Uncategorized

Milionários não se reelegeram para a Câmara Federal

Picler: campanha mais cara

Roger Pereira do Parana Online

Nem só de dinheiro é feita uma campanha eleitoral. O relatório das prestações de contas dos candidatos, disponível no site do Tribunal Superior eleitoral aponta que cada deputado federal eleito pelo Paraná gastou, em média R$ 1,157 milhão para conseguir uma cadeira na Câmara Federal.

Alguns dos eleitos conseguiram fazer campanhas bem mais modestas que os colegas. Cinco deles conseguiram se eleger declarando despesas inferiores a R$ 300 mil.

Outros três candidatos, mesmo com campanhas milionárias não conseguiram umas das 30 vagas paranaenses na Câmara, ficando na suplência. As duas campanhas mais caras, inclusive, não resultaram em eleição.

Candidatos à reeleição pela super coligação PT, PMDB e PDT, os deputados federais Wilson Picler (PDT) e Marcelo Almeida (PMDB) gastaram mais que os R$ 4,2 milhões declarados por Alfredo Kaefer (PSDB – o deputado eleito com a campanha mais cara) e não conseguiram votação suficiente para se elegerem.

Picler teve a campanha mais cara entre todos os candidatos, superando os R$ 5 milhões. O empresário do ramo da educação declarou uma despesa de R$ 5,6 milhões, gastando R$ 81,00 para cada um dos 69.215 votos que recebeu e o deixaram na terceira suplência da coligação.

O segundo suplente é Marcelo Almeida, empresário da construção civil, herdeiro do grupo CR Almeida. O deputado gastou R$ 4,9 milhões, cerca de R$ 59 para cada um dos 82.518 votos, votação superior ao dobro do candidato que ficou com a última vaga, Leopoldo Meyer (PSB), que teve 38.649 votos, mas disputou a eleição por uma coligação bem menos concorrida que a do PMDB.

Outra campanha milionária que não resultou em eleição é a do futuro primeiro suplente do PMDB, deputado federal Odílio Balbinotti.

Representante do agronegócio, o deputado investiu R$ 2,4 milhões, a quarta campanha mais cara entre os candidatos a deputado federal no Paraná, mas recebeu 84.523, quase nove mil votos a menos que o último eleito da coligação, Dr. Rosinha (PT), que gastou R$ 1,1 milhão, e 10 mil votos a menos que Assis do Couto (PT), que gastou “modestos” R$ 278 mil.

As despesas de campanha de Marcelo Almeida, Picler e Balbinotti superam, inclusive os gastos de candidatos nas eleições majoritárias. Os gastos de Picler e Almeida foram superiores que os do senador eleito Roberto Requião (PMDB), que declarou R$ 3 milhões em despesas.

As de Balbinotti foram maiores que as dos terceiro e quarto colocados na disputa para o Senado, Gustavo Fruet (PSDB), que gastou R$ 2,1 milhões, e Ricardo Barros (PP), R$ 2 milhões.

9 Comentários

  1. tem coisas que só o poder proporciona, dinheiro nenhum no mundo compra, a prova está logo acima…

  2. Para câmara Federal foram mais de 1.100 votos na região centro sul,para o Deputado Federal Wilson Picler PDT em Prudentopolis, Guamiranga, Ivaí,Ipiranga. qual regimentado a campanha da majoritaria os custos de cada votos não passaram de 5.00 reias por tanto não deve ser considerado que nem todos fazem campanha com dinheiro, a contribuição que o Deputado Wison Picler teve na maioria dos municipios muitas vezes estavam servindo tambem para os trabalhos da majoriataria com todos os candidatos inclusive ao Senado Federal.
    No caso de prudentopolsi Beto Richa contava com sete frente de grupos politicos pedindo votos e fazendo campanha dia enoite , e mesmo assim pedeeu par Osmar Dias QUE TEVE SUA CAMPNHA FEITA POR AMIGOS DELE.

  3. O CANDIDATO PICLER PODERIA GASTAR O DOBRO DO QUE GASTOU QUE NÃO FARIA VOTOS SUFICIENTES PARA SE ELEGER. O QUE ATRAPALHOU MUITO A SUA CAMPANHA FOI O COORDENADOR GERAL, UM “TAL DE NIVALDO ROCHA LOURES RAMOS”. É SÓ PERGUNTAR PARA OS PREFEITOS, VEREADORES E LIDERANÇAS POLÍTICAS DO INTERIOR DO PARANÁ PARA SE TER A RESPOSTA. O COORDENADOR GANHOU… E MUUUITO!!!!

  4. O professor Galdino não quis gastar e só ficou na suplência com 24.000 votos, gastando só R$ 2.000. Se ele gastasse uns 10.000 garanto que se elegeria. Fica uma lição ao Galdino: por favor Galdino, na próxima campanha gaste pelo menos 10.000 que tu será eleito!

  5. SÓ PRA CARREGAR A MALA DA MULHER DO PREFEITO BAKA DE PARANAGUÁ, O PICLER GASTOU $ 1 MILHÃO.
    TOMARAM O DINHEIRO DELE EM PARANAGUÁ.
    A MULHER DO PREFEITO FEZ RIDICULOS 6 MIL VOTOS!!

  6. DURO FOI O MARCELO ALMEIDA DOAR MAIS DE 1 MILHÃO DE REAIS PRO NEY LEPREVOST POR DENTRO, QUE APENAS EMBOLSOU A GRANA, FEZ 50.000 VOTOS EM CURITIBA E NÃO DEU NEM 10 MIL VOTOS PRA SUA DOBRADA… ISSO PORQUE DOS 17 MIL VOTOS QUE ELE FEZ EM CURITIBA ACREDITO QUE 7 MIL SEJAM DO PRÓPRIO… LOGO O SUPLENTE ALMEIDA TINHA QUE COBRAR A CONTA DO NEY. SE O MESMO GASTASSE METADE COM SUA DOBRADA O ALMEIDA ESTAVA ELEITO… ISSO É POLÍTICA!!

  7. Bem o Dep Wilson Picler gastou um valor alo realmente porém tudo de seu bolso e declarado…. duro é alguns que gastam muito mais e não declaram …. parabens picler por sua atuação e acima de tudo por sua honestidade !!! parabens e não desanime é de pessoas como o sr que o Brasil precisa..

  8. Vergonha o número de votos do Picler, pelo tanto que gastou declarando um valor absurdo e depois que estourou o limite, usou de outros meios para efetuar pagamentos e, mesmo assim após a derrota muitos colaboradores de campanha tiveram seus cheques sustados por não ter fundo na conta. Ele, Picler, é um homem bom, mas sua coordenação de campanha e assessoria de imprenssa deixou a desejar e muito. Ele, ainda continua com a assessoria que vendeu sua candidatura e mandou embora os que o defendiam e são do bem! PICLER, acorda, ainda dá tempo…você dobrou sua votação com relação a 2006 e poderá construir uma base de apoio para uma futura eleição.

Comente