Uncategorized

Ministério Público denuncia 14 por tumulto no Couto Pereira

Do Bem Paraná

Todos foram indiciados por lesão corporal de natureza grave e seis por tentativa de homicídio qualificado.

O Ministério Público do Paraná protocolou na noite da última segunda-feira (21) denúncia criminal contra 14 pessoas que participaram do tumulto no estádio Couto Pereira, após o jogo entre o Coritiba e o Fluminense, no dia 6, pelo Campeonato Brasileiro.

Todos foram denunciados por lesão corporal de natureza grave, seis por tentativa de homicídio qualificado por motivo fútil e nove por invasão do campo e lesão corporal de natureza leve. Os cinco que responderão por lesão grave também deverão ser submetidos a transação penal perante o Juizado Especial Criminal, pela invasão do campo.

O MP-PR pediu ainda a prisão preventiva dos seis acusados pela tentativa de homicídio qualificado, que foi decretada ontem (22) pela Justiça.

O nome dos 14 acusados, as acusações que pesam contra eles e todas as demais informações você vê no Leia Mais.

Outros torcedores, que não participaram da invasão, continuarão sendo investigados pelo COPE por formação de quadrilha e porte ilegal de arma. Fotos obtidas no computador pessoal de um deles mostravam-no com amigos segurando armas de diversos calibres. Outra investigação que deve continuar envolve um torcedor acusado de tráfico de entorpecentes. Com ele foi apreendido quase meio quilo de maconha.

O MP-PR aguarda ainda laudos do Instituto de Criminalística e a coleta de outros depoimentos para verificar se a propositura de nova ação penal pelos crimes de dano qualificado é de atribuição da Instituição ou das próprias vítimas.

Outras pessoas – Ainda deverá ser ofertada transação penal a outras seis pessoas que não constam na denúncia protocolada ontem, cinco acusadas apenas pela invasão, e uma pela contravenção penal de “vias de fato”. Outra pessoa deverá responder por porte de entorpecentes para uso próprio. Quatro adolescentes que invadiram o campo responderão perante a Vara da Infância e Juventude pelo ato infracional praticado.

Outras oito pessoas já haviam sido submetidas a transação penal perante o Juizado, ficando proibidas de assistir aos jogos dos três times da capital por períodos que variam entre quatro meses e um ano, devendo, no momento dos jogos, apresentar-se ao Comando de Policiamento da Capital pelo menos uma hora antes de cada partida e ali permanecer até uma hora após o evento esportivo. Um outro torcedor compareceu ao Juizado, mas não aceitou a transação penal, motivo pelo qual deverá ser oferecida denúncia contra ele. Ainda outra pessoa que deveria ter comparecido à audiência no Juizado, não se apresentou na data marcada, devendo ser designada nova data.

Trâmite

A denúncia do MP-PR ingressou no plantão criminal e foi encaminhada ao Distribuidor Criminal, de onde deverá ser distribuída a uma das Varas do Tribunal do Júri da Capital (uma vez que, entre os crimes denunciados, está tentativa de homicídio, que é de atribuição do Júri).

No total, até agora, as investigações resultaram na identificação e encaminhamento para responsabilização criminal de 33 pessoas. As apurações policiais prosseguem, com o acompanhamento do Ministério Público, para identificar outros envolvidos e outros delitos que aguardam laudos e depoimentos.

Quem são os 14 denunciados e quais são os crimes e infrações pelos quais deverão responder na Justiça:

1- Adriano Sutil de Oliveira (Vulgo “Adrianinho”): tentativa de homicídio qualificado; lesão corporal de natureza grave; lesão corporal de natureza leve; invasão de campo (Estatuto do Torcedor)
2- Alexandre Henrique Ramos (Vulgo “Sangue”): lesão corporal de natureza grave; lesão corporal de natureza leve; invasão de campo (Estatuto do Torcedor)
3- Allan Garcia Barbosa: tentativa de homicídio qualificado; lesão corporal de natureza grave; lesão corporal de natureza leve; invasão de campo (Estatuto do Torcedor)
4- Carlos Eduardo Koerting (Vulgo “Canibal”): lesão corporal de natureza grave; além de encaminhamento para transação penal por invasão ao campo
5- Eder Luiz Gonçalves: lesão corporal de natureza grave; lesão corporal de natureza leve; invasão de campo (Estatuto do Torcedor)
6- Geison Lourenço Moreira de Lima: lesão corporal de natureza grave; além de encaminhamento para transação penal por invasão ao campo
7- Gilson da Silva (Vulgo “Neguinho”): tentativa de homicídio qualificado; lesão corporal de natureza grave; lesão corporal de natureza leve; invasão de campo (Estatuto do Torcedor)
8- Guilherme César Zdroyeski Muller: lesão corporal de natureza grave; além de encaminhamento para transação penal por invasão ao campo
9- Leonardo de Oliveira Rocha (Vulgo “Leco”): lesão corporal de natureza grave; além de encaminhamento para transação penal por invasão ao campo
10- Marcelo Barbosa (Vulgo “Marcelinho”): lesão corporal de natureza grave; lesão corporal de natureza leve; invasão de campo (Estatuto do Torcedor)
11- Raphael Alexandre Passos (Vulgo “Rap”): lesão corporal de natureza grave; além de encaminhamento para transação penal por invasão ao campo
12- Reimackler Alan Graboski: tentativa de homicídio qualificado; lesão corporal de natureza grave; lesão corporal de natureza leve; invasão de campo (Estatuto do Torcedor)
13- Renato Marcos Moreira: tentativa de homicídio qualificado; lesão corporal de natureza grave; lesão corporal de natureza leve; invasão de campo (Estatuto do Torcedor)
14- Sidnei César de Lima: tentativa de homicídio qualificado; lesão corporal de natureza grave; lesão corporal de natureza leve; invasão de campo (Estatuto do Torcedor)

O MP-PR propôs ainda o encaminhamento para transação penal, por invasão de campo, de:

1) Claudinei Aparecido Rodrigues dos Santos;
2) Leanderson Augusto Padilha Bernardes da Silveira;
3) Rafael Koerting;
4) Ivan Roberson Wolanski de Castro;
5) Guilherme Lessak Fullgraf.
(além de Carlos Eduardo, Geison, Guilherme, Leonardo e Raphael, que já constam na denúncia também por lesão corporal grave)

O encaminhamento para transação penal, por vias de fatos, de:

1) Oswaldo Fernando Dietrich

O encaminhamento para transação penal, por posse de entorpecentes para uso próprio de:

1) Luis Paulo Correia Dias
(em cuja residência foram encontrados 14 gramas de maconha)

O MP-PR também requereu que fosse providenciada cópia integral dos autos para remessa à Vara da Infância e Juventude, a fim de que se tomem as providências em relação aos atos infracionais cometidos por quatro adolescentes identificados na invasão do gramado.

Além de todos esses citados, dez pessoas que não invadiram o campo mas cometeram delitos durante o jogo já foram chamadas pelo Juizado Especial Criminal para serem submetidas à transação penal.

Oito concordaram com a transação e estão proibidas de assistir aos jogos dos três times da capital por períodos que variam entre quatro meses e um ano, devendo, no momento dos jogos, apresentar-se ao Comando de Policiamento da Capital pelo menos uma hora antes de cada partida e ali permanecer até uma hora após o evento esportivo.

Um torcedor compareceu ao Juizado, mas não aceitou a transação penal, motivo pelo qual deverá ser oferecida denúncia contra ele. Ainda outra pessoa que deveria ter comparecido à audiência no Juizado, não se apresentou na data marcada, devendo ser designada nova data.

4 Comentários

  1. Espero que justiça seja feita, sem interferências externas!

    Aliás, não querendo defender mas apenas a título de informação, quando a rede globo mostrou no programa Fantástico a imagem de uma pessoa arremessando as cadeiras em um polícial caído e identificou a pessoa como sendo o Reimakler, eles se equivocaram pois ele apareceu em outra imagem, longe do policial, com boné e outra camiseta.

    Mas quem entrou no campo tem que assumir a responsabilidade que foi exclusiva deles (e da falta de policiamento, parabéns SESP) e não do Coritiba que informou as autoridades sobre a possível confusão que poderia existir caso o Coritiba caísse.

  2. Atentem pelo detalhe do “vulgo” em alguns dos acusados. É não são apenas torcedores.

  3. Carlos-Curitiba Responder

    Mas sabe que isso é uma boa.

    No horario dos jogos os caras comparecerem na delegacia de policia.

    Assim nao precisara haver apresentação da carteira de identidade de todo mundo na entrada do estadio!

    Imagine ter que identificar cada um que entra e sai dos estádio! Coisa impraticável, tratando-se de milhares de pessoas!

    Inteligente medida tomada pela justica!

  4. A medida mais correta , e pedir na entrada atestado de antecedentes criminais, pois a atitude dessas pessoas ,.. so pode ser de marginais com fichas sujas..Esse tipo de pessoas ,so vao ao estadio para fazer vandalismo,baixaria,e acabar com a alegria dos torcedores, isso nao e de torcida organizada , mas de BANDIDOS E VANDALOS, SO PODE SER UNS INFELIZES ,RECALCADOS ,MAL SUCEDIDOS NA VIDA ,QUE NAO PODEM VER NINGUEM FELIZ…. E MAIS ,SE JUNTAO AS TORCIDAS ORGANIZADAS PARA PODEREM DETONAR COM TUDO…..SEMPRE ESTIVE COM NOSSA TORCIDA ORGANIZADA,.NEM POR ISSO FIZEMOS ESSE TIPO DE BARBARIE….NESSAS HORAS A POLICIA DEVERIA ATUAR DESCENDO O CACETE E PORRADAS NESSA CORJA DE MARGINAIS.

Comente