Uncategorized

Sexo pesado na CBN

livro160609

* Por Eduardo Schneider

Jair Brugnago, vereador de União da Vitória, foi nesta terça-feira, 16, a Rádio CBN reclamar de um livro, distribuído pelo MEC, chamado “Amor à Brasileira”, destinado aos alunos do ensino médio.

A obra inclui texto de Dalton Trevisan que seria, segundo o vereador, pornográfico. O apresentador Eduardo Correia, que substituía o titular, José Wille, duvidou que houvesse pornografia em Dalton e desafiou o vereador a citá-la.

O vereador inquiriu se era mesmo permitido citar os tais trechos. O radialista disse que a CBN estava sempre aberta a literatura de Dalton Trevisan. O vereador não teve dúvida e citou:
– “Agora sua vadia, chupa o meu c…”, e, na seqüência: “vem aqui e agora chupa com força a minha b…”, e ainda: “enfia a língua no meu c…”

O constrangimento foi tão grande que chamaram os comerciais. O episódio foi hilário. Deve constar das antologias de episódios cômicos do rádio, com direito a ser citado nas faculdades de comunicação como um clássico.

25 Comentários

  1. Tive a oportunidade de ouvir a reportagem e sinceramente me deu pena da ingenuidade e da inexperiência do apresentador.
    O vereador, neste caso (e só nesse) não pode ser responsabilizado por ter falado as palavras de baixo calão, pois inquiriu o jornalista se realmente poderia dizer aquilo naquele horário e numa rádio…
    O pobre e infeliz ainda o incentivou alegando que Dalton Trevisan sempre seria liberado na CBN…Acho que o jovem apresentador não conhece todas as obras do grande “vampiro de curitiba”.
    Este texto faz parte de um livro específico de Dalton (Contos Eróticos) que ao meu ver, sem falso puritanismo, não deve ser algo a ser oferecido à crianças. Poderiam ter escolhido inúmeros outros deste nobre e grande autor.

  2. Tipico politico que não tem oque fazer, pornografia é so assistir novela….. vai ajudar o povo traia….

  3. Será que vão pôr na “Sucupira” de sexta-feira na CBN cujo o áudio não se entende quase nada?

  4. A partir deste episódio, o recruta EDUARDO CORREIA, insubstituto do José Wille, além de levar um bom puxão de orelha, vai ter que ler todas as obras do famoso e pornográfico escritor curitibano, o misterioso DALTON TREVISAN.

  5. Seria interessante o vereador saber,que a literatura é assim mesmo, traz nos livros coisas do cotidiano e do imaginário, ora as frases que foram reproduzidas na radio tem um impacto diferente de quando lemos em silencio.E as frases que ele se refere são bem menos impróprias e ofensivas do que as atitudes e comportamento de muitos vereadores.E com certeza as Obras do Dalton Trevisan são referencias positivas na formação cultural, ja o comportamento e a prática dos vereadores com algumas exceções não se pode dizer o mesmo.

  6. O vereador é um bocudo que aproveitou o espaço para aparecer. Desnecessária a livre interpretação com a sequencia de palavrões. Imagine o que ele não faz educando as criancinhas da escola em que é diretor?

  7. ISTO NOS FAZ LEMBRAR QUE O DETESTÁVEL POPULISMO NÃO ESTÁ SOMENTE NA POLÍTICA, MAS QUEM A ALIMENTA, A MÍDIA, NESTE CASO VEMOS QUE UM APRESENTADOR DE PROGRAMA DE RÁDIO, SUPOSTAMENTE JORNALISTA, DEVE TER APENAS ASSISTIDO A PEÇA ” O VAMPIRO E A POLAQUINHA” E JÁ SE ACHOU UM CRÍTICO LITERÁRIO, ODEIO ADMITIR, MAS O POLÍTICO DESTA VEZ DEU UM SOVA NO ARROGANTE “REPÓRTER”

  8. Olegario M Dias Responder

    Jorge Amado então….

    Retrospectiva do cinema alternativo Húngaro.
    Coisa muito chata de se ver, sonífero puro.
    Um brasileiro cansado do trabalho entra na sala de exibição, não demora um minuto e dorme de roncar. Um inglês, muito chato, cinéfilo mesmo, vái até o brazuca e o arcorda citando Shakespheare.
    – O SONO É O PRELÚDIO DA MORTE! SHAKESPHEARE.

    O brazuca, puto da cara, vira para o outro lado e continua a soneca.

    Volta o chato do inglês com a mesma ladainha.

    – O SONO É O PRELÚDIO DA MORTE! SHAKESPHEARE.

    Mais uma vez o brazuca se vira e volta a dormir.

    Mais uma vez o mala do súdito da rainha;

    – O SONO É O PRELÚDIO DA MORTE! SHAKESPHEARE.

    O brazuca perde a paciência e o sono mas dessa vez retruca:

    -VAI TOMAR NO CÚ! JORGE AMADO.

    E assim segue a literatura.

    Mas o caso do nobre edil esta mais para Fahrenheit 451 de Ray Bradbury. Aquele em que a polícia num futuro não muito preciso, sai por ai queimando livros alegando que os mesmos faz com que as pessoas pensem e conheçam o que não podem ver ou sentir.

    Mas uma pornografia mesmo a uma cidade de um pouco mais de 55.000 habitantes ser considerada a capital paranaense e (pasmem) catarinense do tráfico de drogas, e isso o edil não faz muita questão de combater.

    Salvem União da Vitória das drogas, não dos livros. Se acreditam que um livro é impróprio para um determinada faixa etária é só classificar, mudar de prateleira, era assim no meu tempo e no tempo de muita gente.

    Vale mais uma para esse vereador.

    O portuga flagra a mulher o traindo do sofá da sala e para que isso não mais aconteça, não tem dúvidas, vende o sofá.

    Tchau.

  9. rssss…. oportunista quem citou a obra e ingênuo quem o permitiu com os microfones abertos “no ar”…! Mas fiquei pensando : uma literatura deste ‘calibre’ está mais para a ESCOLINHA DO REQUIÃO do que para a Rede Pública de Ensino de nossos jovens / adolescentes. Governador, por que não adota as baixarias e pornografias do Trevisan como CARTILHA na sua Escolinha ? Baixaria por baixaria, ao menos o tempero do Trevisan é bem melhor… rsss !

  10. Que coisa, ninguém comenta a suspeita de abuso em uma creche de Curitiba. Talvez porque a meia dúzia de palavras “pornográficas” ditas pelo vereador choquem mais os puritanos. Se a sexualidade fosse melhor trabalhada nas escolas, talvez não tivéssemos tantos tarados e pedófilos por aí. Mas é querer demais, afinal, ainda há pais que ao serem questionados pelos filhos sobre sexo contam a história da cegonha.

  11. Ouvi a entrevista. Não sei qual dos dois, jornalista ou entrevistado, foi mais infeliz e despido da necessária percepção do que estavam fazendo naquele momento. Ainda que o jornalista tenha permitido o vereador entrevistado relatar quais os termos empregados no livro, este não devia tê-los enunciados. Não está aí a importância do tema discutido. Um foi incompetente, o outro inconveniente. Ambos despreparados para tratar com a midia. Será que estão preparados para exercer suas atividades profissionais ?

  12. Um infeliz deste deve envergonhar uma classe inteira de profissionais do jornalismo! Perdoem-me as raras (e mui competentes excessões), mas o jornalismo do Paraná está a anos luz daquilo que se vê nos demais Estados! Como é que se dá um microfone para uma sujeito desses? Quiz fazer-se de culto e literato, porém sequer deve conhecer um texto de Trevisan ou Amado!

  13. Pena que perdi essa!
    Esse último sábado à tarde eu ouvi um arroto na Band News!
    Em alto e bom som.
    O microfone tava aberto no intervalo!
    Sabe aquele arroto forçado?
    Que vem com vômito até, coisa de criança…
    Alguém mais ouviu?

  14. E o velho “especialista em generalidades”, o sabe-tudo-de-plantão; o comentarista-de-qualquer-assunto; o ultima-palavra-sempre, conhecido como Sr. Mazza, ainda tentou aliviar as palavras escritas pelo velho-tarado-escondido…
    Corporativismo ?

  15. Lingua de Krocodilo® Responder

    Estava ouvindo e estranhei a coragem do apresentador que “trucou” o vereador e este não teve duvidas, penetrou o ouvido do rapaz incauto.

    O jornalista deve ter lido somente os resumos de Dalton Trevisan e via google.

    Não tomando pau na escola média e nem na “faculdade”, ontem teve o castigo merecido, tomou bola nas costas.

  16. Em jornalismo não se pode ter medo das perguntas, nem das respostas. Parabéns ao repórter pela pergunta corajosa e parabéns ao vereador pela resposta certa. Como diz o ditado, “ficaram quites”.

  17. Leonardo Fender Responder

    O aprendiz de apresentador estava todo prosa conduzindo o programa…e aí veio a paulada!!! Mereceu por desconhecer a obra do nosso Vampiro. Um despreparado assim não pode ser comunicador. Ainda bem que o STF acabou com a obrigatoriedade do diploma para jornalistas. Assim não teremos que aturar estes ignorantes, que se acham aptos a “prestar serviços à sociedade” só porque estudaram em uma faculdade de quinta categoria. A PARTIR DE AGORA, JORNALISTAS SÓ POR VOCAÇÃO, E NÃO POR OPÇÃO…

  18. Indecência não é o sexo que rola em Curitiba descrito nas obras de Dalton. Indecência é o que promove as duas classes envolvidas no caso: políticos e emissoras de rádio e tevê, em conluio outros empresários, atropelando o povo e comandando o Brasil.

  19. Acho lamentável que em nosso país, pessoas considerem normal, gastarem nosso dinheiro de cidadãos, que pagam muitas taxas em impostos, em livros que servem para incentivar a decadência da moral de nossas crianças. Depois os jornais vão dar a notícia, “aumenta a criminalidade infantil, aumenta a pedofilia em nosso país, crianças são estupradas por seus responsáveis,…” É isso que o queremos?

Comente