Uncategorized

Governo vai às compras com apetite milionário

O que explica tanto apetite do governo de Orlando Pessuti pelas compras de produtos de informática? Um levantamento feito pela equipe de transição indica que estão em andamento ou planejadas compras no valor total de R$ 198.296.880,23 em produtos de tecnologia da informação e comunicação, em pelo menos oito áreas do governo.

São R$ 100 milhões na Secretaria da Administração, R$ 57 milhões na Celepar, R$ 23 milhões no Porto de Paranaguá, R$ 15 milhões na Copel, R$ 1 milhão na Secretaria de Segurança Pública, R$ 942 mil na Sanepar, R$ 360 mil na Secretaria da Justiça e R$ 10 mil no Detran.

16 Comentários

  1. Luiz Cláudio S. Silveira Responder

    Não se asuste Fábio, sei que voce é totalmente contra estas compras, mas este é o acúmulo de atrasos represados pela política do software livre do Requião, que nem ele sabe o que é. Nada contra o código aberto, mas é uma herança típica de uma situação de 7 anos de ‘BAGUNÇADO MAS SEM GERÊNCIA’.
    Há muito sucateamento, aliás todo o parque tecnologico do estado está lento. Pode ter certeza que estes sim são investimentos em qualidade de serviço, de atendimento, de trabalho, etc, não gastos (se feitos com lisura).
    Pergunta-se: com tanta deficiência tecnológica, fez sentido a compra das tvs e dos pen drives? Não, muitos estão fora de combate hoje
    Ergonomicamente falando, os índices de lesões por esforços repetitivos dos professores da rede estadual são altíssimos. Sabe porque? Falta funcionalidade nos trabalhos com informática. Os pendrives já se danificaram, pois tem vida ùtil curta; em seis anos de Paraná Digital as escolas não receberam nenhum software educacional decente. Aliás, os técnicos pedagógicos lá da TI ganham salários com nosso dinheiro só pra ficarem pesquisando programinhas free na internet para depois enviarem para os laboratórios sem qualquer acompanahmento.
    Cinco anos se passaram e os professores não sabem nem baixar vídeos do Youtube. Muito menos convertê-los para rodar nas tvs.
    A DESINFORMAÇÃO CONTINUADA foi tanta que muitos colégios já estão, por conta própria, adquirindo softwares proprietários, fugindo para o Windows Seven.

    Talvez o Requião tenha sido enganado por seus assessores de TI, pode ser que tivesse boas intenções, mas o fato é que o caos está aí e precisa ser corrigido. Com certeza o Beto Richa também faria estas aquisições que estão sendo feitas pelo Pessuti. É só ter bom senso para perceber que a situação dos servidores, neste aspecto de tecnologias, é preocupante.

    A mim só cabe uma pergunta: Sra Secretária de Educação do Paraná, Srs da TI das escolas…qual a sugestão de voces para 2011 para que eu contnue usando as Tvs laranjas sem precisar de licenças “não oficiais’ de softwares em meu laptop? PS: não vale indicar o BR Office, coisa que já fazem inutilmente há anos.

    Fábio, na sua lista de secretarias não vi a minha, e como o ex-secretário ainda tem lá alguns seguidores “aspones’, com certeza aí tem coisa. Pode ter certeza que estes “aspones” podem estar boicotando investimentos que não interessam ao chefe. E com isto quem perde são os professores.

    Com a palavra a TI da SEED…a APP tb… o Pessuti…

  2. Ainda bem que esse cara não foi eleito governador , pouco tempo que está
    a frente do Palácio, quer deixar o próximo governo sem estruturas, quer comprar tudo , e fazer o que não fizeram em 8 anos. Só sabe trazer aftosa para o Paraná.

  3. Também acho inoportuno, mas em algum caso está sendo encaminhado agora por incompetência dos órgãos, que deixaram para executar após o fim da gestão do RR. Como houve troca de pessoal nas áreas internas e foram indicados assessores sem qualificação necessária para realizarem as compras, atrasou tudo.

    Se analisarem a SEJU e a SESP com certeza isto aconteceu.

  4. Acho que o Sr precisa separar as coisas.

    Primeiro, hoje o paraná tem um rede interligada para a educação no Paraná, coisa que nunca houve. Além do mais, existem sim diversas soluções educacionais, renomadas na plataforma livre e que foram disponibilizadas nas escolas.

    Talvez possa concordar contigo, se as dificuldades que o Sr cita, são decorrentes da falta de capacitação dos professores nessas tecnologias.

    Youtube. A proposta é dar aula ou ficar assistindo conteúdos questionáveis? Vai faltar rede para dar esse tipo de acesso para 44.000 computadores.

    Investimentos. Quem conhece dos problemas atuais de TI nas escolas, sabe muito bem, que é necessário um investimento continuado em termos de TI. Agora quanto aos investimentos, se estiver contemplada a rede escolar, ótimo.

    Acho que falta mesmo é a capacitação dos professores.

  5. muito me faz triste saber que um dos gerentes de uma instituição de ensino faz chacota do BR office, enquanto milhares de pessoas precisam de recursos do estado para saude e areas afins, vem um gerente falar mal de um editor de texto que só porque nao tem que pagar uma fortuna pro bil gatees nao presta!
    é humilhante

  6. Roberval, voce tem razão.
    Todo mundo sabe que muita coisa não aconteceu na SEED e em outros órgãos do governo por temor das críticas da oposição na Assembléia. Isto é um sintoma claro de despreparo dos quadros. Pior, más linguas dizem que, mesmo com Pessuti, há fortes lideranças de ex diretores, afastados recentemente, sobre pessoas da informática das escolas. Dependendo do humor destes, os projetos são levados adiante ou engavetados. Ex que apareceram recentemente nas manchetes.
    Parabéns à oposição da Assembléia que acuou estas “lideranças’!

    “Quem não é capaz de capacitar a si também não é capaz de capacitar os outros”. Isto resume o ano de 2010 da TI da educação.

  7. Funcionario da Sanepar Responder

    R$ 15 milhões na Copel x R$ 942 mil na Sanepar, é por isso que temos que trabalhar com aquelas carroças, será que estão mandando máquinas de datilografia para Sanepar e Lap top para Copel?

  8. Pen-drive está superbarato, não precisa mais de investimento nisto. As tvs laranja, tão criticadas, facilitaram muito nosso serviço e agora podemos trabalhar com maior variedade de gêneros textuais (músicas, vídeos, aulas em power point) além daqueles restritos ao livro didático.
    Os laboratórios do PR Digital, apesar de serem um sistema operacional diferente, funcionam bem, apesar da lentidão em certos momentos do dia, mas dá para contornar. Antes não tínhamos nada, além de quadro negro e giz. Não está bom, mas avançou bastante. O Requião pode até ser louco, mas a equipe dele na Seed trabalhou direito,
    Os cursos eram de verdade, não era aquela enganação de qualidade de vida em Faxinal do Céu, com palestrantes pagos a peso de ouro.

  9. Finalmente está se comprando alguma coisa, pois Maria Louca tesourava as aquisiçoes de todo os orgaos do estado.

  10. …SERIA INTERESSANTE…ANTES DESSE DEBATE SOBRE INFORMÁTICA…MELHORAR A CAPACITAÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE DE ENSINO DO 1º E 2º GRAU E RESPECTIVO SALÁRIO.

    POR QUÊ UM PROFESSOR UNIVERSITÁRIO COM DOUTORADO…MINISTRA EM SALA DE AULA, NO MÁXIMO 4 DIGO QUATRO…AULAS NA SEMANA!!!! E GANHA QUASE OITO MIL…..COM CARGO EM COMISSÃO!!!!!!!!

    PROFESSORES ISSO É UM ALERTA….

    AMIGO FRUET….PRIORIDADE NOS ESTUDOS DAS ESTRUTURAS DAS UNIVERSIDADES…..É MUITO CHEFE PARA NADA…… SÃO CARGOS PARA MANTEREM A REITORIA…..

  11. Não gosto de entrar no mérito do que é pago é melhor, mas em relação ao BrOffice tenho certeza que esta máxima é verdade, mas temos outras opções no mercado que é o da GOOGLE, ela dispõe de Browser e todas as ferramentas Office gratuitamente e parece que é bem melhor que o BrO.

    O que me preocupa agora é como o Estado através da CELEPAR vai propor para esta nova gestão, continua utilizando software livre, muda para o proprietário ou tenha um mixe entre eles, o que parece mais razoável.

    Cabe a CELEPAR voltar a treinar os usuários na tecnologia que indicar, isto sempre ouvindo os órgãos do Estado, porque na gestão do Requião e Pessutti a CELEPAR passou por cima das necessidades e demandas dos órgãos. Isto foi proposital, porque teria que inserir a utilização do SL a força, então buscou indicar para seus cargos de chefias técnicos com pouca experiencia e que não questionavam a utilização de qualquer tecnologia.

    Veja a situação da CELEPAR neste momento, todos criticando e pedindo para que tenha uma gestão profissional e não ideológica. Os órgãos do Estado devem ser tratados como empresas, elas prestam serviços aos cidadãos, então devemos prover solução que os atendam e que facilitam suas vidas.

  12. Percebo que poucas vezes tivemos discussões consistentes sobre a TI do estado nestes blogs. E aqui tivemos opiniões bem interessantes.

    Só deixar claro que no nosso caso da educação, parece que o problema maior não tenha sido no depto de TI, de suporte técnico, que se virou como pôde, mas no pessoal do uso da informatíca educacional, aqueles que assessoram os nucleos. Aí sim faltou competência.

  13. Solução google? Você José sinceramente acha responsável tramitar dados governamentais, do cidadão em um ambiente onde nem mesmo sabemos onde se encontra?

    Não sei se o Sr. sabe, 95% dos usuários utilizam menos de 10% da capacidade de um editor de texto ou planilha.

    Quanto ao questionamento de alguns quanto ao BrOffice. Digo o seguinte, proponho licitar para o estado inteiro.

    Teremos duas opções:
    O OpenOffice da ORACLE, mais barato e o Microsoft Office mais caro. Portanto, se a licitação não for dirigida (ilegal) a empresa ganhadora será a ORACLE por possuir um produto mais barato.

    Se o próximo governador tiver bom senso, irá organizar a zona que transformaram a CELEPAR nestes últimos 4 anos e continuar a utilizar o BrOffice que é 100% livre e gratuito.

    Técnicos inexperientes? Perguntem o que aconteceu com a infraestrutura de Diretórios projetada pela Microsoft para o Estado, o famoso Active Directory da Microsoft. E vejam como está esta infraestrutura projetada pelos técnicos da CELEPAR utilizando software livre.

    Ótimo relato professora Vivi.

  14. ricardo - funcionario celepar Responder

    O grande problema é que essas compras do Governo do Estado estao cheias de direcionamento a empresas ligadas a verdadeiras quadrilhas dentro do Governo.

    Existe um edital de servicos de mainframe que os tecnicos da Celepar orcaram em R$500.000,00 a turma do novo presidente ligado a governador orçou em R$1.785.000,00 um absurdo. A empresa que esta muito interessada e a frente disso eh uma tal de Lume e vai ficar com mais de R$1.2Milhão a mais no bolso.

    Ainda existe um edital de compra de Storage para a SEFA de R$12Milhoes que o Governo tem apenas R$5.0Milhoes e numa manobra deixara uma divida de R$7.0Milhoes para a Celepar no proximo ano que nao tem esse investimento previsto. Alem de que os equipamentos somente serão entregues em Fev/Marco mas ja saira um caminhao de dinheiro esse ano para os interessados. Ainda sobre esse tema dizem que por essa “voracidade e pressa” irão comprar um equipamento antigo.

    Tem tambem um processo de Aquisição de Banco de Dados para a SEFA que incharam de servicos e ´parece que éh a mesma empresa Lume que ira ganhar ou se sujar a barra ira colocar uma outra empresa a Ação Informatica que tb tem sempre ganho os projetos no Governo do estado, vejam os ultimos editais de Copel, Celepar e ainda no governo federal sempre essa Ação ganhando.

    Esquisito não? com tantas empresas sempre as mesmas ganham e sempre são sabidas antes mesmo do edital estar publicado.

    Ainda tem um processo de mais de R$5.0Milhoes de impressoras de grande porte.

    Entao como aqueles que defendem podem ver tem coisa cheirando muito mal nesses editais e investimentos.

    Cade o Tribunal de Contas e o ministerio público para investigar.!!!!!!!!!

  15. Roberval, sei do que está falando sim e pactuo que devemos insistir na utilização do BrOffice, mas devemos liberar a utilização do Windows e Office para aquelas pessoas que necessitam utilizar 100% de seus potencial.

    Sobre o Windows vc deve saber que temos inumeras aplicações que recebemos dos Ministerios (Saude, Justiça e etc) que não rodam no LINUX, então devemos definir uma gama de tecnologia e faze-las funcianar juntas sem prejuizo a quem as utiliza.

    Não devemos só basear nos custos, mas sim na sua utilizdade e ganho de performance na execução dos serviços.

    XIITAS gauchos nunca mais.

  16. Nunca foi proibida a aquisição de soluções proprietárias. Agora, compra de soluções TI sem um planejamento adequado, é jogar dinheiro fora.

Comente