Uncategorized

PSDB testa chapa pura José Serra-Aécio Neves

Ibope mostrou tucanos com 41% das intenções de voto, bem à frente dos 16% dados à chapa PT-PMDB

ADAESE862

Da AE

BRASÍLIA – O primeiro teste da chapa puro-sangue do PSDB na eleição presidencial, com o governador paulista José Serra na cabeça e o mineiro Aécio Neves no posto de vice, provocou um curto-circuito político no partido. Pesquisa encomendada pelo ex-deputado Ronaldo Cesar Coelho (PSDB) ao Ibope mostrou a chapa tucana com 41% das intenções de voto, bem à frente dos 16% dados à chapa PT-PMDB, mas não houve clima para comemoração.

Além de irritar o governador de Minas Gerais e provocar uma crise na Executiva Nacional tucana em torno do vazamento, a enquete com 2002 eleitores brasileiros entre os dias 1º e 5 de outubro pôs abaixo a tese da necessidade de se formar uma chapa Serra-Aécio para tentar derrotar o PT do presidente Lula em 2010. Com ou sem Aécio, Serra vence Dilma com mais que o dobro dos votos da petista no segundo turno.

Sozinho, em uma simulação que não menciona o nome do vice, o candidato Serra também recebeu 41% das intenções de voto, sete pontos percentuais a mais do que ele próprio alcançara na pesquisa de setembro. Foi seguido pela petista Dilma Rousseff (17%), tecnicamente empatada com o PSB do deputado Ciro Gomes (16%). A pré-candidata do PV, senadora Marina Silva, foi a preferida de 9% dos entrevistados.

Na simulação em que o candidato tucano é o governador mineiro, Ciro venceria o primeiro turno com 26% das preferências. Aécio, que também cresceu 7 pontos percentuais de setembro para cá, empataria com Dilma no segundo lugar, ambos com 19% dos votos, e Marina Silva (11%) seria a quarta colocada.

“O PSDB nacional não tem minha autorização para fazer pesquisa incluindo meu nome como candidato a vice-presidente. Isso seria desperdício de dinheiro, porque essa hipótese não existe”, reagiu Aécio, que levou seu protesto ao presidente nacional do partido, senador Sérgio Guerra (PE). Na suposição de que a direção partidária patrocinara a pesquisa sem aviso prévio, para pressioná-lo a assumir a vice de Serra e facilitar a vitória do PSDB em 2010, Aécio avaliou que foi atropelado e também traído pelo vazamento dos resultados.

Quando pediu explicações ao presidente do partido, contudo, o governador foi informado de que o PSDB não encomendara pesquisa alguma. Convenceu-se disso, mas aproveitou para enfatizar que não está disponível para ser vice de quem quer que seja. “Meu nome está colocado à disposição do partido para disputar a Presidência da República”, sentenciou. Guerra frisou que nem sequer tivera tempo de ler a pesquisa que Ronaldo Cezar enviara na véspera à sede do partido em Brasília. Para acalmá-lo, argumentou que, segundo um representante da executiva nacional que recebera o material, o cenário com Aécio candidato e Serra na vice também havia sido testado.

Preocupados em não melindrar Aécio e ainda convencidos de que uma chapa com a dupla de governadores será “imbatível no futuro próximo”, serristas de vários Estados trataram de pôr panos quentes na crise. Interlocutores de Serra procuraram Aécio e seus aliados para dizer que o governador paulista fora tão surpreendido quanto ele com a pesquisa, e mais: Serra não teve responsabilidade alguma sobre o vazamento dos dados.

Reconhecido como serrista de primeira hora, o deputado Jutahy Júnior (PSDB-BA) passou o dia repetindo que a pesquisa fora feita para uso interno e que não houve nenhuma intenção de criar dificuldade ao governador mineiro. “Tudo isto é stress pré-campanha”, minimizou. “São episódios que podem gerar constrangimentos, mas serão superados pelo interesse comum”, completou Jutahy, convencido de que tudo está sendo conduzido com “profissionalismo, respeito e todos os cuidados mútuos” que os dois pré-candidatos merecem.

Um aliado do governador mineiro chamou a atenção para o fato de a pesquisa liberar Aécio do sacrifício de assumir a vice, dando-lhe liberdade para optar por uma “candidatura certa” ao Senado, enquanto Serra briga pela presidência. A má notícia para os mineiros é que os números também mostram que a chapa puro sangue só mudaria o resultado final da eleição caso Serra fosse o vice de Aécio. Com este reforço, o governador de Minas sairia na frente no primeiro turno (Aécio 25%, Ciro 22%, Dilma 19% e Marina 9%) e teria chance real de vitória no segundo.

A dupla Aécio-Serra receberia 37% das intenções de voto contra 34% dados à chapa Dilma-Michel Temer. No embate com Ciro Gomes e o PDT do ministro Carlos Lupi (Trabalho) na vice, o resultado seria o empate com 35% de preferência para cada um.

12 Comentários

  1. De Onde são esse3s supostos 2002 eleitores?
    Dos gabinetes dos tucanos em SP ou MG?
    Mais uma pesquisa furada!

  2. É o que todos os Tucanos querem, dois fundadores do PSDB e competentes na cabeça…….

  3. Agora vai. Agora o ânimo deve voltar às hostes tucanas e dos demos pois está formada a dupla. Mineirinho e paulistinha em uma autêntica politica, envelhecida por sinal, do café com leite. Ô coisa mais velha, sô! É claro que não vão dar nem para a saída até porque o rolo compressor liderado pelo presidente atual virá com tudo. Nosso medo e de uma parcela grande da população brasileira fica por conta da forte tendência que essa turma sempre teve e terá por PRIVATIZAÇÕES e conceitos NEO-LIBERAIS. Vade retro! Ninguém aguenta mais esse atraso no pensar e agir até porque estamos mal acostumados com o que já conquistamos.. Nessas conquistas pode-se citar: mobilidade social, criação de emprego e renda, um modelo forte de exportação, acúmulo de divisas, pré-sal, taxa de desemprego baixa, fortalecimento das instituições, respeito nos Fóruns Internacionais, economia forte, e que tais. Portanto, achamos que é dai prá frente. RETROCESSO, JAMAIS!!!!!!!

  4. Aecio,arrume o teu estado antes de falar em candidatura a presidencia,a pior malia viaria do brasil.a cada 10 acidentes nas BRs. 8 é em minas,acorda PSDB.

  5. PAULO SERGIO MOREIRA Responder

    A Samarco, do Estadão, jornal que come das migalhas que caem da mesa da Folha-Veja-Globo, quase falou que teria sido armação dos serristas para impedir o Aécio de pretender a cabeça da chapa do partido amiguinho da ALSTOM.

  6. Parreiras Rodrigues Responder

    Dois pesquisados são governadores de grandes estados. Uma candidata mencionada é ministra e dodói do presidente, outro foi governador e ministro. Comparativamente, Marina Silva vai bem, obrigado!

  7. Olá HEIN!!!…
    VOCE SABE PORQUE SEUS LÍDERES SÃO CONTRA AS PRIVATIZAÇÕES???
    Será que não é para manter, pelo que dizem, a SANEPAR, com mais de 18 diretores? Não sabemos quantos funcionários (cabide?)…
    Você já perguntou ao seu REIQUIÃO quantos cargos comissionados o Paraná têm???
    Então, meu filho, são só chorumelas…
    Aliás, o Concurso de Lambe-Botas de Reiquião terá suas inscrições logo abertas!

  8. Ô Bisteka. Aliás, gosto muito de uma bistequinha ao ponto, acebolada e com um chopinho com um colarinho esperto. Brincadeiras à parte devo-lhe lhe dizer que não sou filiado a porra de Partido nenhum. Também não morro de amores pelo governador e pelo prefeitinho de nossa capítal. Aliás você já deve ter percebido que essa gente manda de há muito no Paraná e em Curitiba. Então, quando vamos tirar essa gente dessa jogadinha? Ou vamos continuar compactuando com esses esqueminhas antigos e movidos a etnias (manja?) que só querem se dar bem? Essa é minha maior preocupação. Quanto às PRIVATIZAÇÕES basta procurar no Google que você vai ver o estrago que uma certa turminha das antigas cauosu à esse país. Ou não concorda que houve prejuízos sérios? Continuarei na minha luta contra qualquer processo de privatização que possa trazer prejuízos à nação. Enfim, se já sabes do concurso de Lambe Botas corra e se inscreva pois as vagas devem ser limitadas. Felizmente tal não faz o meu gênero pois já sou bem sucedido na vida. Graças ao bom Deus!

  9. Albino Machado Dias Responder

    Dez meses é um período muito longo para decidir sobre alianças e uma etrnidade para se falar em vitória de qualquer pré-candidato. Há um ano atrás o mercado político não dava a mínima bola para a candidatura de Ciro e hoje Ciro é o principal protagonista no tabuleiro eleitoral. Em julho do ano que vem,ocasião que serão seladas as alianças eleitorais, o cenário eleitoral poderá ser outro.Os anseios das ruas, detectados através das pesquisas, é que irão dizer o melhor caminho a seguir. Como dizia Tancredo (ou Ulisses) política é como nuvem, a cada instante, é um cenário novo.Uma coisa é certa: a candidatura da ministra Dilma não tem empolgado o eleitorado e o crescimento de Ciro tem incomodado tanto os tucanos como os petistas.Se Ciro, se sentir traído pelos aliados e, ensaiar uma aproximação com Aécio, vamos ver que Serrista e Dilmista não são os donos da bola como pensam que são.

  10. Tucanos Fracassomaníacos

    A invenção se deve às ironias com que FHC tentava desqualificar o debate. Conhecedor que era, se dedicou a essa prática, alimentada pelo despeito, o rancor e a inveja de ver seu sucessor se dar muito melhor do que ele. E os tucanos se tornaram os arautos da fracassomania, porque o governo Lula não poderia dar certo. Senão, seria a prova da incompetência, dos que se julgavam o mais competentes.

    Lula fracassaria porque não contaria com a expertise (expressão bem tucana) de gente como Pedro Malan, Celso Lafer, Paulo Renato, José Serra, os irmãos Mendonça de Barros, entre tantos outros tucanos. O governo Lula não poderia dar certo, senão a pessoa mais qualificada para dirigir o Brasil – na ótica tucana -, FHC se mostraria muito menos capaz que um operário nordestino.

  11. 
    Paulo Henrique Amorim

    Paulo Henrique Amorim é jornalista desde quando os bichos falavam. Trabalhou na Manchete, Abril, Jornal do Brasil, Globo, Bandeirantes, Cultura, está na Record; foi do Zaz, Terra, UOL, iG e hoje é responsável por este portal independente, localizado em algum ponto da WEB 2.0. Escreveu o livro “Plim-Plim – A Peleja de Brizola contra a Fraude Eleitoral”. Formado em Sociologia e Política, não se utilizou nem de uma nem de outra “ciência” para ganhar a vida. Carioca, pai de uma filha, tem um neto maravilhoso, o Francisco, é Fluminense e torce pelo Salgueiro. As idéias que ele expõe aqui são de sua EXCLUSIVA responsabilidade ! (E espera que o Francisco venha a se orgulhar delas…)
    Conheça aqui o Conversa Afiada

    Canais

    * Áudio
    * Brasil
    * Cultura
    * Destaque
    * Economia
    * Entrevistas
    * Mundo
    * PiG
    * Política
    * Vídeo

    Histórico

    * outubro 2009
    * setembro 2009
    * agosto 2009
    * julho 2009
    * junho 2009
    * maio 2009
    * abril 2009
    * março 2009
    * fevereiro 2009
    * janeiro 2009
    * dezembro 2008
    * novembro 2008
    * outubro 2008
    * julho 2008
    * abril 2006

    Links

    * Blog do Azenha
    * Blog do Mino
    * Blog do Protógenes
    * Blog do Rodrigo Vianna
    * Carta Capital
    * Nassif: caso Veja
    * Teletime
    * Vermelho

    Dias, na Carta: curva de Serra é para baixo. Curva de Dilma é para cima

    23/outubro/2009 17:55

    Marcus Figueiredo: O importante é trabalhar com média. Bye-bye Serra 2010

    Marcus Figueiredo: O importante é trabalhar com a média. Bye-bye Serra 2010

    A excelente coluna Rosa dos Ventos, de Maurício Dias, na Carta Capital, tem o título: A Curva que Assusta – Uma “pesquisa das pesquisas” parece explicar por que José Serra tergiversa em definir sua candidatura. Maurício Dias se utiliza de estudo do professor Marcus Figueiredo, especialista em pesquisas eleitorais do Iuperj, da Universidade Cândido Mendes, no Rio.

    Figueiredo usa uma metodologia comum nos Estados Unidos, onde as pessoas sérias trabalham com a média de muitas pesquisas e, não apenas com o Data-da-Folha e o Globope.

    O professor Figueiredo mostra que do fim de janeiro para cá a curva de Serra aponta para baixo. A de Dilma, para cima.

Comente