Uncategorized

“Não há flexibilização do uso do Tamiflu”, garante ministro em Curitiba

ministro

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, descartou hoje a possibilidade levantada ontem pelo secretário estadual de Saúde, Gilberto Martin, de deixar mais flexível o tratamento da doença no Paraná, com a ampliação da oferta do medicamento Tamiflu para pessoas fora do grupo de risco.

“Não há flexibilização do uso de Tamiflu. Vamos seguir o protocolo em todo o país, que estabelece para que apenas os casos graves e pessoas do grupo de risco – crianças menores de cinco anos, idosos, gestantes, pessoas com doenças pré-existentes e pessoas imunodeprimidas – recebam o antiviral”, disse Temporão hoje durante visita em Curitiba.

Logo depois da declaração do ministro, o secretário disse que a imprensa interpretou mal suas declarações ontem, depois da reunião na Associação Médica. “Ontem houve uma confusão. Em nenhum momento dissemos que poderíamos ampliar o uso do Tamiflu. Vamos seguir o protocolo e prescrever o medicamento apenas para o grupo de risco e sob a orientação de um funcionário da Secretaria de Saúde”, disse há pouco o secretário.

Clique em Leia Mais e veja reportagem do Portal RPC/O Globo sobre as declarações dos ecretário Gilberto Martin sobre a flexibilização do uso do Tamiflu:

Paraná quer flexibilizar uso do Tamiflu em pacientes com sintomas de gripe A

Portal RPC, O Globo

CURITIBA – O governo estadual quer flexibilizar tratamento com o antiviral Tamiflu no Paraná. Em uma reunião nesta segunda-feira entre entidades médicas, o secretário estadual de Saúde, Gilberto Martin, e o Ministério Público (MP) foi decidido que será pedido ao Ministério da Saúde que o tratamento da doença seja ainda mais flexível no estado. O Ministério da Saúde (MS) orienta para que apenas os casos graves e pessoas do grupo de risco – crianças menores de cinco anos, idosos, gestantes, pessoas com doenças pré-existentes e pessoas imunodeprimidas – recebam o antiviral.

As associações médicas pediram que houvesse mais autonomia dos médicos para receitar o medicamento. As entidades médicas que participaram da reunião foram a Associação Médica do Paraná, o Conselho Regional de Medicina do Paraná, a Sociedade Paranaense de Infectologia, a Sociedade Paranaense de Pediatria e a Sociedade Paranaense de Pneumologia. Na semana passada, a Prefeitura de Foz do Iguaçu, no oeste do estado, decidiu que todos os pacientes com sintomas da nova gripe devem receber o antiviral na fase inicial – primeiras 48 horas – da doença.

Segundo o secretário, o entendimento é de que se procurará ter o máximo de flexibilização no atendimento aos pacientes com suspeita da nova gripe. A intenção é evitar o agravamento dos casos suspeitos.

– A preocupação é não esperar o agravamento do caso, para depois entrar com o medicamento. Temos que conseguir tratar o paciente avaliando o quadro clínico, com muito critério, e entrando com a medicação.

Segundo o secretário, foi e está sendo bastante discutido com as associações médicas quais serão os critérios clínicos para o diagnóstico.

O presidente da Associação Médica do Paraná (AMP), José Fernando Macedo, afirmou que a flexibilização da utilização do antiviral no Paraná será importante para que seja possível evitar que a doença evolua para casos mais graves, principalmente em pacientes jovens.

– A preocupação das entidades médicas é de que seja oferecida a medicação aos casos que há grande probabilidade da doença e forem diagnosticados clinicamente – disse.

No entanto, ele salientou que não haverá quebra do protocolo do MS por parte da Secretaria Estadual de Saúde. O presidente da AMP disse que precisa haver “jogo de cintura” no tratamento da nova gripe.

Já o presidente do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR), Miguel Hanna Sobrinho disse que houve avanços no tratamento da doença e que se for preciso, ainda se avançará mais.

– O objetivo é garantir o melhor tratamento aos pacientes do Paraná, e não apenas o mínimo – afirmou Hanna Sobrinho.

Martin disse que, em algumas situações o antiviral Tamiflu, já era dado no estado às pessoas que não eram necessariamente casos graves ou do grupo de risco.

– Já havia uma abertura para o repasse dos medicamentos para os casos em que havia manifestação clínica e poderia haver agravamento do caso – disse o secretário.

As associações médicas têm discutido os critérios do diagnóstico, para que os médicos tenham segurança para prescrever o remédio às pessoas – que realmente precisarem.

Martin disse também que não pode haver uma banalização da prescrição do remédio.

– Se o remédio for receitado indeterminadamente, poderá acabar porque ele não é infinito. E as pessoas que realmente precisarem não vão ter. Outro problema seria o risco da resistência do medicamento ao vírus.

18 Comentários

  1. MINISTRO TEIMOSO.

    A teimosia na não flexibilização do tamiflu, pode levar pacientes à morte, em face da velocidade da doença.

    Esse Ministro e o Governo Lula, podem ser acionados e responsabilizados por eventuais falecimentos, DECORRENTES DA DEMORA NA CAPTAÇÃO DO MATERIAL, BUSCA DO REAGENTE (

  2. MINISTRO TEIMOSO.

    A teimosia na não flexibilização do tamiflu, pode levar pacientes à morte, em face da velocidade da doença.

    Esse Ministro e o Governo Lula, podem ser acionados na Justiça, e responsabilizados por eventuais falecimentos, DECORRENTES DA DEMORA NA CAPTAÇÃO DO MATERIAL, BUSCA DO REAGENTE (parece que falta), DEMORA NO RESULTADO DO EXAME DO MATERIAL, E DEMORA NA AUTORIZAÇÃO DE ENTREGA DO TAMIFLU AO PACIENTE.

    Somando-se estas DEMORAS, O PACIENTE PODE FALECER, E SE ISTO ACONTECER, SÓ RESTARÁ O CAMINHO DA JUSTIÇA, RESPONSABILIZANDO O TEIMOSO DO “TEMPORÃO”.

  3. A teimosia à custa da vida alheia… bom, mas as autoridades podem dormir tranqüilas, pois, certamente, tem seu tamiflu garantido em baixo do travesseiro…. vão ser necessários muitos cadáveres empilhados para mudar a mentalidade dessa gente…

  4. Bando de irresponsáveis.

    Não se prontificam, sequer, a pesquisar artigos de origem internacional (de jornais médicos renomados) que apontam resistência ao remédio em pessoas que jamais passaram perto de tomar o remédio.

    Eu posso afirmar que esses artigos existem (são americanos e são de estudos realizados entre 2007 e 2009, nos EUA) e apontam:

    1. Inexistência de relação entre o uso anterior de TAMIFLU e a tolerância em pacientes portadores da nova gripe (pessoas apresentam a tolerância sem, sequer, tomar o medicamento);

    2. O vírus já alterou, desde 2007, 27% da sua composição, o que torna a vacina, potencialmente, sem eficácia plena.

    Em suma: falta de estudo, cambada. Nesse argumento, ponto positivo para a liberação do remédio.

    Abraços.

  5. A POSTURA DO MINISTRO ESTA CORRETA ,EMBASADA

    EM FUNDAMENTOS CLÍNICOS E CIENTÍFICOS´EMITIDOS

    PELOS INFECTOLOGISTAS RESPONSAVEIS E PELAS

    AUTORIDADES SANITÁRIAS .

    DISSE NÃO A SANTA HISTERIA PORCINA CURITIBANA !

  6. É o resultado de Um ministro nomeado por um chefe do executivo analfabeto ou muito perto disso impera a INCOMPETÊNCIA.

    Eles retiraram do mercado o TAMIFLU. As farmácias que o comprem novamente, não vi a proíbição da compra.

    Tiraram-no, comprando-o sabe Deus a que preço e para que, já que nos lugares onde dizem que devia ter está para chegar faz um mês, deve ter sido despachado de Brasilia em “TartarugaEX” o sedex10 do temporão destemperado. As medidas desses caras, são uma gozação e um total desrespeito ao ser humano. além de que não teem a mínima noção de que o que estão lidando.

    Mas por falar em artigos e em pessoas competentes, olhem só o que uma autoridade real(porque o temporão é “OTORIDADE”) em saúde escreveu:

    DRAUZIO VARELLA

    A gripe que não tem fim

    Estamos vivendo uma era de pandemias que se iniciou em 1918, com a gripe espanhola

    O VÍRUS H1N1 causador da gripe atual anda à espreita da humanidade há mais de 90 anos. Estamos vivendo uma era de pandemias que se iniciou em 1918, com a gripe espanhola. Naquele ano surgiu um novo vírus -mais tarde classificado como H1N1- com seus oito genes arranjados num formato que o sistema imunológico humano desconhecia. Pagamos caro pelo desconhecimento: 40 a 50 milhões de casos fatais.
    É quase certo que esse vírus tenha se originado nas aves e migrado para a espécie humana, quando o acaso agrupou seus oito genes num arranjo tal que a estrutura resultante adquiriu a capacidade de transmitir-se de uma pessoa para outra.
    À medida que a gripe espanhola se disseminava pelo mundo, trabalhadores rurais transmitiram o vírus para os porcos. Desde então, os H1N1 das gripes suína e humana têm sofrido mutações, arranjos e rearranjos de seus genes, que lhes permitiram sobreviver aos ataques do sistema imunológico de seus hospedeiros, sejam porcos ou humanos.
    Como na natureza o vírus influenza A não infecta apenas porcos e homens, mas principalmente as aves, as possibilidades de novas mutações e de arranjos genéticos se ampliam de maneira descomunal, em virtude das dimensões do reservatório mundial representado pelas aves domésticas e selvagens.
    Acostumados a atacar as mucosas que revestem o trato digestivo de milhares de espécies de aves, algumas das quais infectadas ao mesmo tempo por diferentes vírus influenza que trocam fragmentos genéticos uns com os outros, é inevitável que surjam partículas virais com habilidade para sobreviver em hospedeiros de outras espécies.
    Em 1947, a vacina contra a gripe sazonal daquele ano não protegeu contra a doença. A ausência de atividade ocorreu porque o H1N1 que se disseminou depois da Segunda Guerra apresentava variações em sua estrutura molecular que o tornavam muito diverso dos que circularam antes da guerra.
    Como por encanto, o influenza A (H1N1) desapareceu do reservatório humano, em 1957. Foi desalojado por um vírus resultante da recombinação de cinco genes do mesmo H1N1 da linhagem de 1918, com outros três genes de origem aviária. As partículas virais resultantes, batizadas de H2N2, provocaram a pandemia de gripe asiática, causadora de cerca de 1,5 milhão de mortes.
    Em 1968, novas combinações genéticas deram origem ao H3N2, responsável pela terceira pandemia do século 20: a gripe Hong Kong, que provocou quase 1 milhão de óbitos.
    O H1N1 ressurgiu das cinzas apenas em novembro de 1977, causando epidemias de gripe de pouca gravidade na antiga União Soviética, em Hong Kong e no nordeste da China. Do ponto de vista genético, o vírus guardava relação com o H1N1 que causou gripes sazonais em 1950.
    Os virologistas admitem que essa reemergência aconteceu graças à liberação acidental de uma amostra do vírus H1N1 isolado na Escandinávia em 1950, e armazenado em laboratório. Está demonstrado que vírus influenza A (H1N1) circulam entre porcos norte-americanos desde os anos 1930, mas não haviam sido isolados em suínos europeus até 1976, quando chegou à Itália um carregamento de porcos americanos.
    Em seguida, patos selvagens introduziram entre os porcos europeus um novo vírus H1N1. Em 1979, apenas três anos depois da importação, a nova cepa de origem aviária se tornou predominante na Europa. Acontecimentos semelhantes ocorreram na China.
    Em 1998, foi identificado pela primeira vez em porcos norte-americanos um novo H1N1, com genes resultantes de um triplo arranjo genético: cinco fragmentos de seus genes vinham da gripe suína norte-americana clássica, dois da gripe das aves e um da gripe humana. Entre 2005 e 2009, sugiram pelo menos 11 casos de gripe causada por esse vírus; quase todos entre pessoas que tiveram contato direto com porcos.
    Em abril de 2009, no final da estação de gripe sazonal do hemisfério Norte, apareceram os primeiros casos da pandemia de H1N1 que agora chega ao Brasil. O agente é resultante de um rearranjo que envolveu seis genes do vírus suíno de 1998 (formado pelo triplo arranjo genético porcos, aves e humanos) e dois genes de vírus suíno originados na Eurásia. É a quarta geração de descendentes do vírus que causou a gripe espanhola. Felizmente, muito menos agressivo do que seus ancestrais.

  7. Ministro fdp e desinformado como toda a turma do LULA!!!!!! como dizer que existe uma “norma” na distribuição do Tamiflu – que deve ser igual em todo país?!! Por um acaso tem registro da gripe no Ceará / Norte – Nordeste … enfim como dizer que a distribuição será igual se é no zul que o Virus está alastrado. É no Paraná que não para de morrer gente…. Precisamos do remédio, e um dia depois da Associação Médica conseguir sensibilizar o Secretário de Estado da Saúde, vem este Ministro do PT e fala uma barbaridade desta!!!!!!!!!! Distribuição igual só pra situações iguais Sr. Ministro de Merda!!!

  8. Cap. Nascimento Responder

    As “otoridades” da saúde pública brasileira estão totalmente perdidas.
    O nepotão de mello e silva tem certeza que o vírus foi inventado pela indústria farmaceutica imperialista multinacional para nos enfiar guela abaixo as suas pílulas e lucrar muito com isto. Se a gripe fosse equina, certamente ele estaria esbravejando com o ministro temporão (o raspa de tacho) e mandando ele enfiar o tamiflu no rabo.
    Enquanto isto, nós, sem o tamiflu, estamos fu!
    Ei reiquejão, vai embora cara.

  9. Concordo com os colegas. Esta pandemia deve ser encarada com seriedade e responsabilidade. Não é só uma marolinha como já disse nosso ilustre PTresidente, está aí é real, gente está morrendo, gente de verdade como a gente não é novela nem video-game, e uma coisa o número de casos é muito maior, mas como todas as estatísticas são subordinadas a Fiocruz, por ser uma pandemia os dados vão para OMS e para isso devem ir antes para a Fiocruz (órgão credenciado pela OMS no Brasil) confirmados e reconfirmados aí temos o atraso dos números. Números exatos não sei e com certeza nunca saberemos, mas usemos os bordões da década de 70 “O povo unido jamais será vencido”, unam-se brasileiros, porque se apertar os P…, D… e demais siglas com certeza eles peidam.

  10. VÁ CORTAR O CABELO E CRIAR VERGINHA NA CARA MINISTROZINHO…….
    FOSSE O SERRA E SERIA DIFERENTE.

  11. Este pusilânime petista deveria estar é preso por colocar a saúde pública em risco. Onde estão os promotores públicos? Onde está o Ministério Público? Só prendem pobres e gente de cor é? A bula do Tamiflu é clara na sua posologia: “O tratamento deve ser iniciado nas primeiras 48 horas após o início dos sintomas”. Acham vocês que existe alguma restrição ao Tamiflu nos EUA, nos países civilizados da Europa? Claro que não! A bandalheira patrocinada pelo desgoverno federal é tanta que não sobrou dinheiro para comprar o antiviral Tamiflu para atender a saúde pública. Desculpa esfarrapada esta da “resistência”. Cidadãos de bem: É lógico que a situação descambou! Estes cretinos não debelam nem dengue quem dirá febre suína!

  12. Eu acho um absurdo os agentes de saúde,enfermeiras e outros profissionais de saúde não estarem devidamente equipados para atender os pacientes .Por todas as informacoes que tenho não tem a máscara apropriada para usar. E as pessoas que também querem comprar, não tem no Parana em nemhum lugar para comprar.Desta maneira as pessoas estão realmente impotentes diante desta crise. Acho que as aulas devem ser adiadas por mais 2semanas.A minha indignacao e imensa diante de tudo que está acontecendo.

  13. Esse ministro é um canalha genocida. Sonhou em exterminar a população mesmo antes de nascer com sua defesa enlouquecida pelo aborto! Como se não bastasse agora quer exterminar os que estão vivos com esse racionamento de tamiflu. Esse é seguidor da escola nazista de extermínio em massa.
    Não sei como a população aceita um cara desses. Deveria ser enviado para Tuvalu!!!

  14. manilce dos santos Responder

    acho que ele e um louco todas as pessoas que estao com os sintomas deveriam receber o medicamento ou vai besperar morrer primeiro cade o requiao para peitar esse homem

  15. manilce dos santos Responder

    acho que ele e um louco todas as pessoas que estao com os sintomas deveriam receber o medicamento ou vai esperar morrer primeiro cade o requiao para peitar esse homem

  16. que VERGONHA ESSE MINIISTRO DO CAO , QUE ELE TA PENSANDO ? EU MORO EM CURITBA AQUI A SITUAÇAO ESTA CRITICA FALTA O TAMIFLU , QUE MINISTRO IMBECIL O REMEDIO TEM QUE SER DADO NAS 48 HORAS , SE FOSSE CONFIRMADA A GRIPE E JA DESSE O MEDICAMENTO NAO MORRERIA NINGUEM , AGORA O IDIOTA QUER QUE SE AGRAVE O QUADRO PRA TOMAR O REMEDIO QUE IMBECIL SO BRASIL MESMO QUE VEXAME QUE BURRICE APOSTO QUE SE ELE TIVER GRIPE VAI TOMAR O TAMIFLU NA HORA NNE SEU MINISTRO DO CACETE

  17. Eu acho que o melhor e nós nao ficarmos esperando que esse governo falho cuide da popuação, Temos que ter o direito de comprar o medicamento nas farmacias, e mais seguro pelo menos pra quem pode pagar por ele. Odeio esses politicos ingnorantes e corruptos que temos em nosso pais.

Comente