Uncategorized

Os mortos e o código de trânsito

Leia a crônica de Carlos Alberto Pessôa especial para a Revista Ideias.

O número de mortos em acidentes de trânsito no Brasil é próximo de 50 mil por ano – escândalo! horror! Confirmado por outro e original estudo da Universidade de São Paulo: nós brasileiros temos 12 vezes mais chance de morrer no trânsito que felizes habitantes de países como Alemanha, Estados Unidos, Suécia.

– O que fazer?
– Pilha de especialistas foi ouvida; as sugestões vão da duplicação de rodovias ao velho mantra – educação para o trânsito ou trânsito nas escolas. Que ouço e acompanho há pelo menos 50 anos!!!

Claro, o problema é sobredeterminado para escrever difícil, isto é, tem várias causas, a maioria apontada pelos estudiosos na boa matéria do Rafael Waltrick publicada na Gazeta do Povo.

Infelizmente, ninguém lembrou do óbvio, ululante: punição rigorosa dos infratores reincidentes, contumazes. Maternalmente protegidos por paquidérmico código – 341 artigos segundo o matemático Oswald de Souza -, mal escrito – anexo glossário com 300 mobralinas definições de neologismos e velhasbesteiras, impossível de ler, indigesto e que alimenta a impunidade ao invés de mitigá-la, código que deveria ser substituído por lei de apenas cinco linhas, estas:

1ª infração, advertência;
2ª, multa;
3ª, cassa a carteira.
Dirigir sem carteira, 13 anos de cadeia. Revogue-se etc., etc.

9 Comentários

  1. O que fazer? Falta punir os criminosos do trânsito. Alguem conhece alguem preso por matar no trânsito? Carli Filho está em curso no Detran e sai de lá dirigindo. Ainda tem de morrer muita gente pra aprendermos alguma coisa…..

  2. Quanto ao Carli é bom ele explicar de quem era o astra que estava fazendo o racha com ele no dia do acidente. E pai é tão poderoso que consegui apagar dos radares daquele dia.

  3. A impunidade gera a sensação de liberdade, mais recente, São Paulo ou Rio de Janeiro, três socorristas do SIATE ou SAMU foram atropelados enquanto atendiam vitimas de um acidente, um deles teve a perna amputada. O motorista, bêbado, deve ter a carteira suspensa até fazer uma “reciclagem”, pagar pelo danos materiais, responder um processo e depois pagar a “pena” com cestas básicas ou prestação de serviço comunitário.
    Desculpem-me, não sou juiz para julgar, mas se o motorista está embriagado ou sob efeito de drogas, deve sim ir para a cadeia, pois ele sabe muito bem o risco de causar um acidente e deste ocasionar mortes, ou seja, se cometeu um crime deve pagar.

  4. Eu tenho um Código Nacional de Trãnsito próprio, rezo antes de tomar posse do volante. E me ponho nas mãos de Deus. E seja o que Ele quiser, porque o trânsito é um salve-se quem puder, um cada um por si, e Deus por todos. O resto é conversa mole pra boi dormir. Tony

  5. Sergio Silvestre Responder

    Tem que punir os governos e concecionárias.Cadê nossos onipotentes magistrádos,que tomam wisque com os donos do pedágio,porque estradas de pista simples ,que passa por dentro de cidades,que não tem trincheiras,cheias de quebras molas,sem viadutos em cruzamentos.Tem que prender quem oferece isso para o povo.

  6. Continuamos diàriamente a somar o número de vítimas fatais no tran-
    sito aqui no Brasil. É como tapar o sol com a peneira.
    Vale a pena dar uma olhada rápida nos países do primeiro mundo
    como no Japão. Atropelar e causar morte no transito vai para a ca-
    deia. Não existe reciclagem nenhuma. Com mais de um envolvimento
    em acidente de transito o cidadão perde definitivamente a carteira de
    motorista e dependendo da gravidade, na primeira ocorrencia.
    Culpa de quem ? Do cidadão mal educado desde a infancia e lògica-
    mente dos nobres juizes que não sabem aplicar os devidos rigores da
    lei. Aqui no nosso querido país a sensação de IMPUNIDADE não é
    sensação É VERDADEIRA !!

  7. ESTÁ NA REDE SUL DE NOTÍCIAS DE GUARAPUAVA

    Sem habilitação, prefeito de Guarapuava faz reciclagem em Ponta Grossa
    A notícia que correu o Estado ontem (06), dando conta de que o ex-deputado estadual Carli Filho havia feito curso de reciclagem e que poderia voltar a dirigir estava equivocada. Quem estava com a carteira suspensa era o pai do ex-deputado, o prefeito de Guarapuava Luiz Fernando Ribas Carli.

  8. RAIMUNDO FUENTES Responder

    EXISTEM SEMPRE NO MÍNIMO DUAS ALTERNATIVAS.-
    RESPONDE CRIMINALMENTE…..OU SE ESPERA O IMPOSSÍVEL:
    A EDUCAÇÃO DE NOSSOS MOTORISTAS….SÃO DE UMA IMPRUDÊNCIA
    FANTÁSTICA…..É SÓ ANDAR PELAS NOSSAS ESTRADAS ,SEJAM DUPLAS
    OU SIMPLES …É UM SHOW DE BARBERAGENS….

    RAIMUNDO FUENTES.

Comente