Uncategorized

Gleisi em Brasília, pelas donas de casa

ministro_previdencia2

Gleisi Hoffmann esteve em Brasília com a ex-deputada federal e presidente de PT de Santa Catarina, Luci Choinaki, a vereadora de Ponta Grossa Ana Maria Holleben (PT), a coordenadora do coletivo de mulheres do PT Paraná Antonia Passos de Araújo e a vice-prefeita de Maria Helena, Elza Rocha de Assumpção (PT) para uma audiência com o ministro da Previdência Social, José Pimentel (foto).

A reunião durou cerca de duas horas, mas Gleisi conseguiu o que pretendia, Arrancou do ministro promessa de melhorias nas leis que tratam da aposentadoria das donas de casa. Pimentel assumiu compromisso com o grupo de agilizar a aposentadoria para as mulheres cuja renda familiar não ultrapasse dois salários mínimos.

José Pimentel relatou que hoje, uma boa parcela das donas de casa já está contemplada pela proteção previdenciária. Um exemplo disso é a Lei Complementar nº 123/2006 que institui o Plano Simplificado de Inclusão Previdenciária. Por essa Lei, as donas de casa podem contribuir com a metade da contribuição normal da Previdência, cerca de R$ 50, por 15 anos ficando com o direito de se aposentar a partir dos 60 anos de idade com a remuneração de um salário mínimo.

Para Gleisi Hoffmann, presidente do PT Paraná é preciso fazer uma grande campanha de comunicação para informar as mulheres desse avanço. “Aquelas que já têm 45 anos e possuem uma condição financeira devem aderir ao plano e garantir sua aposentadoria”, disse.

Além da aposentadoria, as mulheres que começarem a contribuir pela Lei Complementar 123, no primeiro ano de contribuição já adquirem o direito ao auxílio doença, licença maternidade, aposentadoria por invalidez. No caso de morte, mesmo antes de um ano, seus dependentes ficam com direito à pensão.

Outro avanço mostrado pelo ministro José Pimentel é o auxílio que atinge as mulheres cuja renda familiar não ultrapassa um quarto do salário mínimo. São mulheres extremamente pobres que podem se aposentar pela Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) aos 65 anos de idade.

“O desafio agora é atingir as mulheres que não se encaixam em nenhum desses requisitos, ou seja, não são tão pobres, mas também não conseguem pagar, porque isso comprometeria a renda da família. São aquelas mulheres cuja renda familiar não ultrapassa dois salários mínimos”, declarou Gleisi.

Para esse grupo de mulheres a proposta levada pelas participantes da audiência foi de que a lei faculte a aposentadoria aos 60 anos independente de contribuição e que essas mulheres possam pagar a previdência a partir de sua aposentadoria pelo tempo que for necessário. Isso garante que um número grande de mulheres tenha acesso à Previdência.

O ministro da Previdência achou a ideia interessante mas para o encaminhamento salientou que a proposta precisa ser articulada com o Congresso Nacional, pois precisa de um projeto de Lei. A senadora Ideli Salvati (PT/SC) presente na reunião, deverá ser a parlamentar que encaminhará a proposta em nome das mulheres do Paraná e de Santa Catarina.

“A luta precisa continuar. Tenho certeza que vamos avançar porque este é o primeiro passo para a valorização econômica do trabalho doméstico”, comentou a presidente do PT do Paraná. “Lavar, passar, cozinhar e cuidar da casa custa às mulheres e é um grande benefício para a sociedade”, finalizou Gleisi.

10 Comentários

  1. Politicagem pura!

    Dona Gleise:

    Espero que você tenha a capacidade de desenvolver políticas públicas sérias e voltadas para o povo do Paraná, não se venda aos interesses escusos, nem tão pouco deixe seu marido a influenciar em suas decisões.

    Acredito em você, mas não acredito em sua capacidade em não se envolver nas sacanagens da política brasileira.

    Acompanharemos de perto sua jornada.

  2. Veja esta notícia =

    Deputado acusa TV Bandeirantes de antijornalismo e má-fé

    O deputado Dr. Rosinha (PT-PR), presidente da Frente Parlamentar da Terra no Congresso Nacional, afirmou, nesta quinta-feira (24) que o Grupo Bandeirantes de Comunicação pratica “antijornalismo” e atua com uma “má-fé golpista” contra o presidente Lula e contra o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

    Para Dr. Rosinha, a posição da família Saad, dona do grupo Bandeirantes e de 16 fazendas com 4,5 mil hectares em São Paulo, é “um exemplo nefasto de antijornalismo e de uso indevido de uma concessão pública para atender a interesses pessoais, privados”.

    A declaração do parlamentar petista se refere à cobertura do grupo – controlador das redes Band de televisão e BandNews de rádio, entre outros veículos – a respeito da atualização dos índices de produtividade da terra para efeito de reforma agrária. Em seu telejornal da última quarta-feira (23), no horário nobre, a emissora divulgou um “editorial” que diz que Lula não age como presidente, mas como líder de um bando de militantes que muitas vezes atuam como criminosos.

    Lido pelo âncora Joelmir Betting, o texto ainda questiona se a atualização dos índices de produtividade seria uma “ação premeditada do presidente para dividir o país”. Ao que o parlamentar responde: “Esse editorial, somado à cobertura distorcida feita sobre o assunto pelos veículos do grupo nas últimas semanas, deixa qualquer cidadão horrorizado. Todo telespectador da Band ou ouvinte da BandNews, com alguma informação prévia sobre o tema, logo nota a falta de pluralidade e o ponto de vista enviesado, distorcido. O grupo Bandeirantes acoberta o latifúndio improdutivo e a especulação“, diz.

    Previsto em lei, os índices de produtividade determinam se uma fazenda é ou não improdutiva. Os atuais índices que definem a produtividade das terras foram fixados com base no censo agropecuário de 1975, a mais de 30 anos. Estão defasados porque não levam em conta os avanços tecnológicos da agricultura. Essa defasagem facilita aos fazendeiros alcançar os indicadores mínimos e evitar desapropriações.

    Fonte: Informes PT

  3. Vigilante do Portão Responder

    Nada como a proximidade da campanha eleitoral, todos querem distribuir benesses, de preferência com o dinheiro alheio.
    É o caso da “Greici” quer aposentar as donas de casa e pendurar a conta na falida Previdência Social. É possível que o governo aceite dar o benefício, desde que seja criado um novo imposto para custear as despesas.
    Outra saída seria dar o benefício apenas para as donas de casa que contribuirem para a Previdência.

  4. ALGO ERRADO.

    Pelo que sei o INSS já aceita a inscrição como contribuinte da dona de casa na categira de AUTÕNOMA, E ISSO É ESTENDIDO A QUALQUER OUTRA PROFISSÃO, COMO CABELEIREIRA, MANICURE ETC.

    Se já existe esta possibilidade , o que ela pretende fazer ?

    Algo que já existe ? Porque ?

    Por motivo político ?

    Vai chover no molhado ?

  5. MARIO GARCIA.

    Impor tabela de produtividade, sem uma discussão DEMOCRÁTICA, QUE LEVE EM CONSIDERAÇÃO OS REGIONALISMO DO PAÍS, COM TODOS OS INETERESSADOS, MST, PRODUORES RURAIS, GOVERNOS, ETC. ETC. E;

    D I T A D U R A .

    SÓ ISSO, PURA E SIMPLES, DITADURA.

    E FAZER POR UMA PORTARIA ?

    PODIAM FAZER POR UM = AVISO SECRETO = COMO O SENADO TEM FEITO AO LONGO DE ANOS E ANOS.
    ASSIM NINGUÉM FICA SABENDO, SÓ O MST.

  6. Mario Garcia, é de Lênin: “Acuse os outros daquilo que você é ou faz”.
    Eles agora estão nessa… não viu o caso de Honduras, golpista para eles são os que querem defender a Constituição! é uma gentalha!

  7. A loirisse dessa Gleisi é assustadora, agora não existe mais Congresso, questões previdenciária são resolvidas na base do lobby com o Ministro e por aí vai…

    A única coisa que ficou evidente é a total inutilidade da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres – SPM. Tem que extinguir esta tralha, para que esta estrutura:

    Estrutura da SPM
    Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres

    Gabinete da Ministra
    Chefia de Gabinete
    Assessoria Especial
    Assessoria
    Ouvidoria
    Conselho Nacional dos Direitos da Mulher

    Secretaria Adjunta
    Assessoria

    Subsecretaria de Articulação Institucional
    Assessoria

    Subsecretaria de Execução de Programas e Ações Temáticas
    Assessoria

    Subsecretaria de Planejamento, Monitoração e Avaliação
    Assessoria

  8. Estou muito feliz em saber que tudo ocorre bem para as dona de casa se aposentarem , pois sou a favor as dona de casa ficar pagando a previdencia depois de aposentada , e que ja venha descontado o pagamento da previdencia quando a pessoa for receber o dinheiro, Se Deus quiser isso vai acontecer urgente pois é triste vc querer comprar um alimento e não ter o dinheiro , só sabe quem passa por essa situaçãoSei que Deus é maravilhoso, e vai fazer isso acontecer ,Deus te abençoe…

  9. Desculpa esqueci de dizer que eu paguei a previdencia 5 anos , mas não tive mais condições de continuar pagando , pois não trabalho. tenho 61 anos , vou completar 62 anos em maio proximo, fica com DEUS.

Comente