Uncategorized

Em ano de crise, 40% desaprovam Congresso, informa Datafolha

congresso

Pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha entre os dias 14 e 18 de dezembro revela que o Congresso Nacional chega ao final do ano de 2009 com 40% de avaliação negativa, informa Cátia Seabra para a Folha deste sábado.

O percentual indica que, a menos de um ano das eleições, o índice de reprovação é quatro pontos mais baixo que em agosto, auge da crise do Senado. Outros 39% consideram regular o desempenho de deputados e senadores da atual legislatura; trabalho do Congresso é ótimo ou bom para apenas 15%.

Segundo a pesquisa, 39% dos brasileiros consideram regular o desempenho de deputados e senadores da atual legislatura. O trabalho do Congresso é ótimo ou bom para apenas 15% dos entrevistados.

Palco de sucessivas crises, o Congresso tem o maior índice de reprovação entre a população de maior renda e maior escolaridade.

8 Comentários

  1. O Pato Curitibano Responder

    Impressionante. Isto quer dizer que se 60% aprovam o congresso, e provalmente têm baixa escolaridade ou são mal informados do que se passa a sua volta. Se estes 40% que não aprovam já leram sobre os mensalões ou falcatruas do congresso, e desses 50% aprovam o governo, isto justifica a populariadade do presidente. Então o negócio é manter todo mundo na ignorância.

  2. E se a manchete fosse: 60% aprrovam o congresso??? A manchete não faria o efeito que esta midia espera, ou seja, demoralizar o legislativo!
    Eu, que sou relativamente bem informado, não sabia que só 40% dos deputados estavam envolvidos na “farra das passagens”. Soube somente pelo Ciro Gomes, quando ao seu estilo, passou um pito no pessoal do canal livre. Ninguem da midia nos passou esta informação, pois o objetivo era desmoralizar atodos.
    Não é de hoje que o Lula disse que havia 300 picaretas. Se são 300, pau neles e não no todo!

    js

  3. será que não é o contrario?…60 % desaprovam….tem algo de errado nesta pesquisa.rsrsrsrsrs

  4. Mas desse jeito , só 40% desaprova o Congresso,vejam só o coroner Sir Ney tinha razão,foi um ano sensacional,ninguém preso ou cassado,passou tudo na surdina,cargos ,dólares,etc…etc…
    Que povo é este(60%) que está mentindo tanto,com tanta ladroagem e tem estes desinformados(60%) que não sabem ou não querem saber de nada,bando de mané….FFFFOOOORRRRAAAA Sir Ney,Collor de Mello e Silva, fora Duce e família, fora Dilma e sua cambada,fora Cássio oportunista,fora toda a bancada de deputados estaduais e a pior bancada de deputados federais do Brasilllllllll………

  5. Depois que o chefe da bandidagem que atende pelo nome de Sarney declarou que foi um ano sensacional, para mim chega. Eu acho que esses senadores estão certos de suas atitudes, errados estamos nós que os colocamos lá. E a perdurar este estado de coisas, devem continuar com as falcatruas Cabe à nós acabarmos com essa festa, tirando-os de lá através da única arma que possuimos contra esta camarilha, o voto.

  6. Eu acho impressionante a quantidade de pessoas, inclusive que opinam aqui, que esbravejam um monte e depois encerram que uma frase que já estou cansado de ouvir: “… a única arma que possuímos, o voto”.

    Será que sou um dos únicos a enxergar que um “votinho” meu não tem o menor peso na eleição? De nada adianta ficar esbravejando: “Vamos dar resposta no voto”; “O povo tá vendo”; “O povo vai dar q resposta nas urnas” e tantas outras balelas.

    Aquele deputado que não lembro o nome, se não me engano no caso do castelo de sei lá quantos milhões, que disse no microfone para toda a nação escutar, que tanto ele como o outro voltariam na próxima eleição nos braços do povo, está certíssimo. Quanto mais pilantra, mais voto tem.

    Essa gente que é obrigada a ir votar por uma lei estúpida, de um país de bananas, que transforma um direito em uma obrigação, não faz a menor idéia do que está fazendo. Vota naquele que mais aparece na TV. Simples assim.

    Portanto, o seu “votinho” não significa NAAAAAADAAAAAAAAAAAAAAA. Um “votinho” consciente contra 1000 votos obrigatórios e ignorantes não causa efeito algum.

Comente