Uncategorized

“O PT é achincalhado toda hora, há dois anos”, protesta Veneri

Tadeu Veneri

Kátia Chagas na Gazeta do Povo

Ele é um “calo” dentro da Assembleia Legislativa e do próprio PT. Tadeu Veneri muitas vezes anda na contramão dos colegas, não se importando em comprar sozinho algumas brigas mesmo sabendo que a derrota é certa. Nadando contra a maré e adotando posições que arranham a imagem do Legislativo e expõem publicamente as deficiências do seu partido, o deputado estadual diz não se importar com a opinião dos colegas. Tanto que ele foi o único a votar contra a reeleição do presidente da Assembleia, Nelson Justus (DEM) e a cobrar uma posição oficial do PT contra a aposentadoria especial dos deputados, iniciou a briga pela divulgação da lista dos servidores da Casa e dos gastos dos deputados e insistiu, sem sucesso, para que uma emenda antinepotismo de sua autoria fosse aprovada.

Em entrevista à Gazeta do Povo, Veneri defendeu outras medidas para dar maior transparência ao Legislativo e se diz inconformado com a postura do PT, que tem tido uma “relação juvenil” com o governador Roberto Requião (PMDB). Por que suas posições não têm apoio nem dentro do seu próprio partido?

Nossa bancada e a direção do partido entraram no segundo mandato do Requião extremamente vacilantes. O partido indicou três secretários estaduais, o que é bom e natural, mas o fato de estar no governo não significa abrir mão das bandeiras que o PT sempre defendeu, inclusive para se eleger. Temos unidade na bancada para reconhecer que Requião tem ações positivas, mas a bancada deveria ter a mesma união para defender a carga horária de 30 horas semanais para os funcionários da Saúde, por exemplo. Todos os deputados do PT concordam que é necessário, mas não assinam para não contrariar o governador.

Outra briga que você encampou sozinho foi o combate ao nepotismo: não conseguiu as 18 assinaturas necessárias para criar uma lei estadual proibindo a contratação de parentes no serviço público. O que faltou?

Nunca consegui uma posição firme do partido e da bancada em relação ao nepotismo. Já pedi até o para o PT municipal entrar com uma ação no Ministério Público Estadual questionando o nepotismo praticado pelo prefeito Beto Richa (PSDB), que tem a mulher no seu gabinete. Mas, paralelo a isso, o partido também não discute a nomeação do Eduardo Requião (irmão do governador) em Brasília e da Maristela Requião (mulher do governador). Isso vai gerando uma fragilidade muito grande no PT porque no discurso faz afirmações e na prática fica sem direção.

Em que sentido?

Vou citar um caso recente. A bancada do PT não quis votar favoravelmente às emendas para conceder um reajuste maior ao funcionalismo com a lamentável desculpa de que foram apresentadas pela oposição. Acontece que elas eram as mesmas que tinham sido apresentadas pela própria bancada do PT. (Apenas Veneri e José Lemos votaram a favor). Essa saída tangenciada nos desautoriza a fazer críticas políticas. Hoje, quando fazemos críticas a medidas autoritárias do governo, como não cumprir o orçamento da Saúde, o partido é desautorizado a fazer o enfrentamento porque é um morde e assopra o tempo todo. O PT não precisa ficar com cargos no governo porque a cada dois passos é cobrado.

Que tipo de cobrança recai sobre o partido?

A direção do PT tem posição dúbia em relação a Requião. Parece mais uma relação juvenil entre pai e filho. O PT tem momentos de grita, mas não deixa de receber a mesada. O PT é o partido da presidência da República e está sendo achincalhado toda hora, há dois anos. Dizem que esse é o jeito de Requião, mas não é. O governador é inteligente e não sai fazendo crítica aberta, por exemplo, ao secretário de Fazenda, Heron Arzua, porque sabe que no dia seguinte ele pega a mala e vai embora. A direção do PT carece de firmeza em alguns momentos.

Em quais situações o partido poderia ser mais firme?

No caso do reajuste dos servidores públicos, por exemplo. Para a bancada, é muito ruim debater com o funcionalismo público e depois, na hora de votar, a coisa desandar. O PT também poderia ter feito uma luta a favor da licença-maternidade e não fez. E agora chega o projeto do governador na Assembleia, que é idêntico ao apresentado pelos petistas (a liderança do governo na Casa já avisou que o projeto que será colocado em votação é o apresentado por Requião). Esse varejo de entregar ônibus, quadra coberta, chaveirinho e pen drive não só incomoda o governador como torna quem depende disso um refém do governo. O PT está se desmoralizando diante do Requião. O episódio mais recente é gente do próprio governo defender que a secretária de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Lygia Pupatto (filiada ao PT), vá se explicar na Assembleia Legislativa sobre convênios da época em que ela era reitora da Universidade Estadual de Londrina. Onde está a parceria nesse processo?

E qual seria o melhor caminho para o PT nesse momento? Abandonar o governo?

O governador é candidato ao Senado e vai procurar o que for melhor para que sua candidatura seja vitoriosa. Mais de 70% da bancada do PMDB apoia escancaradamente a pré-candidatura do Beto Richa, que é do PSDB. O vice-governador só não é do PSDB porque os próprios tucanos impediram que o Hermas Brandão fosse eleito na chapa de Requião. O PT tem perdido a credibilidade. Membros do governo do estado saem por aí chamando o presidente Lula de atrasado, ignorante e incompetente e o partido fica calado.

Como deveria agir a direção do partido?

É preciso ter posições claras, saber se o governador quer ou não o apoio do PT. Se quer o, Romanelli (Luiz Cláudio, líder do governo na Assembleia) tem de fechar a boca porque sabemos que ele fala pelo governo. É preciso uma conversa definitiva. Se o governador não quer o nosso apoio, o PT deve pegar a mala e ir embora. O partido não tem de deixar de votar com o governo em projetos importantes para a sociedade, mas não precisa também ficar se amesquinhando e quase mendigando uma entrada no Canguiri (residência oficial do governador). Acho correto o Requião dizer que ninguém deve pedir nada, mas o que é obrigação republicana é preciso fazer. O governo não administra recursos próprios e sim dinheiro público. Se a cada semana continuarmos sendo desmoralizados, vamos perder nossa identidade, o que vai custar muito caro no processo eleitoral.

Longe de Requião, qual seria o melhor caminho para o PT?

Temos conversas com Osmar Dias e temos de procurar alianças com quem queira nosso apoio. Mas ainda acho que deveríamos caminhar pela candidatura própria, ainda que existam dificuldades, porque isso daria palanque para a Dilma (Rousseff, pré-candidata petista à Presidência da República). Só não podemos continuar sendo criticados a cada semana porque daqui a pouco não sei quem vai querer um aliado desqualificado.

Essa sua postura crítica dentro do partido e o isolamento para votar projetos polêmicos não causa desconforto ou retaliação?

Não me preocupo com isso. Se isso desagrada à maioria dos deputados, não posso fazer nada. Meu eleitorado não pede emprego, cadeira de rodas, dentadura, dinheiro pra festa. Só pede para eu ser coerente. É o eleitorado mais barato que existe porque tem opinião própria.

Vários projetos na Assembleia só tiveram o seu voto contra. Por quê?

Depende da situação. Fui o único a votar contra a reeleição do presidente Nelson Justus porque defendia um projeto para trazer a Assembleia para o século 20 – isso incluía painel eletrônico, TV Assembleia, relação dos funcionários, gastos dos gabinetes e da Mesa Diretora, um novo regimento interno e a divulgação em tempo real das licitações, contratações e exonerações dos servidores. Avançamos em muitos pontos, mas poderíamos ter avançado mais. Não temos diários oficiais para toda a sociedade, não circulam em bibliotecas nem estão na internet e isso fere a Constituição no que se refere à publicidade. Temos de regulamentar também que os vetos do governador sejam votados em 30 dias. Tem veto parado há dois anos na Casa. Um deles é ao meu projeto que cria regras para apresentação de projetos de iniciativa popular, plebiscito e referendo. No caso da aposentadoria especial dos deputados também fui contra porque considero ilegal fazer aporte de dinheiro público num fundo privado. Mas a Assembleia, com todos os seus erros, ainda é uma representação extremamente importante. Você pode acusar os deputados de todos os problemas, menos de ter ido para lá sem voto, todos foram eleitos. E muita gente sabe bem em quem está votando.

Muitos interpretam suas posições como uma estratégia para ganhar visibilidade na mídia. O que acha disso?

Uma vez um deputado do meu partido disse que eu faço muita coisa para aparecer. Eu respondi: faça também então. Suba lá na tribuna e discurse.

21 Comentários

  1. ISSO É APENAS ‘CENINHA’ DO DITO DEPUTAJDO – O PT FICOU NU COM O EPISODIO DO MENSALÃO, TANTO QUE
    O LULA QUERIA APENAS TERMINAR O
    PRIMEIRO MANDATO….

  2. Se na Assembléia tivesse 10 deputados no mesmo estilo e carater tudo seria diferente no Paraná, mas realmente ele é O ÚNICO !

  3. Não tem apoio dentro do seu próprio partido porque este – o PT – quando assumiu o comando do país esqueceu-se do discurso de quando era oposição. Agora é situação e como situação põe panos quentes, empurra com a barriga, leva em banho maria… Faz de tudo prá continuar usufruindo das benesses do poder, e daí gente como o deputado em questão ficam pregando no deserto, não são ouvidos porque prá eles “os comandantes do PT” é melhor assim. Prá que aprovar uma lei anti-nepotismo no Paraná, se prá eles é melhor assim? Prá que deixar a situação bem transparente se prá eles é melhor assim? Prá que evitar que a CPI da Petrobrás acabe em pizza se prá eles é melhor que ela não chegue a lugar nenhum?

  4. Se o PSDB não tivesse feito a palhaçada de não aprovar a coligação com o PMDB na eleição anterior hoje o nome para a disputa ao Palácio Iguacú serio Hermas Brandão, mas nada é por acaso, hoje Hermas é o homem forte do TC e Beto Richa se firma cada vez mais como o novo governado do Paraná.

  5. As criticas de Veneri são parcialmente corretas. Ele poderia se firmar como um lider dentro do PT e tentar tirar o partido da mão desses vendilhões em que se tornou o PT principalmente da ultima gestão. Pena que Veneri é tambem um oportunista, fala que é contra o NEPOTISMO mas votou pela indicação de Mauricio Requiao no TC. Passou da hora do PT CRIAR CORAGEM E MANDAR ESSE REQUEIJAO COMER CAPIM, pois é uma vergonha esse achincalhe publico que o partido vem sofrendo e ainda vem com essa historia de que “se o requiao quiser ele que diga que nao quer o apoio do PT”

    ORA BOLA TENHAM UM PINGO DE DIGINIDADE!

  6. Embora não acredite que as verdadeiras transformações sociais que o Paraná e o Brasil tanto necessitam venham a ocorrer pelo viciado sistema parlamentar burguês, mas sim pela organização do povo em busca da radicalização democrática, o meu voto a muito é do Tadeu!

  7. Chegou a hora PT Responder

    De mostrar quem é o verdadeiro PT – Entreguem os CARGOS e mandem esse NEPOTÃO lamber sabão.
    Participar de um governo LAMBÃO desses não é motivo de orgulho pra ninguem – pelo contrário – È UMA VERGONHA! – O PT sairá mais forte do que entrou – A HORA É AGORA – chega de ser achincalhado por arrudas & robanellis da vida…

  8. Mensalao Tucano Responder

    Esse pessoal que insiste em falar do MENSALAO – esquece do EDUARDO AZEREDO – conhecido senador como “O ninho da serpente” – Lavem a boca antes de falar – Vcs parecem mais com aquele grupo NEONAZISTA que foi desmantelado em Campina Grande do Sul….Vcs tem diarréia quando as pesquisas dão 80% de popularidade ao LULA –

  9. O tadeu tem sim o apoio do pt, dos petistas. Nas prévias para disputar a prefeitura, ele teve 45% sobre a gleisi hoffmann.
    O tadeu é o melhor deputado que temos!
    js

  10. Parabens ao deputado Tadeu Veneri, que diz coisas que muitos militantes temos vontade mais não temos espaço.
    Lembrando que alguns ainda querem em 2010 fazer uma aliança com Osmar Diaz e falam com se essa discussão fosse ponto pasivo dentro do partido,aviso que não e,pois muitos pensamos que a candidatura propia e o melhor neste momento ate para reconstruir, organizar e criar novas lideranças importantes para o estado e para o partido.
    Quanto a relação com o Governo de Estado faz tempo que o PT teria que ter entregado os cargos e passar a ter um relação de independencia dentro da ALEP, votando naquilo que e importante mais sobre tudo mantendo as bandeiras historicas do PT.

  11. SYLVIO SEBASTIANI Responder

    Estou preparando meu artigo para o jornal Impacto desta semana, o titulo será:”Deputado Tadeu Veneri, não tem mistura, é puro!” Eu, embora não ter pertencido ao PT, acompanho o deputado Tadeu Veneri, desde sua vereança em Curitiba e principalmente na qualidade de deputado estadual, é para mim o “ÚNICO” deputado.Vou provar em meu artigo.

  12. Luis gringo

    Pessoas como você, com as quais profundamente me identifico, possuem a memória do foi e o que queriamos que fosse e isto vai muito além do que está sendo feito nesta opereta comandada pelos parttidos que vendem a governabilidade.

    Nem ao menos as pequenas reformas pretendidas estão ocorrendo e vemos o país sendo indiretamente governado pelos que um dia combatiamos.

    A nível estadual a opereta bufa, se repete, embora o “tenor” eleve o tom do canto em alguns momentos, mas as práticas sãoas mesmas ao também sermos governados por representantes das oligarquias.

    Qual que é a diferença entre um Sarney, UM d

  13. Luis gringo

    Pessoas como você, com as quais profundamente me identifico, possuem a memória do foi e o que queríamos que fosse e isto vai muito além do que está sendo feito nesta opereta comandada pelos partidos que vendem a governabilidade.

    Nem ao menos as pequenas reformas pretendidas estão ocorrendo e vemos o país sendo indiretamente governado pelos que um dia combatíamos.

    A nível estadual a opereta bufa, se repete, embora o “tenor” eleve o tom do canto em alguns momentos, mas as práticas são as mesmas ao também sermos governados por representantes das oligarquias.

    Qual que é a diferença entre Sarney, Delfim Neto, Stephanes, entre tantas outras excrescências da ditadura hoje abrigadas no PMDB, que é o mesmo partido do Requião, com o Janene, o Greca, Belinati ou até mesmo um Paulo Bernardo ou o Osmar Dias?

    A briga ideológica acabou e somente restou o cheiro nauseabundo que emana da briga do poder pelo poder!

  14. El Gryngo del PY Responder

    Que isso – luis gringo e venerico dando lição de moral no PT – é sinal que a coisa ta muita feia mesmo….

  15. Veneri.

    O Requião só aceita um tipo de apoio ou parceria. O da vassalagem absoluta.

    O Requião não quer aliados ou parceiros que possam discordar dele.

    O Requião só aceita uma posição dos aliados ou companheiros. A subordinação completa com aceitação de tudo o que vier nos éditos do Reiquião.

    Vassalagem, é a ordem.

  16. Posso ser uma (eleitora) barata, deputado, mas você é o maior barato!!!! Mais uns dois Tadeus aquela Casa ia pegar fogo!”!!!!!!

Comente