Uncategorized

Em Cascavel, Beto reafirma compromisso com a agricultura

Na Copacol, candidato disse que vai investir fortemente na infraestrutura do Paraná e fortalecer o agronegócio. Paraná terá 60 patrulhas mecanizadas para recuperar estradas

Mais de 1.500 lideranças comunitárias, empresariais e políticas receberam Beto Richa, na noite de sexta-feira (13), no Clube Comercial em Cascavel. O candidato da Coligação Novo Paraná disse que registrará seu plano de governo em cartório nesta segunda-feira (16). “Os paranaenses vão ter acesso a todos os meus compromissos na área da infraestrutura, saúde, educação, segurança, ação social, que estão descritos no plano de governo. O documento também terá proposições que surgiram das sugestões que recebi da população nas viagens que fiz pelo Estado”, disse Richa.

Beto Richa disse que teve a mesma postura quando assumiu a prefeitura da capital paranaense. “Cumpri todos os compromissos assumidos na primeira gestão e registrei novamente minhas propostas para a reeleição. Desta maneira, trabalhando muito, de domingo a domingo, conquistei a confiança dos curitibanos, que sempre me deram um alto índice de aprovação”, afirmou.

Em encontro com lideranças políticas da região, Beto Richa ressaltou que a região Oeste precisa de mais investimento na área de infraestrutura e logística, além de qualificação profissional e incentivo para atrair novas indústrias. “Precisamos fortalecer o agronegócio. Somente teremos um Paraná forte se o agronegócio estiver forte”, disse Richa.

Richa também destacou que vai enfrentar firmemente o problema do tráfico de drogas. “Vou abrir uma guerra contra o crack, que é uma droga que desagrega as famílias e está fazendo as mães chorarem lágrimas de sangue”, disse.

“Não vou aparelhar a máquina pública com a companheirada”, declarou Beto Richa, garantindo que Copel e Sanepar serão mantidas como empresas públicas, mas não como cabides de emprego. Ele anunciou também fortes investimentos na recuperação do Porto de Paranaguá, hoje em situação decadente.

O candidato disse que setores como educação, saúde, infraestrutura e segurança pública receberão atenção especial e antecipou algumas ações, como a implantação do ensino em tempo integral nos municípios com menor IDH, a instalação de 22 centros regionais de atendimento especializado, na área da saúde, e a contratação de 5 mil novos policiais militares.
As propostas de Beto Richa agradaram o empresário e ex-prefeito de Cascavel Pedro Muffato. “Beto se mostrou mais preparado para governar o Paraná. Ele tem a jovialidade e a audácia necessária para transformar o Estado”, disse.

COPACOL
Em encontro com mais de 100 cooperados e diretores da Copacol, em Cafelândia, Beto Richa disse que vai melhorar a estrutura viária da região. “Vou colocar 60 patrulhas rodoviárias, que são equipes de pavimentação, para recuperar as estradas no Estado. Vou fazer o calçamento das estradas rurais, para trazer mais segurança para pessoas e veículos e facilitar o escoamento da produção”, disse.
Richa vai avaliar o pedido do presidente da Copacol, Valter Pitol, para melhorar as estradas de acesso do município com Jesuítas e Palmitópolis. “O governo estadual precisa para dar condições das empresas e cooperativas trabalharem e gerar empregos”, disse Richa. Pitol informou que neste ano a empresa vai faturar R$ 1,15 bilhão com a venda de derivados de frango e cereais.
Richa também defendeu o fim das invasões de terra por movimentos sociais partidarizados. “Vou cumprir todos os mandados de Justiça, para trazer a paz no campo e a tranquilidade para o produtor rural”, disse Richa. “No meu palanque não tem MST.”
Para Romano Czeniej, ex-presidente da Copacol e ex-prefeito de Cafelêndia, Beto Richa demonstrou que vai fazer um governo de união dos paranaenses. “Beto, assim como seu pai, José Richa, sabem governar ouvindo as pessoas e atendendo as necessidades do campo e as prioridades da capital. Beto Richa vai governar para todos paranaenses”, disse.

3 Comentários

  1. Como tenho dito, as campanhas hoje são muito parecidas. Todo mundo fala o que os marqueteiros identificam como importante. Segurança, agricultura, saúde, educação, etc…Todos eles vão consertar tudo. Os antecessores também iam consertar e tudo está cada vez pior. Portanto, o que esse pessoal fala ou deixa de falar não vale muita coisa. Para mim, esse pessoal que defende tanto determinados candidatos só pode fazer isso por questões pessoais (tipo emprego, cargo, etc…). Caso contrário, não defenderiam tanto os imbecis que se colocam para a disputa.

Comente