Uncategorized

Líderes de partidos na Câmara usam cota de passagens aéreas para viajar ao exterior

Deputados brasileiros líderes de partidos também utilizaram sua cota de passagens aéreas para viajar ao exterior. Os lugares preferidos de metade dos 23 líderes parlamentares da Câmara também são os destinos dos sonhos de turistas brasileiros: Nova Iorque (Estados Unidos), Paris (França), Miami (Estados Unidos) e Buenos Aires (Argentina).

Em dois anos, foram 82 viagens ao exterior, quase sempre com suas famílias, e com tudo pago com a cota a que têm direito. O site Congresso em Foco destaca os campeões em viagens.


O líder do PP, Mário Negromonte (BA), também é o líder da lista. Foram 23 voos entre São Paulo e Nova Iorque. Bilhetes em nome dele, da mulher e das filhas. Por telefone, o deputado afirmou não ter feito nada ilegal, e que só pôde usar a cota porque economizou, fez “sacrifícios” durante o ano ao viajar, inclusive de madrugada, em trechos domésticos.

Em segundo lugar na lista, aparece o deputado Fernando Coruja (SC), líder do PPS. Ele emitiu 19 passagens internacionais, sendo oito para levar a família a Paris. Em nota, explicou que também fez economia ao optar por voos mais baratos ao longo do ano.

O líder do PMDB, Henrique Alves (RN), vem em terceiro lugar no ranking dos mais viajados. Por conta da Câmara dos Deputados, foram 13 passagens para Miami, Buenos Aires e Nova Iorque. Algumas para sua família. O deputado não foi encontrado para comentar a reportagem.

Lista

Na lista de 11 líderes que usaram a cota da Câmara para viajar ao exterior, também aparecem: José Sarney Filho (PV-MA), Ivan Valente (PSOL-SP), Sandro Mabel (PR-GO), Cléber Verde (PRB-MA), José Aníbal (PSDB-SP), André de Paula (DEM-PE), Daniel Almeida (PCdoB – BA) e Uldurico Pinto (PMN-BA).

Aproveitar a cota de passagens para viajar com a família não é ilegal. Pelas regras da Câmara, cada deputado pode usar as passagens do jeito que quiser. A prática é geral. Não importa se o partido é do governo ou da oposição. O Ministério Público, entretanto, já recomendou que as passagens sejam emitidas apenas em nome do parlamentar e para o estado onde ele foi eleito.

Os deputados Sarney Filho e José Aníbal disseram que vão reembolsar a Câmara se for confirmada alguma irregularidade. Sandro Mabel afirmou que não fez nada irregular. Ivan Valente diz ter viajado em atividade parlamentar e levado a ulher. Os outros deputados não foram encontrados.

8 Comentários

  1. Infelizmente lá consta o lider do PPS Fernado Coruja. Uma pena pois o parlamentar vinha se conduzindo tão bem. Parece-nos que uma praga chamada de “Vou te pegar” acomete todos os que chegam `Camara Federal ou ao Senado. Em lá chegando a praga toma conta do sujeito fazendo com que o mesmo fique fascinado pela farra com do dinheiro público. E, aí, passa a gastar e usufruir de tudo que pensa ter direito. É, coitado do Coruja pois já passa a ter em seu curriculo essa mancha. Logo êle que vinha tão bem. Na verdade para pregarmos moralidade devemos ser morais com nós mesmos. Não é verdade?

  2. Pedro Vigário Neto Responder

    – É ou não é a “casa da mãe Joana”. Mas não com o nosso dinheiro, que deveria ser aplicado na Saúde, Educação e Segurança para toda a população;
    – Estamos em 2009 e não há procedimentos claros para definir as regras do que pode e o que não pode. É uma coisa tão básica, mas o esquema é maquiavélico, justamente para favorecer os “nobres” senadores e deputados e suas esposas, filhos, sogras e amantes;
    – Agora, é que alguém está sugerindo que os bilhetes só podem ser emitidos em nome dos “nobres” senadores e deputados federais;,
    – Somente depois da pressão popular. É só assim que poderemos mudar alguma coisa na atual gestão;
    – Por favor dêem suas opiniões. Usem o link abaixo. Particiem. Ajudem o Brasil a se livrar desta quadrilha. É muito simples. Reclame por um País melhor :
    Senado Federal : http://www.senado.gov.br/sf/senado/centralderelacionamento/sepop/?page=alo_sugestoes&area=alosenado
    – Nas próximas eleições temos que substituir 100% dos atuais políticos. Vamos tentar acertar nossos votos, até acertarmos;
    – Do jeito que está dá nojo. Um pior que o outro. Tudo farinha do mesmo saco;
    – Tô de saco cheio;

    Abraço.

  3. Vigilante do Portão Responder

    Até agora os paranaenses passaram ao largo desse problemão. Será que nenhum dos nossos parlamentares aproveitou a farra das passagens aéreas?

  4. Pode ser pouco comparado com outros desvios financeiros e de conduta que existem no Brasil (e não somente no Brasil, vamos acrescentar). Tudo o que veem fazendo os congressistas no uso de suas cotas de passagem pode ser legal. Mas diante da moralidade e também do que é imposto ao povo em geral e a outros servidores públicos estas regras devem mudar. E para isso, os fatos veiculados na mídia devem servir como iscas para pressões dos eleitores junto a seus congressistas. Aqui cabe um comentário paralelo: a pressão da mídia sobre os congressistas é válida e, aparentemente, funciona, mas é mais importante e, aparentemente, não funciona, é a pressão dos eleitores sobre seus congressistas.

    Como diz o presidente da Câmara, o patrimonialismo é uma característica da política brasileira, e que estes desvios de comportamento são históricos, este é um comportamento da elite brasileira que ou tem patrimônio ou sabe como se apoderar do dos outros, e este mau comportamento é rapidamente assimilado por alguns congressistas assim que adentram o congresso.

    Se o problema é de gestão, que se use métodos modernos então. Se são alguns poucos maus congressistas que usam de forma errada seus créditos para o exercício do cargo, então se divulguem indicadores deste uso. Divulgando quantos deputados gastam corretamente e quanto são os gastos corretos em relação ao todo, fica fácil saber de quantos maus estamos falando. E, o principal, que os gastos corretos sejam associados ao princípio correto, que eu penso ser: as passagens aéreas devem ser usadas pelo deputado para se deslocar do DF para seu estado, quando não está em recesso, e ponto. E no exercício do cargo, é óbvio.

  5. CAPITANIAHEREDITÁRIA Responder

    O abuso foi generalizado fizeram do dinheiro uma festança em passeios, amigos, parentes, amantes….Isto demonstra claramente a necessidade de controles rigorosos, não se podem confiar em ninguém mais, muito menos nos políticos.

  6. a imprensa está preocupada em achincalhar o prefeito. parlamentar pode.
    tanto que os desmandos da câmara municipal passam ao largo, enquanto o senado e o congresso vão expondo, aos poucos, a sujeirada em baixo do tapete estendido no cerrado

Comente