Uncategorized

Curitiba bate recorde
de novos empregos em novembro

Cidade é quarta capital em número de trabalhadores formalmente contratados: 626.285.

O número de novos empregos formais criados em Curitiba em novembro foi o maior do ano, com 5.331 novos postos de trabalho com carteira assinada.

Também foi o melhor mês de novembro da série histórica avaliada iniciada em 2000. Os setores com maior aumento do emprego foram os serviços e o comércio, de acordo com o Observatório do trabalho, convênio entre a Prefeitura de Curitiba e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – Dieese.

“São números que comprovam um bom aquecimento na economia da cidade”, diz o prefeito Beto Richa.

Com o saldo de novembro, Curitiba alcança um estoque de 626.285 trabalhadores com carteira assinada, o que representa um crescimento de 0,9% sobre o estoque de outubro (620.954).

Nos primeiros onze meses de 2009 o estoque de emprego aumentou 4,1% em Curitiba. O saldo positivo é de 24.819 vagas — metade delas abertas no setor de serviços, que teve saldo de 12.728 novos postos de trabalho e crescimento de 4,1%.

Em termos relativos, ou seja, de variação do estoque em relação ao período anterior, a construção civil segue como o setor com maior variação: 12,5% entre janeiro e novembro de 2009, com 4.018 empregos contratados.

Entre as capitais brasileiras que possuem mais de um milhão de habitantes, Curitiba apresentou a sexta maior variação do emprego em relação ao estoque do mês anterior e o sétimo lugar em relação ao saldo de novos empregos e é a quarta em número de trabalhadores formalmente contratados: 626.285.

7 Comentários

  1. Falta atribuir o aumento de emprega ao prefeito Beto – pode este nome? – o que parece implícito ao associar a notícia com a observação – sempre vazia – do prefeito que se quer menino.
    Está na hora de analisar a cidade sob sua gestão: nada de novo no reino da Dinamarca. A velha receita e rotina do agora anônimo IPPUC, sem grandes lances, sem qualquer ousadia.
    Vamos nos concentrar na análise da única “grande obra”: a Linha Verde. Nem proposta pelo Beto foi. Implantou-a pessimamente. Onde gastou o dinheiro. Fez uma ligação com fachada vazia. Privilegiou sinaleiros ( logo aumentou o empregos de assaltante) não fez trincheira, não fez passarela. Coisinha anacrônica! è essa a grande obra.? Também herdou outras obras do japonês: a Capela do Santa Maria. Ótimo que a Camerata tenha sua sede. Mas precisava ser no local? Que grande interesse para o patrimônio arquitetônico tem aquele espaço para tanto investimento/desvio? Foi fatiada para dar lugar a um espaço mínimo, sem conforto, colagem de estilos e de capela tem apenas a luz no lugar dos santos. Tivesse coragem e deletasse o uso do espaço com processo pelos gastos anteriores. Nãs é o bom moço. Rei da acomodação. Continuando: vamos buscar obras ousadas, significativas? O Paço? Quem pagou foi a FEComércio! E o projeto é discutível.Continuando onde obras? Rios aguardando uma boa chuva para termos enchentes sérias (aliás, como ficou a Linha Verde com chuva forte? ), ônibus/transporte na rotina, e o velho novo projeto dometrô, trânsito na rotina, logo péssimo. Creches, estão sendo aguardadas? Saúde: única área que tem nome: o vice. E como vai? Meio Ambiente? Sai sem solucionar a Caximba; Ruinzinho o moço! É o que diria Emílio de Menezes: “Nem bom nem péssimo, vai indo”. Se não tem dimensão para Curitiba como terá para o Paraná? Deve-se estimular o Beto a permanecer na PMC e aproveitar os 3 anos para se redimir, tendo em mente que parar é regredir
    Não sei quem será candidato, mas merecemos os nomes cogitados? E logo depois de uma temporada de Requião, pode? Pior se o tal Beto tiver apoio do Requião. Será a prova de que os bastidores são turvos e os acertos fenomenais..

  2. A PEA de Curitiba deve passar de mais de um milhão de trabalhadores e trabalhadoras curitibanos.
    Se levarmos em conta que muitos dos 630.000 trabalhadores com carteira assinada existentes em Curitiba são da região metroplitana, é possível que mais de 60% dos trabalhadores e trabalhadores curitibanos estejam na informalidade, no desemprego e na exclusão social.

    Como o gerente de Curitiba Beto Richa nunca desencadeou no município um processo de desenvolvimento que mudasse essa realidade, podemos afirmar que nunca foi um prefeito de fato.
    E agora quer ser um governador. É overdose!

    Não sei o porquê do DIEESE e esse orgãozinho fajuta da prefeitura estarem soltando foguetes se a realidade é muito diferente.

    Quem anda no centro da cidade vê que a cada dia que passa o número de menores e mendigos abandonados é maior.

    E saber que a 25 anos atrás Curitiba não tinha mais de 3 mendigos no centro.
    Inclusive conhecidos de todos que pelo centro passavam.
    E mais, nenhum menor perambulando pela rua.

    Hoje é de chorar.

    Mas o adolescente da classe média tipo bonitão nunca se preocupou com isso. E nem D. Fernanda, de familia de banqueiros.

    O bom, é que Osmar e o frentão vem aí.
    E o casal da enrolação vai sofrer uma derrota acachapante.
    Queremos um governador e não um gerente.

  3. eder figueiredo Responder

    Até nisso o beto está escanteando o jorge bernardi que é o secretário do trabalho. antes quem anunciava os dados do caged era o jorge. agora é o beto. tem cheiro de fritura novamente no ar..

  4. Votos paranaenses referentes a entrada da Venezuela no Mercosul:
    Contra:
    2. Alvaro Dias (PSDB/PR)
    11. Flávio Arns (PSDB/PR)
    Favor:
    21. Osmar Dias (PDT/PR)

    É engraçado um senador fortemente vinculado a questão agrária por força de seu partido ser da base aliada votar a favor de um bolivariano…

  5. É o resultado da Gestão so Secretário NERSO Garcia em conjunto com o Lagarta da Fôia e sua equipe.

Comente