Uncategorized

Antes tarde do que nunca. Cartórios paranaenses terão que fazer concursos

De Roger Pereira, no Paraná Online

Mais de 15 anos depois, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou a anulação de 12 decretos judiciários de remoção e permuta em cartórios do Paraná, exigindo que os serventuários retornem às suas serventias de origem no prazo de 60 dias.

A medida, tomada na sessão da última do CNJ da última terça-feira, visa fazer cumprir a Constituição, que determina que todos os cargos em cartórios, mesmo que nos casos de remoção, sejam providos por concursos.

6 Comentários

  1. ora, serviços de cartórios são públicos, por que não divulga quais são os cartórios que terão concursos? Afinal, qualquer bacharel em direito poderá partcicipar. Publiucando a lista dos cartórios estará sendo feito um serviço de utilidade pública. medo de que afinal? Vai afinar? Vide princípio da publicidade!

  2. Vergonha.
    Em 15 anos eles deitaram e rolaram, se apodsentaram, compraram cartórios uns dos outros e fizeram festa com o dinheirto público.
    Está na hora de estatizar todos os cartórios do País, sem excessão, e minimizar ao maximo suas atividades.
    Uma ação de cobrança no civil, paga de custas no total, um mínimo de R$ uns 1.400,00 —

  3. Está tudo no site do Conselho Nacional de Justiça.
    http://www.cnj.jus.br/images/imprensa/voto%20antonio%20umberto%20cartrios%20pca%20200810000012731.pdf

    Os cartórios são de Registro de Imóveis de Terra Boa; o 1º registro de imóveis de Londrina; o Ofício do Registro de Imóveis da Comarca de Apucarana: e o Registro Civil de Pessoas Naturais acumulando precariamente o Serviço de Registro de Títulos e Documentos e de Pessoas Jurídicas da Comarca de Guairá.

  4. Capitanias hereditár Responder

    Se o CNJ fizer uma investigação profunida, completa, vai sobrar pouca gente viu. O que teve de mutreta para “dar” cartório para parentes e políticos não é brincadeira. A”tática” era a seguinte: o pai cartorario mandava o filho (geralmente playboy) “fazer um concurso”, que era fajuto, com cartas marcadas, para uma vaga em uma serventia lá nos cafundó do judas, que não rende nada de grana, que ninguém se interessa. Após “aprovado” o pai cartorário, quase se aposentando, ‘permutava” com o filho o cartório ruim pelo bom. ISSO FOI FEITO AOS MONTES. Se gritar pega ladrão não fica um meu irmão! CNJ URGENTE AQUI NO PARANÁ, VERGONHA NACIONAL! BASTA OLHAR OS SOBRENOMES!

  5. agora vcs acham mesmo q pessoas normais concursadas vao pegar essas vagas..hahah eu acho q vem mais mutreta por ai… nesse país a injustiça prevalece, nao tem acordo!

Comente