Uncategorized

Caso Disapel: julgamento adiado pela 6ª vez

Da Banda B

O advogado Guilherme Navarro é o último acusado a ser julgado. Ele era amigo da vítima

Foi adiado há pouco, pela 6ª vez, o julgamento do advogado Guilherme Navarro Lins de Souza, suspeito de ser o mandante do assassinato de Paulo Gustavo de Freitas Turkiewicz (foto), herdeiro da rede de lojas Disapel, em 2003. O adiamento teria ocorrido após um pedido do advogado de acusação. O juiz responsável informou que o suspeito deve sentar no banco dos réus do próximo dia 10.

O advogado Guilherme Navarro Lins de Souza, era amigo de Paulo e é apontado como o mandante do crime. Outras duas pessoas que teriam sido contratadas para matar o jovem já foram condenadas. Um acusado foi absolvido.

Navarro foi denunciado por homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e sem possibilidade de defesa da vítima), mas responde pelo crime em liberdade.

Segundo Ana Cristina Turkiewicz, irmã da vítima, Navarro se aproximou de Paulo Gustavo já com o objetivo de extorquir a vítima. “Guilherme chegou como quem não quer nada se passando como um amigo em uma situação parecida: tinha perdido o pai e também cuidava da família sendo o filho mais velho. Depois de algum tempo, quando percebeu que tinha conquistado a confiança de meu irmão, passou a se apropriar de recursos financeiros de nossa família, sob o pretexto de fazer investimentos”, relembra Ana Cristina. O crime aconteceu depois que Paulo Gustavo passou a questionar Guilherme Navarro sobre o destino das aplicações financeiras.

Após o anúncio do adiamento do julgamento, as famílias e os advogados de defesa e acusação discutiram no tribunal.

O crime

Paulo Gustavo de Freitas Turkiewicz, 31 anos, foi executado no dia 1º de abril de 2003, com quatro tiros – três na cabeça e um no tórax – no estacionamento de uma academia de tênis no Bairro de Santa Felicidade, na capital paranaense. Quatro homens teriam participado do crime: Guilherme Navarro Lins de Souza – apontado como mentor e mandante, Sebastião Cândido Gouveia, Rogério Juliano Gonçalves e Altaídes Prestes Lemos. Rogério e Altaídes já foram à julgamento, considerados culpados e cumprem pena. Sebastião foi absolvido.

A empresa

A rede de lojas Disapel, fundada na década de 1970, teve sua falência decretada em junho de 2000, época em que contava com 81 filiais distribuídas nos três estados do Sul do país – 36 no Paraná, 20 em Santa Catarina e 25 no Rio Grande do Sul. As lojas foram levadas a leilão, e adquiridas por R$ 12,1 milhões pelo Ponto Frio.

2 Comentários

  1. Adiado pela sexta vez? Isso é uma vergonha! É um abuso da paciência do cidadão que acompanha o caso e, sem dúvida, da própria família enlutada. E, também, por essas e outras que a justiça brasileira acaba caindo no descrédito.
    Afinal, adiar uma, duas, três vezes vá lá. Agora, seis? Assim já é demais.

  2. E hoje esse bandido, rogerio, ameça todos de uma pequena igreja com objetivo de ser pastor,
    Ele aterroriza todos os membros da igreja reenvidicando cargos dentro da igreja.
    Inclusive ameaçou-me na ultima vez que estive na igreja da cidade de Guaíra-SP onde reside atualmente.
    Ele teme que eu leve á direção da Igreja.

Comente