Uncategorized

Decisão judicial retoma possibilidade de consenso na eleição da FIEP

A tentativa de adiantar as inscrições das chapas para a eleição da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP) foi barrada pela Justiça do Trabalho. A liminar do juiz Roberto Joaquim de Souza, da 6ª Vara do Trabalho de Curitiba, suspendeu e anulou a convocação feita pelo presidente da FIEP, Rodrigo Rocha Loures, que estipulava o prazo para registro das chapas entre 19 e 28 de dezembro, oito meses antes da eleição, que está marcada para 11 de Agosto de 2011.

“Declaro a nulidade da convocação impugnada, levada a efeito por qualquer veículo de comunicação”, traz o texto do magistrado.

Depois de dialogar sem sucesso com o presidente da FIEP para que a convocação antecipada fosse cancelada, representantes de diversos sindicatos entre eles o da Indústria de Fabricação de Álcool e o das Empresas de Engenharia de Montagem entraram na Justiça para barrar o processo. Na avaliação deles a manobra de Rocha Loures busca impedir o registro de outras chapas, deixando apenas o candidato da situação, Edson Campagnolo, na disputa.

No documento os dirigentes criticam a decisão do presidente da FIEP e lembram que historicamente os registros de chapa acontecem 30 dias antes da eleição. Reforçam também que o período de final de ano impossibilita a apresentação das certidões que o processo pede, já que a maior parte dos sindicatos está em recesso, inclusive a FIEP.

“Inacreditavelmente, ainda, há recesso da FIEP a partir do dia 17 de dezembro, ficando ela sem qualquer atividade oficial até janeiro de 2011, já por isso não podendo expedir edital que sequer poderá cumprir a contento, sendo absolutamente genérica, ineficaz e sem qualquer garantia a menção”, cita a petição.

“Urge salientar, nobre julgador, primeiramente a perplexidade com a convocação do pleito eleitoral em momento tão esdrúxulo, posto que estamos há mais de 08 meses da data marcada ao referido pleito eleitoral”, acrescenta.

A decisão do juiz ainda restabelece a possibilidade de consenso na eleição da Federação, vista com bons olhos pela maioria dos 99 sindicatos patronais.

SEBRAE – Essa é a segunda eleição tumultuada por manobras de Rocha Loures nas últimas semanas. Recentemente, Rocha Loures rompeu um acordo

firmado em 2006 entre a FIEP (assinado por ele mesmo), a Fecomércio, Faep, Ocepar, Faciap e Fampepar e lançou-se candidato.

A atitude contrariou representantes de todos os órgãos e Rocha Loures acabou derrotado por 10 votos a 3 por Jeferson Nogarolli.

6 Comentários

  1. PRESIDENTE DE SINDICATO Responder

    MAIS UMA PARA CALAR A BOCA DESSE PILANTRA CHAMADO RODRIGO ROCHA LOURES QUERO ASSISTIR DE CAMAROTE A SAIDA DELE DA FIEP E COMEMORAR COM FOGOS DE ARTIFICIOS

  2. Vai ser muito fácil cassar. Uma coleção de bobagens que os tribunais superiores vão reformar. Sem pressa, pois o prazo expirou.

  3. As vezes eu me pergunto: pq cargas d´ água esse homem comprou uma faculdade (FAMEC) pra FIEP ?
    Adivenhem quantos funcionários o Loures acrescentou após a era Carvalhinho ? ( ) 100 ( ) 1.000 ( ) 2.000 ( ) 3.500 ( ) N.D.A
    Quem colocou NDA acertou, pois o quadro está com aproximadamente 5.600 com carteira assinada; 2.380 tercerizados e uma média de 1.000 estagiários. Só relembrando, Carvalhinho fechou o mandato com 765 funcionario e 126 estagiários. O moço aí poderia ser Ministro do Emprego.

  4. Vigilante do Portão Responder

    A convivência com o Requião fez muito mal ao Rocha Loures.
    KKKK
    ´
    Sempre querendo impor sua vontade.

    Perdeu mais uma.

  5. – O Rocha Loures (pai) foi colocado na FIEP por articulação do rocha Loures (filho) então chefe de gabinete do Requião.
    – O Rocha Loures (filho e pai), colocaram uma quantidade enorme de cabides na FIEP, como esposa de procurador do estado, afiliados de politicos, arquiteto particular,etc…..
    – Enfim, esta fazendo esforços para ficar no poder, afinal de contas a quem não sabe, o dinheiro que circula com a arrecadação do SESI e SENAI é enorme.
    – Dá prá entender porque alguns quiseram, ou querem acabar com os cursos profissionalizantes, ou ainda redirecionar a arrecadação da FIEP para outras entidades, até mesmo para o governo federal ou estadual, pois a GRANA que arrecada-se é muito alta.
    – Só sabe quem lá esta…

Comente