Uncategorized

Poupança de mais de
R$ 50 mil vai pagar IR
a partir de 2010

mantegameirellesmarccasal

Como previsto, o governo buliu com a poupança. Decidiu cobrar Imposto de Renda das cadernetas com saldo de mais de R$ 50 mil. Vale para 2010. Reza a Constituição que imposto criado num ano só pode ser cobrado no ano seguinte.

Decidiu-se também reduzir o Imposto de Renda cobrado sobre os fundos de renda fixa. O governo alega que as providências são necessárias porque, sem elas, o BC não poderia conduzir a taxa de juros até o maravilhoso mundo do dígito único.

Se a Selic caísse abaixo de 9,5% (hoje está em 10,25%), a turma do dinheiro graúdo, protegida nos fundos, migraria para a poupança, coisa de trabalhador. O BC queria bulir na equação que dá proteção perpétua à caderneta: TR mais juros anuais de 6%. Tudo temperado à isenção de impostos.


A turma de Henrique Meirelles acha poupança com rendimento fixo é coisa do Brasil da inflação galopante. Não faria mais sentido. Lula, que não é bobo, sabe que a platéia só é respeitosa quando está diante de temas que não domina. E de poupança todo mundo entende. Vem daí que o presidente, às voltas com a necessidade de empinar a candidatura de Dilma Rousseff, preferiu rebarbar a solução do BC.

Foi-se, então, para a alternativa oferecida pela Fazenda. Embute uma feitiçaria que não passará despercebida. Preto no branco, deu-se o seguinte: empurrou-se o IR para um pedaço da clientela da poupança e serviu-se um refresco no IR da galera dos fundos. Para complicar, manteve-se a banca fora da encrenca.

Não se ouviu uma mísera palavra sobre as gordas taxas de administração que as casas bancárias cobram para gerir os fundos. Há no mercado taxas de até 4%. Para complicar um pouco mais, a solução do governo, por precária, é provisória. Tomada pelas previsões de Henrique Meirelles o problema voltará à mesa se e quando a taxa Selic chegar aos 7,5%. Tomada pela conveniência de Lula, a encrenca só volta à mesa depois de 2011, quando ele já não vai estar em Brasília.

Por ora, vai-se tourear a adversidade na base de lero-lero. O Planalto orientou os líderes de seu consórcio parlamentar a realçarem um número: 1%. É esse o percentual de poupadores alcançados pelo IR. Visto de outro modo: 99% da clientela da poupança não pagará nenhum tostão de imposto.

No mais, deve-se esquecer as supertaxas da banca e a proteção dada aos rentistas dos fundos. É uma gente que nunca perde. Mas essa é outra história, que só interessa à oposição.

8 Comentários

  1. Fabio:
    Mais do que falar sobre a poupança do brasileiro o bicho tá pegando lá no congresso sobre o tal Estatuto da Igualdade. Aquele que abre discussões sobre cotas, cotas e mais cotas para tudo e não para todos.
    Proponho então um post sobre o mesmo.
    Valeu.

  2. De ONDE sacaram esse coelho de que 50 mil é um valor a ser considerado? Até nisso copiaram descaradamente o plano Collor para justificar o assalto à renda do povo. Até mesmo o valor é mais ou menos o mesmo. Novamente a “equipe” do Lula copia. Ora, vão enganar outro trouxa!

  3. Nunca antes na história deste País…blá,blá,blá,blá…você com certeza já ouviu esta frase dida regularmente pelo nosso guia, vamos aos fatos:
    Primeiro: a política econômica adotada pelo governo Lula é a continuação da gestão anterior, sem mudar uma virgula, pelo contrário, nunca antes na história deste país se arrecadou tantos impostos, nosso governo é muito bom em arrecador impostos, mas é pésimo em investir estes mesmos impostos.
    Segundo: Os programas sociais que nosso guia diz ser criação dele foram criados também pela gestão anterior, acredito na inclusão social, mas não do jeito que esta sendo feita onde incentivamos famílias carentes a procriarem como coelhos em vez de se investir em educação, aliás o problema na educação como todos sabemos esta na base e não no ensino superior onde hoje vemos pessoas semi analfabetas cursando cursos como direito e medicina por causa do regime de cotas que para mim é o pior forma de preconceito que pode existir.
    Terceiro: nunca antes na história deste país se viu tanta roubalheira como se vê hoje por parte de nossos políticos.
    Quarto: agora essa, enfiar a mão na poupança dos trabalhadores, vergonha, igualzinho ao fernandinho.

  4. José Russomanno Responder

    Juros, imposto de renda, taxas , impostos, desvio de dinheiro público, preços elevados,desemprego, especulações financeiras , impunidade, conchavos, deslealdade, falta de fidelidade, interesses pessoais, licitações dirigidas, prevaricação, multas descabidas,leis elaboradas a coisa nenhuma…roubos…etc…etc..etc…!!!
    Até quando vai isso..?.Tá na hora de um basta nessa vergonha toda!!!

  5. Seus Ladrões , querem tirar o dinheiro do pobre coitado que esta poupando para realizar algun sonho. Vão tirar dinheiro do seus salarios. Ou do LULA que tem 3 APOSENTADORIA.

Comente