Uncategorized

PSDB cogita troca do vice de Serra e depois recua

Da Folha.com

Integrantes do comitê de José Serra à Presidência consultaram a assessoria jurídica da campanha sobre a possibilidade de troca do vice Indio da Costa (DEM-RJ) no segundo turno da eleição.

O advogado da campanha, Ricardo Penteado, desaconselhou a operação, alertando para riscos de perda do registro da candidatura de Serra.

Segundo relato de um tucano, integrante da cúpula da campanha e íntimo colaborador de Serra, a assessoria jurídica argumentou que a substituição do vice pode ser questionada na Justiça.

A avaliação de Penteado é de que, apesar de dúbia, a Constituição permite a interpretação de que o vice é também titular da chapa, não só o candidato em si. E, que passado o primeiro turno, o vice pode ser considerado como uma espécie de sócio da votação destinada à chapa.

Tucanos chegaram a afirmar que, segundo essa interpretação, a morte ou desistência de um candidato a vice invalidariam a candidatura do titular de uma chapa em um segundo turno.

Especialistas ouvidos pela Folha afirmaram que a troca é permitida pela legislação.

Alimentada por alguns integrantes da campanha, a ideia de substituição de Indio da Costa nasceu da torcida pela ampliação do eleitorado de Serra no segundo turno. Foi cogitada a indicação de Fernando Gabeira (PV-RJ) para a vice, para aumentar a votação no Rio.

Mas a proposta foi descartada porque a Lei Eleitoral não permite a indicação de um nome cujo partido não componha a coligação original do candidato.

Num segundo momento, ventilou-se a hipótese de o ex-governador Aécio Neves (PSDB) assumir a vice. Recém-eleito senador, poderia optar entre a vice-presidência e o Senado só na hora da posse, segundo tese levantada por um integrante da Executiva Nacional do PSDB.

Mas a possibilidade de Aécio assumir a vice –numa tentativa de atrair eleitores mineiros– foi desautorizada não só por orientação jurídica, mas por não se saber que impacto político isso provocaria, sobretudo no Rio.

Segundo especialistas, para ocupar a vice Aécio teria que renunciar ao Senado.

O tema é controverso, uma vez que consulta feita ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) em 1994 indicou que esse tipo de substituição poderia provocar um desequilíbrio no processo eleitoral.
Para descartar o assunto, democratas lembraram que a troca só seria possível com a anuência do próprio Indio, que teria que renunciar.

Irritados com os rumores, democratas chegaram a se queixar da discussão de uma agenda negativa num momento em que Serra deveria buscar a união entre aliados.

Para debelar a crise, tucanos se apressaram para negar qualquer iniciativa nesse sentido. “Isso é um factóide”, afirmou Aloysio Nunes Ferreira, senador eleito pelo Estado de São Paulo.

10 Comentários

  1. A troca é permitida, senão a mulher do Roriz não poderia tê-lo substituído para a disputa do governo do DF.
    A questão é que o PSDB errou ao aceitar a indicação do Índio da Costa como vice. Agora é complicado mudar. Mas pense na hipótese de o Serra se eleger e acabar falecendo durante o mandato. O presidente do Brasil seria Índio da Costa. Patético!
    Este foi um dos motivos que me levou a votar em Marina Silva no primeiro turno. Agora não tem jeito, é Serra na cabeça. Tudo menos Dilma.

  2. Escolha errada de vice pode custar a presidência ao Serra. Panaca!

    Agora vão ter que torcer para que a Dilmalandra se quebre com suas declarações de comunista atéia sobre aborto, casamento gay e outras particularidades da sociedade contemporânea.

  3. O Serra virou ambientalista de última hora, mas ele diz que é ambientalista desde criancinha. Desde quando um neoliberal defende meio ambiente? Haja saco, vai ver foi por ser ambientalista desde criança é o motivo dele manter o ” Indio” como vice. Ou levou uma chunchada do DEM.rsrsrsrssrsrs

  4. jamanta do norte do estado Responder

    então mata o vice……. só o psdb pra sair com esta de trocar o vice no segundo turno….será que a Marina vem com o Serra ou vai com a DILMA nossa proxima presidente…. é pagar pra ver

  5. Campana, segue e-mail enviado por mim ao governador Pessuti (é bom que os paranaenses tomem conhecimento disso):

    Prezado Governador Pessuti,

    Li no jornal hoje que o senhor ressaltou que sua primeira missão agora é cuidar da eleição nacional. Pois eu penso que não, caro governador. Sua primeira missão é cuidar do Estado do Paraná. Ao invés de fazer campanha para o PT o senhor deveria cuidar do nosso Estado, governador, afinal, está no cargo para isso. O Sr. não é candidato a nada nestas eleições, portanto, mãos à obra, pois o nosso Estado não pode ficar abandonado por suas conveniências político-eleitorias. Não esqueça que o Sr. tem um dever a cumprir com o povo paranaense e ficar fazendo campanha, sendo que o Sr. nem candidato é, não condiz com o cargo de governador de um dos Estados mais importantes da Federação. Agora, se o Sr. ainda pretende um dia se candidatar a alguma coisa, é bom que aproveite da melhor forma o pouco tempo que lhe resta à frente do Estado, pois certamente fazer campanha para a Dilma (que foi rejeitada pela maioria dos paranaenses na última eleição, caso o Sr. ainda não saiba) não está entre as prioridades do Paraná.
    Grato pela atenção.

  6. FISCAL DE REALEZA Responder

    EU ME VEJO NO DIREITO DE DAR UMA OPINIÂO

    PORQUE ELE NÂO PEGA O ALVARO PERUCÂO DE VICE QUER PERDER MAIS FACIL

    TUDO UMA TROPA DE BOBALHÂOES

Comente