Uncategorized

Paraguai vai usar energia de Itaipu para atrair indústrias

De Josette Goulart do Valor Online

A diretoria geral da usina Itaipu Binacional assinou hoje três contratos de serviços para o início das obras de construção do sistema de transmissão que vai ligar Itaipu à capital paraguaia Assunção.

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, fez questão de participar pessoalmente da cerimônia e disse que a partir da instalação desse sistema o país passará a ter uma possibilidade real de deixar de ser um Estado apenas agrícola, mas que também passará a atrair a indústria.

O governo paraguaio está fazendo estudos para definir uma política tarifária que possa atrair investimentos ao país. “É um momento histórico para o Paraguai”, disse Lugo em discurso na cerimônia de hoje, que aconteceu na sede da usina na divisa entre os dois países, nas cidades de Foz do Iguaçu e Ciudad Del Este.

“Com mais energia vamos atrair ao país mais fábricas, com isso vamos precisar de mais de mão de obra. Teremos então mais emprego.” Ao todo serão investidos no sistema de transmissão cerca de US$ 350 milhões.

Os contratos assinados hoje com a ABB e a empresa paraguaia CIE somam US$ 110 milhões, referentes à primeira parte do sistema, que compreende a subestação na margem direita de Itaipu.

As linhas de transmissão em si devem ser licitadas em 40 dias. De acordo com o diretor-geral da parte paraguaia de Itaipu, Gustavo Codas, o sistema entrará em operação até dezembro de 2012.

A usina de Itaipu gera cerca de 9 mil MW por ano. O Paraguai usa apenas 10% dessa energia, apesar de ter direito à metade de tudo o que é produzido. O governo brasileiro trabalha com a estimativa de que em dez anos os paraguaios estarão usando toda sua cota e já se prepara para substituir os cerca de 3 mil MW médios que serão deduzidos da conta de consumo brasileiro.

Codas diz que tudo depende da atração de investimentos, mas acredita que o país estará usando toda sua metade somente a partir de 2025. “De qualquer forma, mesmo sem expansão da indústria o país já cresce hoje entre 8% e 10% ao ano”.

O custo da energia de Itaipu para o consumidor que se instale no Paraguai será mais atrativo do que no Brasil, já que o próprio sistema de transmissão não vai gerar tarifas adicionais pois está sendo inteiramente financiado pelo fundo de desenvolvimento do Mercosul, pelo governo brasileiro e também por Itaipu.

Além disso, o custo trabalhista paraguaio é muito menor, e pode ser notado na própria hidrelétrica onde o lado paraguaio tem cerca de 450 funcionários a mais que o lado brasileiro, dispondo do mesmo orçamento

4 Comentários

  1. antonio carlos Reply

    Já está faltando mão-de-obra no Estado, está-se importando mão-de-obra de outros lugares. Como o Paraguai vai progredir sem mão-de-obra? Vai importar de onde? Do Brasil é que não é. Tony

  2. Boa notícia, é bom saber que o Paraguai está evoluindo. Vai organizar a Pirataria, que será ruim para a China.

  3. do serpentário Reply

    Gente, se a República do Paraguay está no estado atual deve-se exclusivamente aos nossos antepassados brasileiros, negros e brancos, aliados aos hermanos argentinos e uruguaios, incentivados, financiados e armados pela Inglaterra, os quais, todos irmanados de “bons propósitos”, mataram quase todos os homens paraguayos e saquearam a economia paraguaia durante anos. Não é a toa que os Sarneys e Collors da vida não querem trazer à luz os documentos secretos diplomáticos do Brasil, sabem que tem muita coisa suja que os brasileiros fizeram e que se revelados, nossa aura de bom mocismo nas relações com outras nações vai ficar muito, muito mal, lá e cá.

Comente