Uncategorized

Não é um país sério

Do Ancelmo Gois

Parece que De Gaulle tinha certa razão ao dizer “c’est pas un pays serieux”.

Num só dia, Lula disse que o povo está na merda; o Inpe afirmou que peido de vaca é nossa maior contribuição para o aquecimento global; o STF convalidou a censura à imprensa; e se soube que Beira-Mar estudará direito para se livrar da prisão…

25 Comentários

  1. João Rodrigues Responder

    A frese atribuída a De Gaulle está imcompleta. O que ele afirmou na famosa guerra das ostras foi o seguinte: “O Brasil, assim como a França, não é um país sério”. Além disso, citar o general sem contextualizar a frase, um contencioso sobre a pesca da lagosta, é um preconceito com o Brasil e uma subserviência à uma declaração, citada pela metade, do mandatário da França. Quanto ao sr. presidente, já estamos acostumados – e conformados? – com a sua incontinência verbal.

  2. João Rodrigues Responder

    A frase atribuída a De Gaulle está incompleta. O que ele afirmou na famosa guerra das ostras foi o seguinte: “O Brasil, ASSIM COMO A FRANÇA, não é um país sério”. Além disso, citar o general sem contextualizar a frase, um contencioso sobre a pesca da lagosta, é um preconceito com o Brasil e uma subserviência à uma declaração, citada pela metade, do mandatário da França. Quanto ao sr. presidente, já estamos acostumados – e conformados? – com a sua incontinência verbal.

  3. salete cesconeto de arruda Responder

    Que FEZES!
    Báh!
    Ainda bem que o LULA vai tirar o povo dessa!
    Aliás: está tirando há muito tempo.
    Não por acaso – COMO DESTES O FURO – para o EL PAÍS – LULA É O HOMEM DO ANO!
    Pena que a tal GRANDE IMPRENSA perca furo para o Campana.
    Não por acaso – SOUBE – sua coluna é fonte de referência nacional.
    Parabéns Fábio!

  4. salete cesconeto de arruda Responder

    Não por ACASO nunca neste país se riu tanto.
    Lula tem um mérito: não é hipócrita e não se mete a dar uma de intelectual

  5. Gaspar da Ilhota Responder

    É um país bêbado pela falta de educação, babão pelo excesso de corrupção, birutão pelo compadrio entre os poderes públicos e bobalhão pela anomia geral da sociedade. Isso é sério, caro de Gaulle …

  6. Campana, adorei sua colocação dos fatos. Mas os fatos por sí só são lamentáveis.

  7. HA, HA, PAÍS SÉRIO? Responder

    Com um Presidênte Comunista desmontando o Estado?
    Com uma quadrilha chamada PT instalada no país que lula escone suas sujeitas debaixo do tapete?

    Com uma Candidata sem qualquer experiência política a não ser assalto a banco e formação de quadrilha, candidata dos banqueiros e dos mais ricos, conforme pesquisa já realizada e um bando de idiotas achando que Dilma é candidata dos pobres?

    Que é isso.

    Vamos acordar minha gente

  8. Não é mesmo um país sério. Há séculos é corrupto e até mesmo os maiores críticos da corrupção estão apenas esperando a sua vez e nesse grupo entram os políticos novos, os da oposição, os jornalistas que ainda não são “pena de aluguel” ou já deixaram de ser, os estudantes que combatem tudo seguindo o Flautista de Hamelin da vez, os filhos que serão pais e os pais que ainda terão filhos, os fanáticos, os furiosos e os imperialistas. Enfim, quem não foi, será. Quem já foi, reclama, quem não conseguiu, critica. Eu, ora, eu não fui e nem tentei mas fui provocado e me rebelei: a mim, resta a indignação e a força da palavra que não é ouvida nem lida, portanto, jaz. Assisto, apenas,

  9. AO INVES DE FAZER UM COMENTARIO, VO CONTAR UMA PIADINHA. QDO DEUS FOI CONSTRUIR O MUNDO, CHAMOU OS ANJOS PARA AJUDÁ-LO: VAMOS DISTRIBUIR DA SEGUINTE MANEIRA. AQUI NO CONTINENTE AFRICANO COLOCARES ANIMAIS , MUITA SECA E FOME, N AQUI NO CONTINENTE EUROPEU COLOCAREMOS MUITO FRIO, NA AMERICA DO NORTE COLOCAREMOSMUTOS TUFÕES, NEVE, TORNADOS, EM OUTROS CONTINENTES COLOCOU MUITOS TSUNAMIS, VULCÕES, ETC. AGORA AQUI NA AMERICA DO SUL, COLOCAREMOS MUITO VERDE, AGUA POTAVEL E UMA TERRA EM QUE PLANTANDO TUDO DÁ, E OS ANJOS MAS MEU DEUS ISSO É INJUSTO, E DEUS RESPONDE, MAS VC VAI VER O POVINHO QUE LÁ VOU COLOCAR.

  10. Dá nauseas tudo, se pedimos a guerra, depois reclamamos, se almejamos a paz, nos confundem como idiotas e somos acharcados por nossos lideres. É o fim do começo…

  11. Fabio, a título de curiosidade, transcrevo o post da jornalista Leneide Duarte-Plon, do seu blog “Bilhetes de Paris”, sobre a polêmica frase:

    “Le Brésil n’est pas un pays sérieux”
    A “guerra da lagosta” e a frase que De Gaulle nunca disse

    Todo mundo sabe que a imprensa pode, deliberadamente ou por um mal-entendido, veicular inverdades que se transformam em verdades “históricas”. Os exemplos são incontáveis. A frase atribuída a De Gaulle desde 1962 é uma prova de que a versão muitas vezes é mais importante do que o fato.
    Na terça-feira, 21 de abril, dia da abertura oficial do ano da França no Brasil muitos laços culturais e históricos foram festejados. No contexto de festividades, pouca gente vai querer lembrar de um momento histórico difícil: a chamada “guerra da lagosta”, durante os governos do general De Gaulle e do presidente João Goulart. Dessa guerra sem canhões nem bombas, restou a famosa frase atribuída ao general De Gaulle: “Le Brésil n’est pas un pays sérieux”, que serve de chicote para nos autoflagelarmos vez por outra.
    Acontece que a frase nunca foi pronunciada por De Gaulle, garante o então embaixador brasileiro em Paris, Carlos Alves de Souza, em seu livro “Um embaixador em tempos de crise” (Livraria Francisco Alves Editora, RJ, 1979). Ele diz claramente que sempre achou que “a França estava coberta de razões e o incidente tinha sido envenenado pela imprensa brasileira” (pag. 316).
    O embaixador conta que depois de um encontro com De Gaulle, ele não quis dar entrevistas aos jornalistas que o esperavam na saída do Eliseu. Mas à noite, numa recepção em casa do presidente da Assembléia Nacional, Jacques Chaban-Delmas, foi interpelado pelo jornalista Luiz Edgar de Andrade, correspondente do Jornal do Brasil em Paris. Conversaram um pouco “off the records”, o embaixador citou o samba carnavalesco “A lagosta é nossa” e comentou as caricaturas do presidente De Gaulle na imprensa brasileira. Acabou a conversa com a frase: «Luiz Edgar, le Brésil n’est pas un pays sérieux».
    A frase entrou definitivamente para o folclore político brasileiro. Quantas vezes não ouvimos a famosa assertiva, citada na língua de Molière?
    O embaixador escreve no seu livro: “Provavelmente o jornalista telegrafou ao Brasil não deixando claro se a frase era minha ou do general De Gaulle, com quem eu me avistara poucas horas antes desse nosso encontro casual. Luiz Edgar é um homem correto, e estou certo de que o seu telex ao jornal não teve intuitos sensacionalistas. Mas a frase “pegou”. É evidente que, sendo hóspede do General De Gaulle, homem difícil, porém muito bem educado, ele, pela sua formação e temperamento, não pronunciaria frase tão francamente inamistosa em relação ao país do Chefe da Missão que ele mandara chamar. Eu pronunciei essa frase numa conversa informal com uma pessoa das minhas relações. A história está cheia desses equívocos”.
    A frase ficou e serve de chicote para nossos exercícios de autoflagelação.
    Se encerra uma verdade, cabe a cada um de nós decidir.
    Mas nunca foi pronunciada por De Gaulle.”

  12. Não é à toa que os comunas/petistas colocaram 135 paus mandados a soldo infiltrarem nos Blogs do Paraná para ver se conseguem alguma coisa….kkkk …Aquí no PR não tem babaca não.

  13. SERRA INCOMPETENTE, disse que não houve caos em SP:

    Chamo a atenção da cobertura que Chico Pinheiro deu ao alagão do Zé Alagão, na Zona Leste – onde só mora pobre e onde morreram afogados dois meninos, dois dias depois do alagão.

    No SP-TV de ontem, da Globo, Chico Pinheiro foi ao Jardim Romano, no extremo da Zona Leste.

    E mostrou que o alagão continuava, mesmo debaixo do sol, porque as bombas da Sabesp não funcionavam.

    E a Sabesp só ia enxugar a cidade da Zona Leste – são 21 bairros debaixo d’água -, depois que a água baixasse.

    A Sabesp, como se sabe, é a agência de publicidade do Zé Alagão.

    Ela faz campanha de esgoto do Zé Alagão no Acre.

    A Sabesp demite funcionários quinze dias antes do Natal.

    Provavelmente os funcionários que agora fazem falta para impedir que dois meninos morressem afogados.

    Chico Pinheiro dizia aos moradores dos Jardins, dos bairros nobres, onde Zé Alagão tem 100% dos votos: é, vocês jamais viverão uma situação como a que eu mostro agora.

    Ele estava indignado, ao vivo, no local, diz a minha amiga.

    Dizia: “e ainda põem a culpa na chuva !”.

    (O Zé Alagão pôs também a culpa nos pobres que jogam sofá no rio )

    Chico não viu autoridade nenhuma ali – nem do Zé Alagão, nem do poste que ele colocou na cidade de São Paulo.

    Claro, o Zé Alagão socorria um flagelado da Rede Globo

    Zé Alagão fugiu do alagão, como fugiu da cratera do metrô e da viga do Robanel dos Tunganos.

    Ele foge.

    Chico Pinheiro usou como trilha sonora “O Haiti é aqui”, do tempo em que Caetano ainda não era da Globo.

  14. Adeus, FHC! Adeus, Serra! Responder

    por Leandro Fortes

    Fernando Henrique Cardoso foi um presidente da República limítrofe, transformado, quase sem luta, em uma marionete das elites mais violentas e atrasadas do país. Era uma vistosa autoridade entronizada no Palácio do Planalto, cheia de diplomas e títulos honoris causa, mas condenada a ser puxada nos arreios por Antonio Carlos Magalhães e aquela sua entourage sinistra, cruel e sorridente, colocada, bem colocada, nas engrenagens do Estado. Eleito nas asas do Plano Real – idealizado, elaborado e colocado em prática pelo presidente Itamar Franco –, FHC notabilizou-se, no fim das contas, por ter sido co-partícipe do desmonte aleatório e irrecuperável desse mesmo Estado brasileiro, ao qual tratou com desprezo intelectual, para não dizer vilania, a julgá-lo um empecilho aos planos da Nova Ordem, expedida pelos americanos, os patrões de sempre.

    Em nome de uma política nebulosa emanada do chamado Consenso de Washington, mas genericamente classificada, simplesmente, de “privatização”, Fernando Henrique promoveu uma ocupação privada no Estado, a tirar do estômago do doente o alimento que ainda lhe restava, em nome de uma eficiência a ser distribuída em enormes lucros, aos quais, por motivos óbvios, o eleitor nunca tem acesso.

    Das eleições de 1994 surgiu esse esboço de FHC que ainda vemos no noticiário, um antípoda do mítico “príncipe dos sociólogos” brotado de um ninho de oposição que prometia, para o futuro do Brasil, a voz de um homem formado na adversidade do AI-5 e de outras coturnadas de então. Sobrou-nos, porém, o homem que escolheu o PFL na hora de governar, sigla a quem recorreu, no velho estilo de república de bananas, para controlar a agenda do Congresso Nacional, ora com ACM, no Senado, ora com Luís Eduardo Magalhães, o filho do coronel, na Câmara dos Deputados. Dessa tristeza política resultou um processo de reeleição açodado e oportunista, gerido na bacia das almas dos votos comprados e sustentado numa fraude cambial que resultou na falência do País e no retorno humilhante ao patíbulo do FMI.

    Isso tudo já seria um legado e tanto, mas FHC ainda nos fez o favor de, antes de ir embora, designar Gilmar Mendes para o Supremo Tribunal Federal, o que, nas atuais circunstâncias, dispensa qualquer comentário.
    Em 1994, rodei uns bons rincões do Brasil atrás do candidato Fernando Henrique, como repórter do Jornal do Brasil. Lembro de ver FHC inaugurando uma bica (isso mesmo, uma bica!) de água em Canudos, na Bahia, ao lado de ACM, por quem tinha os braços levantados para o alto, a saudar a miséria, literalmente, pelas mãos daquele que se sagrou como mestre em perpetuá-la. Numa tarde sufocante, durante uma visita ao sertão pernambucano, ouvi FHC contar a uma platéia de camponeses, que, por causa da ditadura militar, havia sido expulso da USP e, assim, perdido a cátedra. Falou isso para um grupo de agricultores pobres, ignorantes e estupefatos, empurrados pelas lideranças pefelistas locais a um galpão a servir de tribuna ao grande sociólogo do Plano Real. Uns riram, outros se entreolharam, eu gargalhei: “perder a cátedra”, naquele momento, diante daquela gente simples, soou como uma espécie de abuso sexual recorrente nas cadeias brasileiras. Mas FHC não falava para aquela gente, mas para quem se supunha dono dela.

    Hoje, FHC virou uma espécie de ressentido profissional, a destilar o fel da inveja que tem do presidente Lula, já sem nenhum pudor, em entrevistas e artigos de jornal, justamente onde ainda encontra gente disposta a lhe dar espaço e ouvidos. Como em 1998, às vésperas da reeleição, quando foi flagrado em um grampo ilegal feito nos telefones do BNDES. Empavonado, comentava, em tom de galhofa, com o ex-ministro Luiz Carlos Mendonça de Barros, das Comunicações, da subserviência da mídia que o apoiava acriticamente, em meio a turbilhão de escândalos que se ensaiava durante as privatizações de então:

    Mendonça de Barros – A imprensa está muito favorável com editoriais.
    FHC – Está demais, né? Estão exagerando, até!

    A mesma mídia, capitaneada por um colunismo de viúvas, continua favorável a FHC. Exagerando, até. A diferença é que essa mesma mídia – e, em certos casos, os mesmos colunistas – não tem mais relevância alguma.

    Resta-nos este enredo de ópera-bufa no qual, no fim do último ato, o príncipe caído reconhece a existência do filho bastardo, 18 anos depois de tê-lo mandado ao desterro, no bucho da mãe, com a ajuda e a cumplicidade de uma emissora de tevê concessionária do Estado – de quem, portanto, passou dois mandatos presidenciais como refém e serviçal.

    Agora, às portas do esquecimento, escondido no quarto dos fundos pelos tucanos, como um parente esclerosado de quem a família passou do orgulho à vergonha, FHC decidiu recorrer à maconha.
    A meu ver, um pouco tarde demais.

  15. Ôpa, consegui irritar mais um CC do PSDB.
    O meu copiar não é vergonhoso, eu acesso o Azenha, o Mino Carta (fundador da Veja) e também o PHA. Vergonhoso é a sua atitude de criticar-me porque não penso de acordo com sua consciência. Prefiro os citados do que do que ler o jornalista esgoto do Reinaldo Azevedo ou o escroto e vendido do Mainardi. Jamais copiei um artigo aqui que seja do PT ou PCB e similares, vou direto à fonte, aos jornalistas que aprecio! Não sou filiado a nenhum partido! Qual o problema de anexar matérias de jornalistas como o Luis Nassif, por exemplo? Nassif tem história, não é como Mainardi e Azevedo que surgiram do nada até venderem sua alma à Veja, eram muito pouco conhecidos até terem suas colunas nessa revista.
    Até você faria sucesso na Veja se soubesse escrever bem e falasse mal do Lula, tá cheio de gente reacionária no Brasil, vc poderia fazer sucesso José! Tem nicho de mercado para muita coisa.
    Já fui assinante da Veja e da Folha e hoje, jamais seria um assinante de mídia escandalosamente conservadora e retrógrada!
    Tem gente que copia a Veja e suas matérias falsas e preconceituosas. Se vc continuar se irritando o problema é seu. Quero mais é poder mostrar idéias alternativas daquelas pregadas pela grande mídia e reverenciadas por mentes caducas, esquizofrênicas, conservadoras e reacionárias. Tchau José, espere a próxima matéria!

  16. ANTONIO CARLOS MAGALHAES, APOIOU A ELEIÇAO DE LULA NO PRIMEIRO MANDATO, EM VINGANÇA AO FHC AO NAO ACOBERTÁ-LO DO IMBRÓGLIO DA VIOLAÇAO DO PAINEL DE VOTAÇAO DO SENADO

    ARREPENDEU-SE NO SEGUNDO ANO DE LULA NO PODER, E AO VER A QUADRILHA QUE ENTAO INSTALOU-SE NO PLANALTO.

    ERROS ,TODOS FAZEM, POREM VEJO COM MUITA PREOCUPAÇAO E TRISTEZA, OS RUMOS DO PAIS.

    A HISTÓRIA DE HITLER ESTÁ SE REPETINDO,

    SE LULA PERCEBER QUE DILMA PERDE, IRÁ QUERER O TERCEIRO MANDATO, E SE ENTAO O POVO NAO SE LEVANTAR ESTÁRÁ INSTALADO DEFINITIVAMENTE O COMUNISMO RETRÓGRADO NO PAÍS

    QUE DEUS NOS AJUDE…

  17. Ôrra meu! Olha a teoria da conspiração aí, gente!
    Hitler, 3º mandato, comunismo … Aroeira, rapaz, você está precisando de tratamento. A democracia é assim mesmo, não é porque o teu candidato vai perdera eleição que você precisa surtar. Tem remédio muito bom no mercado para o seu caso!

  18. ossobuco, vc não irrita ninguém…sua argumentação é fraquíssima e vc continua não tendo ética ao não citar as fontes…e são sim de “jornalistas” ligadíssimos ao pt, até por motivos reai$$$$…como o caso do empréstimo que o bndes perdoou para o nassif…tenha coragem, admita, vc é petista e adoraria fechar todos os jornais,revistas e tvs que apontem as mazelas de são lula e do pt…inclusive tenho certeza que vc gostaria de me proibir de escrever aqui…afinal, como todos do mesmo time que o seu, vc também é chegado a uma ditadura, censura, etc e tal…

    Vc parou da assinar a veja e a folha por um motivo simples: a verdade dói…

    A diferença entre nós é abissal, critico qualquer governo, não defendo mensaleiros, sarneys e collor da vida…por mim todos estariam na cadeia!!!

    Não defendo reeleição, sou contra em qualquer caso, sempre e não só quando me convém, como é o caso do pt.

    E, como o pt foi contra o plano real no governo itamar, contra os programas sociais no governo fhc e agora não só se diz pai de tudo como ampliou os programsos sociais e tentou segurar a cpmf, recriá-la inclusive; óbvio está que o pt nunca pensou no País e sim apenas e exclusivamente no poder…portanto, s zé dirceu, mercadante e afins são sim um atraso para nosso País!!!!

    Portanto, só sendo cego para não ver que o pt é um partidinh igual aos outros e o sr. lula é apenas mais um político tal qual os outros e em alguns casos, como o do mensalão do pt,dossie dos aloprados, dólares na cueca, negócios familiarers mal explicados, etc…é muito pior…

  19. Caro José, vc merece um estudo de caso psiquiátrico, se não acredita no que eu digo o problema é seu, vc é surdo e cego porque deseja, não lquer entender o que escrevi, se digo que não sou petista, vc não acredita, fazer o quê? O único censor aqui é vc, não importa o que lhe falem, vc só escuta o que quer ouvir. É assim mesmo com os reacionários da vida. Leve a sua vida do jeito que vc achar melhor, porém faça um esforço para escutar as pessoas, quero mais que vc seja feliz, escreva o que quiser para o mundo inteiro ouvir, defenda suas idéias. mostre quem vc realmente é para todos, porém seja tolerante. Eu vou votar na Dilma, vc vai votar no Serra, parabéns! Agora se vc acha que todo mundo que vai votar na Dilma é petista, quero alertá-lo para sua falta de visão mais ampla de como cada um vê a realidade que o cerca. O mundo não é maniqueísta e não há uma visão dualista das coisas. Espero que dessa vez você possa ler este post um pouco mais desarmado.

  20. ossobuco, veja só:

    1. vc me chama de maluco, pr não acredita no que vc diz? Mas eu não posso acreditar no que não sou, como por exemplo: CC, Curitiboca reacionário,tucano, serrista, funcionário de partido político, enfim, tudo aquilo que vc, sem me conhecer, escreveu como se fosse a minha pessoa…pior, já votei e muitas vezes no pt, mas a decepção só tem aumentado…

    2. Não o censurei, apenas lhe disse que é anti ético usar reportagens e textos de outrem sem citar a fonte…

    3. Tolerância não é seu forte, note que vc tenta tempo todo ofender quem discorda de vc e faz uma campanha de baixo nível contra o candidato que vc acha capaz de vencer a sua candidata…isto é ser reacionário!!!

    4. E vc está sendo maniqueísta, quando vê apenas o lado que lhe interessa, isto o faz um torcedor e não um politizado.

    5. dilma, serra, lula, são todos iguais, eles passarão, a mim e a vc cabe sim uma missão e uma “luta”: não deixar que eles estraguem nosso País…e pasme: na minha visão quem vencer levará e deverá ter apoio para fazer o que tem que ser feito…com certeza meu discruso é diferente do seu…mas não me peça para ser compassivo com quem comete falcatruas e adota a mentira como modo de vida, daí minha oposição ao pt

    6. Minha única arma é a capacidade de argumentar com fatos em mãos, sem usar textos dos outros e raramente leio a veja, folha, mino carta, etc e tal…

    7. Por fim, é melhor discutir com vc quando vc escreve, não quando vc copia textos…

  21. Falou José, vamos combinar assim, vc não põem palavras na minha boca e eu não ponho palavras na sua.
    Continuarei colando e postando o que achar interessante, porém citando a fonte, OK!
    Quando achar oportuno farei meus comentários, se bem que vc não percebeu que em alguns textos havia um comentário acoplado.
    Quero esclarecer que apoio a Dilma para presidente, mesmo com todos os encargos que disso decorrem, pois para mim ainda não apareceu proposta de governo melhor.
    Cabe a sociedade continuar fiscalizando qualquer gestor público representante de todo e qualquer matiz ideológico ou gerencial.
    Dilma, Serra, FHC e Lula não são de todo iguais, há diferenças substanciais, pode ser que eles não apresentem as qualidades que acho determinantes num governante, mas a visão de estado deles já é conhecida.

Comente