deputados da oposição, mesmo ela sendo inconstitucional. Em 2007 e 2008, vários deputados da oposição foram procurados por entidades ambientalistas, que tinham o negócio todo documentado e entregeu de bandeja, mas todos sem exceção fizeram ouvidos moucos. Pra não ficar muito feio, o Cheida, o Veneri e a Rosane Ferreira, em 2007, fizeram uma audiência pública no plenarinho da assembléia, com todo o povo que vai perder suas terras e não serão indenizados, com os índios e entidades ambientalistas. A imprensa em geral cansou de receber releases e informações das entidades, mas poucas ou nenhumas linhas apareciam. Ainda bem que pelo menos agora o assunto está sendo abordado. Mas essa história de que a tal autorização legislativa está há 7 meses esperando e enrolada é coisa da carochinha. se há 7 meses o governo veio com essa de autorização cmo é que explica que o leilão já foi feito, as obras já inciaram e inclusive a energia que será produzida já está sendo vendida no mercado futuro???

  5. Vigilante do Portão Responder

    Não adianta, o Malucelli vai ter que morrer com a grana, caso contrário, nada feito. kkk

  6. O que prescreve a Constituição do Paraná ?

    Art. 209. Observada a legislação federal pertinente, a construção de centrais termoelétricas e hidrelétricas dependerá de projeto técnico de impacto ambiental e
    aprovação da Assembléia Legislativa; a de centrais termonucleares, desse projeto, dessa
    aprovação e de consulta plebiscitária.

    A questão é: como se faz esta aprovação pela Assembléia ? Aprovar implica um procedimento não só de análise do empreendimento, inclusive do estudo ambiental, mas de uma votação que manifeste a vontade expressa quanto a “aprovação” (não autorização) de sua construção. Aprovar é mais do que meramente autorizar.

  7. ronald@ronald.com.br Responder

    Por que vcs acham que o Sr. Malucelli demite todos os jornalistas da BandNews que criticam o governador ? Não acham que ele está pensando no dele $$$$, separando a parte do dirgente do executivo estadual ? Não sejam inocentes, porque nesta estória o mais incaulto já é milhonário.

Comente