Uncategorized

As faces do crack

Leia reportagem de Márcio Barros sobre o crack para a Revista Ideias em janeiro deste ano.

Foto: Atila Alberti

Jovem, pobre, negro e sem escolaridade. Este é o perfil da maioria de vítimas de homicídios registrados no Brasil, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Grande parte está relacionada com o tráfico de drogas, em especial o crack.

Além do Ipea, o resultado de outras pesquisas realizadas por instituições diferentes como a Rede de Informação Tecnológica Latino Americana (Ritla), Organização das Nações Unidas (ONU) e até mesmo o Ministério da Saúde, também mostram que o crescimento significativo no número de homicídios entre a população jovem, com idade entre 15 e 24 anos, será determinante na mudança do perfil da sociedade brasileira. Em aproximadamente 25 anos, teremos uma população formada por mulheres e velhos.

Segundo a Ritla, entre 1996 e 2006, os homicídios entre jovens com idade entre 15 e 24 anos aumentaram em 31,3%. A estimativa é de que daqui a 26 anos o Brasil tenha aproximadamente 238 milhões de habitantes e mais de 40% da população tenha entre 30 e 60 anos.

Em Curitiba e Região Metropolitana os números são tão alarmantes quanto de outras capitais. De acordo com o site da Secretaria de Segurança Pública, só em 2007, 1.156 pessoas foram assassinadas em Curitiba e nos 28 municípios que integram a RMC. Vale lembrar que não estão incluídas vítimas de confronto com a polícia e latrocínios.

Leia mais no site da Revista Ideias

4 Comentários

  1. Daí vem a tal Secretária Nacional Anti Drogas, do esquadrão petista rumo ao socialismo bolivariano, dizendo que a coisa não é bem assim!
    Nem crise existe, diz a bonitona! Sacanagem tem hora!

  2. Um pouquinho mais de ciencias humanas aplicadas nas escolas durante os estudos das crianças e adolecentes e a concientização juridica e politica seremos salvos dos numeros negativos a vida. Ficamos doentes com isso; mais ainda que ainda existe pessoas que ocupam lugares de Escalão e não sabem nem o que devem fazer lá.

  3. Quero ver quem é que vai pagar a conta das nossas aposentadorias amnhã . Hoje não damos importância às mortes destes jovens, e amanhã vamos chorar copiosamente pela cegueira de hoje. Tony

  4. Eduardo Andrade Responder

    E no Paraná, após quase cinco meses de governo, que medidas foram tomadas para combater o crack, uma droga que domina as praças, ruas e escolas do nosso estado?

Comente