Uncategorized

Veneri, o candidato à presidência do PT contra a submissão ao PMDB

nepotismo073721

Tadeu Veneri é candidato à presidência do diretório estadual do PT. Suas idéias todos conhecem. É um crítico ácido da linha política que reduziu o partido à condição de organismo auxiliar de Requião e seu PMDB populista.

Veneri propõe a restauração do PT. Briga para recuperar sua autonomia e independência. O partido naufragou ao confundir a aliança com Requião com uma atitude que castrou suas iniciativas e mandou pelo ralo tudo o que o PT acumulou em anos de lutas sociais e políticas no Paraná.

Os adesistas de Requião, muitos confortavelmente instalados em cargos do governo estadual, torcem o nariz para Veneri e defendem com unhas e dentes a política de submissão para receber em troca benesses e prebendas. Veneri representa um grito de dignidade dentro do PT, mas tem poucas chances de vencer a maioria contaminada pelo vírus dos acertos de negócios que mais favorecem os beneficiários do que ao partido.

Leia o manifesto de Tadeu Veneri no Leia Mais.

Estamos apresentando a nossa candidatura à presidência estadual com o apoio de grupos e militantes que querem reposicionar o PT na perspectiva de um partido que busca a transformação da sociedade. E que, nos últimos anos, foi se afastando desse eixo à medida em que a busca por resultados eleitorais se sobrepuseram a princípios e à luta por mudanças estruturais em nosso país. Deixamos de lado a ousadia de um partido que surgiu do combate às velhas estruturas estabelecidas de poder para, em alguns momentos, nos juntarmos a elas. Em outras ocasiões, abandonamos as propostas inovadoras para, em nome de alguns votos a mais, contribuirmos para dar sobrevida a personagens e projetos que estavam em vias de extinção e que sempre representaram tudo o que nós abominamos. Esses caminhos e descaminhos foram fruto de uma leitura da direção estadual, que fez suas opções e tem que enfrentar as responsabilidades pelos danos causados ao partido.

A democracia interna, que o nosso grupo defende, é um antídoto contra esses erros que invertem nossa imagem junto à população. Entendemos que as conquistas eleitorais são importantes, mas não a qualquer custo, não sacrificando princípios e sufocando divergências. Nosso motor deve continuar sendo o envolvimento e a participação nas lutas sociais, que visam as transformações a longo prazo, as mudanças estruturais que pregamos quando nasceu o PT. O envolvimento nestas lutas não se pode dar de maneira individual ou informal, como assistimos em embates históricos no estado, como a campanha contra a prática do nepotismo, em que o partido se comportou timidamente como se tudo não passasse de um capricho de um mandato de deputado estadual e de outros setores que encamparam essa proposta. Temos que nos perguntar onde está o PT e sua direção nas lutas por reforma agrária e nas sofridas tentativas de debater uma reforma urbana em nossas cidades. Que lugar o nosso partido ocupa nesses enfrentamentos? Certamente, não estamos mais na linha de frente.

Temos que ter a coragem de falar sobre esses e outros instantes em que nos retiramos do campo de batalha para não ferir suscetibilidades de alguns aliados e camadas da sociedade. Entramos no governo estadual sem um programa nosso. Mas fizemos um esforço para se integrar a esse governo, deixando-nos conduzir de forma cordata e mansa, quase obediente, pelo projeto do PMDB, sem coragem de expor a nossa proposta.

Nas eleições municipais, em 2008, a direção estadual selecionou as maiores cidades e destinou a elas os nossos recursos, riscando do mapa da campanha as pequenas cidades. O resultado todo mundo conhece. Essa estratégia traduziu as concepções desta direção, que persegue resultados imediatos com campanhas caras e personalistas, onde não há lugar para a militância.

Temos que fazer esse debate agora. É necessário, inevitável, para que se revelem todas as posições que convivem no partido. Estamos, novamente, em meio a uma discussão sobre como participaremos da campanha eleitoral do próximo ano. Teremos que fazer escolhas. Nosso grupo decidiu pela candidatura própria ao governo. É preciso reencontrar a coragem de ir para uma campanha com as nossas propostas, os nossos projetos e os nossos militantes. E mostrar que temos um lado e qual é este lado. Precisamos de uma nova direção com capacidade de redefinir nosso papel e retomar nossas relações com os movimentos sociais.

17 Comentários

  1. Tadeu tem todas as chances de vencer. Lembra na última eleição, em que a ala majoritária previa ganhar com 80% dos votos? Tadeu lavou a alma…O pouco de militância que sobrou neste partido vai arregaçar as mangas e trabalhar por ele.

  2. Tadeu Veneri foi um grande vereador de Curitiba, mas Curitiba era o tamanho de sua capacidade de representação. Enquanto, representava interesses de servidores municipais e os votos destes, eram suficientes para sua reeleição tudo foi tranquilo. Quando passou a deputado estadual, a coisa começou a complicar. Tadeu ficou diante de duas opções. Ou fazia política responsável, assumindo riscos de erros e acertos ao representar interesses mais complexos da sociedade (agradar uns é desagradar outros), ou fazia a política do contra, a garantia uma militância xiita, capaz de captar votos no varejo. Tadeu fez a segunda opção. Esta opção lhe permite a cara pública de santo, desde que não venha a tona seus acordos no interior do partico, como se aliar a Garcez para disputar a indicação a prefeito com a Gleisi, ou mesmo se aliar ao Jacaré (militante que ele tanto condenou nos bancários). Mas na disputa interna, voto de cabresto também é voto. De qualquer forma sua imagem de puro permanece, mas isso limita seus votos a aquilo que já possui, sem grandes possibilidades de ampliar. Tadeu poderá se eleger deputado estadual de novo. Mas nunca será mais que deputado estadual. Para alçar vôos mais altos, ele teria que se comprometer realmente com algum projeto, mesmo que tivesse que carregar algum ônus. Mas fazer o papel de puro e vítima é mais o perfil do Tadeu. Uma pena, porque poderia ter sido um grande político paranaense. Não trocar o certo pelo duvidoso, é a prática dos covardes. Tadeu nunca será deputado federal, senador ou qualquer coisa maior, pois falta-lhe coragem para correr o risco de perder o mandato.

  3. Tadeu é mais uma piada daquele circo chamado Assembléia Legislativa.
    Considero o Mauricio Requião o mais competente da família.
    Mas vale uma pergunta ao Veneri:
    PQ então voce votou a favor no caso do nepotismo para TCE?
    Era Pau mandado na época?
    Vc está igual ao Rossoni: Só quer Aparecer.

  4. PT da origem Reply

    É terrível ver o grau de cinismo e sofisma no discurso totalmente descomprometido com a história do partido por parte do Alexandre. Este deve ser apenas um destes yuppies que adentraram no PT após o mesmo já estar no poder. Ou talvez somente mais uma caneta paga a serviço dos que no mando mudaram de discurso.

    Na maior cara de pau o Alexandre ousa dizer que a política de compromisso com os interesses nacionais e populares sempre defendidos pelo Tadeu, como também ou seus compromissos históricos com a base partidária que o elege “não é fazer política de forma responsável”. Será que para o Alexandre “fazer política de forma responsável” implica em trair o discurso histórico do PT, a própria história partidária tal quais muitos dos que hoje ocupando altos cargos comissionados o fazem?

    Tenho certeza de que o mandato significa para o Tadeu uma missão a serviço do compromisso com a base que o elegeu!

    Na disputa com a Gleisi, que se não é o maridão não teria ocupado tal espaço, ele nos representou como candidato, pois temos profundas discordâncias táticas e estratégicas com os rumos que grande parte da cúpula partidária tem tomado. E não é de hoje!

    Pois continuamos defendo a autonomia partidária com os governos, a reestatização das estatais, a reforma urbana, a reforma agrária e agrícola, a auditoria na dívida externa e interna, os juros baixos, a reforma educacional, a reforma na saúde, os investimentos pesados em pesquisa, priorização dos investimentos em infraestrutura, etc., tal qual o PT sempre o fez, mas que os governos não tornam realidades.

    Continuamos os mesmos e vocês é que mudaram para pior!

  5. Tenho acompanhado a atuação do deputado Tadeu Veneri, que ao lado do Professor Lemos se constituem nos melhores parlamentares do PT. Tem conhecimento de causa, posicionamento sério e, para mim que não sou petista, às vezes até me surpreende pela capacidade de compreensão e diálogo.
    É um grande deputado, mas deve perder a eleição no Diretório prá turma do PT do R (Partido dos Trabalhadores do Requião).

  6. Acho o deputado Tadeu Veneri um modelo ideal de político. Acho bom mesmo que continue como Deputado Estadual, pois estamos desfalcados de representantes. Quanto a ser deputado federal ou senador, acho que ainda ele tem muito por fazer em termos de estado. O Tadeu é um político de caráter, e políticos assim, representam à consciência da sociedade paranaense. A crítica a ele, é uma medida natural da força a frente da resistência às circunstâncias, as decisões. Todavia, o elemento “moral” é a sua qualidade, isso que importa! Sua ação na política é o nosso lucro, e algumas das decisões que nos deixam tristes, representa o nosso prejuízo. Mas temos com esse político, mas lucros do que prejuízos. Digamos que ele é nossa empresa, e estamos investindo nele para que nos traga o lucro, é o lucro esta vindo, portanto, não vejo nada de errado que desabone a conduta do Tadeu Veneri. Pena, que está arrodeado de pessoas que infelizmente não condizem em absolutamente nada com seu perfil. Mas enquanto não aprece alguém com tantas qualidades, vamos ficando por aqui mesmo! É uma desgraça recorrermos a “detalhezinhos” para desabonar a moral e dignidade de alguém.

  7. PT da origem Reply

    Manifesto da candidatura do Tadeu Veneri a presidência estadual do PT:

    Estamos apresentando a nossa candidatura à presidência estadual com o apoio de grupos e militantes que querem reposicionar o PT na perspectiva de um partido que busca a transformação da sociedade. E que, nos últimos anos, foi se afastando desse eixo à medida em que a busca por resultados eleitorais se sobrepuseram a princípios e à luta por mudanças estruturais em nosso país. Deixamos de lado a ousadia de um partido que surgiu do combate às velhas estruturas estabelecidas de poder para, em alguns momentos, nos juntarmos a elas. Em outras ocasiões, abandonamos as propostas inovadoras para, em nome de alguns votos a mais, contribuirmos para dar sobrevida a personagens e projetos que estavam em vias de extinção e que sempre representaram tudo o que nós abominamos. Esses caminhos e descaminhos foram fruto de uma leitura da direção estadual, que fez suas opções e tem que enfrentar as responsabilidades pelos danos causados ao partido.

    A democracia interna, que o nosso grupo defende, é um antídoto contra esses erros que invertem nossa imagem junto à população. Entendemos que as conquistas eleitorais são importantes, mas não a qualquer custo, não sacrificando princípios e sufocando divergências. Nosso motor deve continuar sendo o envolvimento e a participação nas lutas sociais, que visam as transformações a longo prazo, as mudanças estruturais que pregamos quando nasceu o PT. O envolvimento nestas lutas não se pode dar de maneira individual ou informal, como assistimos em embates históricos no estado, como a campanha contra a prática do nepotismo, em que o partido se comportou timidamente como se tudo não passasse de um capricho de um mandato de deputado estadual e de outros setores que encamparam essa proposta. Temos que nos perguntar onde está o PT e sua direção nas lutas por reforma agrária e nas sofridas tentativas de debater uma reforma urbana em nossas cidades. Que lugar o nosso partido ocupa nesses enfrentamentos? Certamente, não estamos mais na linha de frente.

    Temos que ter a coragem de falar sobre esses e outros instantes em que nos retiramos do campo de batalha para não ferir suscetibilidades de alguns aliados e camadas da sociedade. Entramos no governo estadual sem um programa nosso. Mas fizemos um esforço para se integrar a esse governo, deixando-nos conduzir de forma cordata e mansa, quase obediente, pelo projeto do PMDB, sem coragem de expor a nossa proposta.

    Nas eleições municipais, em 2008, a direção estadual selecionou as maiores cidades e destinou a elas os nossos recursos, riscando do mapa da campanha as pequenas cidades. O resultado todo mundo conhece. Essa estratégia traduziu as concepções desta direção, que persegue resultados imediatos com campanhas caras e personalistas, onde não há lugar para a militância.

    Temos que fazer esse debate agora. É necessário, inevitável, para que se revelem todas as posições que convivem no partido. Estamos, novamente, em meio a uma discussão sobre como participaremos da campanha eleitoral do próximo ano. Teremos que fazer escolhas. Nosso grupo decidiu pela candidatura própria ao governo. É preciso reencontrar a coragem de ir para uma campanha com as nossas propostas, os nossos projetos e os nossos militantes. E mostrar que temos um lado e qual é este lado. Precisamos de uma nova direção com capacidade de redefinir nosso papel e retomar nossas relações com os movimentos sociais.

  8. Hoje nós vemos um sindicato igual a App de tantas lutas pelega do governo , Os professores estãoi chamando assoçiação dos Pelegos do Paraná

  9. É bom lembrar que depois de anos falando contra o nepotismo, na certeza de que não ia ser aprovado, Tadeu Veneri votou em Maurício Requião para o Tribunal de Contas. Lógica um pouco tosca essa. Nepotismo em cargo Comissionado não pode, mas nepotismo para fiscalizar o próprio governo pode. Tem gente que diz que o Tadeu votou no Maurício Requião para liberar um assessor do seu gabinete que é servidor da secretaria de educação e o Requião não queria liberar. Também é bom lembrar que o grupo do Tadeu sempre se posicionou contra buscar eleitores na disputa interna do PT, mas fez isso tranquilamente no Cajuru e em Santa Felicidade, tanto no último PED, como na disputa para indicação da candidatura a prefeito. Sem contar uns candidatos apoiados pelo Tadeu, no interior do Estado, que faz aliança até com o DEM. Não existe coerência pela metade.

  10. muito bem, deputado!
    enfim alguem do PT toma vergonha na cara.
    antes tarde do que nunca!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    o PT daqui sempre foi uma melequinha, com a aliança com o pmdb, tornou-se uma grande merda!
    é aquele negócio, diga-me com quem andas…..
    servil de dar nojo!
    vaquinha de presépio de um homem desequilibrado!
    um partidinho sem projetos, sem voz, sem personalidade!!!
    fez muito bem, Deputado!!!!

  11. Não se esqueçam que todos nós podemos sofrer de “”AMNÉSIA””…
    se veneri votou a favor do nepotismo, agora simplesmente “SE ESQUECEU””!
    Aliás, o PT do Paraná sempre foi uma piada, ou melhor, desde que se atrelou ao REIQUIÃO, conduzindo-o ao DESGOVERNO do Estado, alvancaram, empurraram, e, foram perdendo gradativamente a originalidade do PT, da ideologia, da história, e vagarosamente foram se tornando LAMBE-BOTAS também…
    E, quem chega a LAMBE-BOTAS, dificilmente escapará da pecha!
    Os eleitores dirão nas eleições de 20010.

  12. SYLVIO SEBASTIANI Reply

    Eu não estou filiado a Partido nenhum, por esse motivo e na condição de comentarista sobre a política do Paraná, vou meter a minha colher. Eu sempre declarei públicamente que creio no deputado Tadeu Veneri, como representante do povo, como homem público de primeira grandeza. Olha que eu sou crítico,dificilmente falarei isso dos outros atuais deputados estaduais do Paraná. Conheço o PT desde a sua fundação, pelo meu amigo Manoel Izaias. Sempre destaquei os melhores deputados estaduais: Pedro Toneli, Dr. Rosinha e Tadeu Veneri. Aqui no Paraná, o PT não deveria se juntar ao PMDB, sob o comando do Requião, já chega os aliados dele: Vanhoni e Samek, que sempre obedeceram as suas ordens.O PT do Paraná, não precisava fazer parte do Governo Requião, poderia com o Governo Lula, ter ser vôo próprio. Fazer uma campanha de arregimentação de gente ideológicamente aguerrida, dispostas à participação da política de Justiça Social, reuniões permanentes de categuização, de convencimento, já teria chegado ao topo da política paranaense. Creio que o deputado Tadeu Veneri, com seu caráter provado e comprovado, seja a pessoas exata para este momento. Petistas, desculpem meu intrometimento.

  13. As pessoas que falaram mal do Deputado Tadeu Veneri, mostraram que pouco sabem e que não acompanham a política!

    Tadeu Veneri

    – Foi autor da PEC do Nepotismo!

    – É defensor dos interesses dos Funcionários Públicos do PR.

    – Dentro do PT, foi contra as alianças com o Requião em 2004 e 2006.

    Alexandre, de quem vc é capacho? Vanhoni? Gleisi? Paulo Bernardo? Samek? ou vc é um tucano enrustido??

    Boa Sorte Tadeu Veneri!

  14. Rafael Filippin Reply

    O Deputado Tadeu Veneri engrandece o seu partido. Verbaliza demandas dos movimentos sociais que alguns de seus colegas, por vezes, preferem esquecer, pela proximidade com o governo e pelo desconforto que essas demandas populares provocam nos governantes. Enfim, é um representante do povo na melhor acepção do termo.

Comente