Uncategorized

Governo Beto Richa tem valor recorde de caixa

O corte nas despesas e a negociação de dívidas contribuíram para que os cofres do estado conseguissem valor recorde

Rosana Félix da Gazeta do Povo
Foto Arnaldo Alves/AENotícias

A moratória do governo estadual terminou em abril, mas a gestão de Beto Richa (PSDB) está começando a engrenar somente agora. As licitações, que ficaram quase congeladas nos primeiros meses do ano, retornaram com força nas quatro últimas semanas. O corte nas despesas e a postergação de dívidas contribuíram para que o caixa ficasse positivo em valor recorde. Outro fator que deve facilitar as iniciativas da atual gestão é o apoio maciço da Assembleia – exemplo disso é a criação de duas supersecretarias estaduais, aprovada pelos deputados estaduais na semana passada pelo placar elástico de 38 votos a 6.

O ritmo das compras públicas mostra bem como está o andamento do governo. Somando as quatro modalidades mais utilizadas (concorrência, convite, pregão eletrônico e pregão presencial), a gestão de Beto Richa fez 380 aquisições no período de 1.º de janeiro a 15 de junho. Foram exatamente 500 compras a menos do que o realizado no mesmo período de 2010. A queda brusca, de 57%, foi influenciada pelo ritmo acelerado típico dos anos eleitorais. Mas, comparando 2011 com 2009, também houve uma redução significativa, de 40%.

Até a data pesquisada, 15 de junho, não houve nenhuma licitação de maior vulto, como de obras ou construções públicas. A maioria das compras foi de itens fundamentais, como remédios, alimentos, material de expediente e combustíveis. Uma exceção foi o lançamento de um edital para a compra de uma aeronave para o governo do estado. Mas o edital, que previa um contrato de R$ 5,9 milhões, foi cancelado, após gerar polêmica na Assembleia, e o Executivo está estudando mudanças.

Neste ano, foram feitas apenas seis concorrências públicas (das quais uma foi revogada), modalidade re­­servada para as aqui­­­sições de maior valor ou que envolvam en­­genharia (obras e engenharia acima de R$ 1,5 milhão e outros serviços acima de R$ 650 mil). No ano passado, ocorreram 155 concorrências. Por outro lado, o número de pregões presenciais não caiu tanto, assim como o de convites (veja detalhes ao lado). Nessa modalidade, a administração pública convida três fornecedores do seu interesse e deve escolher o que apresentar o menor valor.

A tendência, porém, é que os números de licitações deste ano se assemelhem ou superem os do ano passado. Dos 137 convites feitos do começo do ano até meados de junho, 90 foram realizados a partir de maio. O mesmo ocorreu com os pregões eletrônicos: do total de 157 no período, 110 foram feitos nas últimas semanas.

Economia

Com menos aquisições, revendo contratos e postergando pagamentos, o governo do Paraná conseguiu economizar um valor recorde. Os dados consolidados mais recentes, referentes à 1.º de janeiro a 31 de maio deste ano, mostram que havia R$ 1,7 bilhão em caixa. No mesmo período de 2010, o governo tinha R$ 1,3 bilhão. As despesas não diminuí­­ram de um ano para outro; pelo contrário: cresceram 7,7%. Entretanto, a arrecadação subiu mais, impactando positivamente no superávit. As receitas aumentaram 10,2%, e totalizaram R$ 9,9 bilhões.

Na apresentação do balanço financeiro do estado do primeiro quadrimestre, feito há 15 dias, o secretário da Fazenda, Luiz Carlos Hauly, havia reclamado da arrecadação entre os meses de janeiro e abril, mas ressaltou que as contas estavam “reequilibradas”. Esse foi o primeiro comentário feito pela nova gestão neste ano que fugia da tecla de “herança maldita” deixada pelos antecessores, Roberto Requião e Orlando Pessuti, ambos do PMDB.

20 Comentários

  1. PERDE & GANHA
    Governar um Estado como o Paraná, em que pese aparentemente alguns transtornos por conta de clima, segurança, planejamento e infra-estrutura, mostra com estes números apresentados pelo Governador Richa, que não se trata de uma tarefa tão dificil.
    Basta seguir a cartilha do bom senso, aplicar os recursos do povo com sabedoria, coerência e eficiência acima de tudo.
    Governador algum faz milagre. Mas pode decidir pelo certo com raciocínio e buscar nas experiências passadas que lograram êxitos, formas de melhor aplicar o que recebe em imposos da população.
    Neste contexto, a presença de Luiz Carlos Hauly na Secretaria de Finanças do Estado, é uma garantia de que o povo está bem representado por alguém que conhece da função. Ele já traz na bagagem o tempo de serviço na mesma função exercida no governo de Alvaro Dias, sem dúvida e os números apontam como um período dificil; mas que o Paraná cresceu exatamente pela austeridade e capacidade aplicação dos recursos auferidos.
    Parabéns, governador Richa e não deixe de olhar os números dos seus antecessores para ver que sempre encontrará boas dicas de como prosseguir em sua caminhada por mais tres anos e meio.

  2. Não vale a pena fazer exagero em retrospectiva. Agora chega fazer alarme, de olhar e chamar a atenção para trás.
    Vamos ver os efeitos disto na segurança, na saúde e na educação. Depois, outros investimentos para desenvolvimento.
    Vivas ao Paraná !!!

  3. Então, o governo deve mostrar o que não mostrou até agora: ação e menos desculpa !
    Já se passou 1/8 do tempo regulamentar, vale dizer, em termos futebolísticos, que já jogaram cerca de 13 minutos – sem gol !

  4. capanema está de olho Responder

    amem, saiu, viva,agora gostaria de fazer uma pegunta, cade o estado falido? imposivel tirar um estado em falência em apenas 6 meses de governo, gostaria que o governador fosse na midia pedir uma desculpa calorosa para todos os seus eleitores e oposicionistas por mentir algo tão grave!

  5. O Governo do Beto está estagnado enquanto sobram recursos em caixa!
    E aquela história de milhões de dividas não pagas que comprometeriam sua gestão, não passou de um engano contábil?
    Beto, Lerner, Requião e outros que por lá passaram sempre utilizam a mesma fórmula. Fingir que tudo está um caos, na sequencia milagrosamente salvam o Estado e depois com caixa cheio, atraem os incautos deputados e Prefeitos, liberando obras e recursos na véspera eleitoral.
    É o patrimonialismo, o assistencialismo e a hipocrisia prevalecendo sobre a gestão efetiva e eficaz que nós eleitores e financiadores do Estado buscamos com a alternância do poder.
    Enquanto isto, hospitais sem conclusão de suas obras, policia sem condições adequadas para atender ocorrencias, estradas esburacadas, miseraveis morrendo congelados nas ruas das cidades.
    E a bobalhada geral aplaude…

  6. Fez parecer que a situação do Estado era ruim só para dizer que agora na sua administração melhorou muito! Beto, me engana que eu gosto…

  7. Pelo visto todos de caixa cheio.

    E o homem das águas freqüentemente com aviões de empresários, em especial daquele que falou mal da dama.

  8. Parabéns ao Hauly por equacionar as contas públicas e possibilitar o governo do Paraná desenvolver as políticas públicas de investimentos necessárias. Excelente escolha do governador.

  9. Mas é fantástico!!
    Em seis meses Beto transformou um Estado falido, com sérias dificuldades financeiras e um rombo incalculável, tudo, em saldo recorde de caixa???
    E pensar que Requião/Pesutti nem as contas de agua e luz pagaram…
    Beto é mesmo um Richa! Um verdadeiro político brasileiro.
    Orgulho do Paraná!

  10. Sergio silvestre Responder

    Muito bem,comece a gastar,duplique a pr 445 que isso já é uma vergonha,ou vai vendela para as concecionárias.

  11. com a diminuição dos gastos na área de emprego, meio ambiente e educação, além da redução dos gastos com o corte das AIH’S dos hospitais dos pequenos municípios, sobra dinheiro mesmo

  12. Houve corte de serviços, daí o recorde de caixa. O IML se tornou um empilhador de corpos por falta de recursos, policia sem gasolina, ruas esburacadas em todo o paraná por não honrar convenios assinados pelo governo anteiror, rompendo contrato, causando confusão juridica, e ainda, diabéticos sem insulina no SUS, encargo do govenro do estado. assim até eu faria caixa. Paralisou o estado. em foz do iguaçu está pedindo salas de aulas emprestadas ao municipio por falta de investimento em construção de novas. Mas a imprensa é betista, e asimm, caminha o paranaense, amsi um govenro virtual.

  13. Ou o Hauly está enganando ou está sendo enganado!
    A primeira assertiva é a mais razoável para que conhece o velho Hauly!

  14. Marlene, a Viva Responder

    O Hauly mesmo dá a medida da mentira quando diz que conseguiu-se “postergando pagamentos”.

  15. Agora é hora de tomar vergonha na cara e parar de dar calote na segurança pública falida, e começar a pagar a emenda 29, que já está atrasada desde abril.

Comente